Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

VPAAPS: Saúde e Natureza

Saúde e Natureza

Em que pese a rica trajetória contemporânea das iniciativas relacionadas à determinação socioambiental no âmbito do SUS, e da produção de conhecimento a ela relacionados, os diagnósticos, cenários, projeções desde o âmbito territorial ao global são marcados por contextos de intensificação de vulnerabilidades e de fraturas socioambientais jamais experimentadas.

O conjunto de alertas sobre a gravidade da crise planetária e civilizatória que emerge a partir da década de 70, em síntese, se agrava e se aprofunda. Não há resposta efetiva por parte dos atores capazes de transformar o paradigma por nós vivenciado. A tripla crise ambiental contemporânea: crise climática, crise da biodiversidade e crise da poluição e degradação ambiental, trata-se de uma crise mais que global, de dimensão planetária: tornou-se uma crise da natureza.

Adentramos na hedionda era da pandemia da Covid-19. Similar à saúde, o ambiente torna-se também um elemento de preocupação central da geopolítica global contemporânea. O uso adequado de florestas entrou no centro da agenda ambiental global. O problema, portanto, parece estar para além da capacidade cognitiva da humanidade – dominado pelas Epistemologias do Norte - em reconhecer o “fundo do poço” no qual se meteu e no atual estágio, não tendo capacidade de enfrentá-lo de forma resolutiva.

Este cenário, no caso do Brasil, agrava-se drasticamente com o profundo desmonte das políticas públicas ambientais e correlatas, como pode ser verificado no Relatório Luz-2021, elaborado pela sociedade civil.
As sociedades têm evocado e clamado por uma modelagem alternativa, que dialogue com as vozes das comunidades e povos das ruas, campos, florestas e águas, ou seja, por um tipo de desenvolvimento que não destrua a natureza e favoreça a vida. Há necessidade cada vez maior de construir novas alianças colocando saúde e ambiente no centro da agenda, reconectando civilização e natureza.

O debate sobre a Natureza, do ponto de vista da ética, do direito, das ciências sociais, das ciências humanas e das ciências biológicas e ambientais, e também da política e dos movimentos sociais, em especial os povos e comunidades tradicionais e originárias é emergente. Alguns países já consideram em seus marcos constitucionais e legais os direitos da natureza, tais como Bolívia, Canadá e Nova Zelândia, retomando a cosmologia visionada por nossos ancestrais.

No lugar do medo do colapso ambiental iminente, faz-se necessário dar protagonismo e esperança ativa à sociedade visando construir uma sociedade afirmativa, provedora de soluções e realizadora de seus sonhos, especialmente para a juventude de hoje e as novas gerações.

Em consonância com as teses aprovadas no IX Congresso Interno da Fiocruz, realizado entre outubro e dezembro de 2021, cabe à instituição posicionar a emergente temática de Saúde e Natureza no centro de seu processo de produção em Ciência, Tecnologia e Inovação – CT&I, de forma a atualizar o seu papel protagonista frente ao enorme desafio que se apresenta – à humanidade e à natureza - no mundo contemporâneo do século XXI.  

Voltar ao topoVoltar