Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Preocupação com os grandes problemas nacionais


Os problemas sanitários do Rio de Janeiro compunham apenas uma parte das preocupações de Oswaldo Cruz, no entanto. Com as campanhas encaminhadas na capital, o cientista e seus pares do Instituto de Manguinhos voltaram seus olhares para outras regiões. “Quando debelou os surtos epidêmicos na cidade do Rio, Oswaldo Cruz se dirigiu ao interior e aos portos. Eles descobriram mazelas, entre as quais a doença de Chagas, mas também se colocaram como parte da solução”, afirma Carlos Fidelis. “Ele tinha uma visão muito atenta do quadro sanitário e político. Ele não fazia ciência pela ciência, mas uma ciência voltada para os problemas do Brasil. Achava que, se não tivesse contato com isso, a instituição perdia a razão de ser.”

Menos de um ano depois de enfrentar e superar a Revolta da Vacina no Rio, Oswaldo Cruz embarcou a bordo do navio República para uma série de visitas aos portos da Região Norte do Brasil, em 1905. O levante popular teve como origem a obrigatoriedade de vacinação da população do Rio de Janeiro, capital federal, contra a varíola em 1904. Durante seis meses da expedição sanitária aos portos marítimos e fluviais, o cientista fez anotações detalhadas da passagem por cada porto, mostrando-se um verdadeiro cronista: foi além de impressões sobre as condições de saúde nas cidades, sobre sua arquitetura e topografia. Em cartas enviadas à mulher, Emília, ele relatou hábitos e costumes dos habitantes de lugares como Vitória, Porto Seguro, Salvador, Aracaju, Maceió e Manaus.

“Além de registrar impressões sobre as condições de saúde reinantes nas cidades visitadas, sua arquitetura e topografia, o cientista comentava os hábitos e costumes de seus habitantes, seus modos de vestir e falar”, afirma a historiadora da Casa de Oswaldo Cruz Ana Luce Girão. Tampouco escaparam à observação de Oswaldo Cruz o comportamento de personagens que conhecia de porto em porto, fossem autoridades, membros das elites locais ou gente simples do povo. Alguns relatos e comentários dão a impressão de que, transcorrido mais de um século das andanças do cientista, alguns problemas – bem como suas raízes – parecem imutáveis.

“É nítida a aversão que Oswaldo Cruz começava a desenvolver por políticos locais que não se ocupavam com o saneamento da região que governavam, empregando dinheiro público em proveito próprio e na construção de suas carreiras políticas sobre bases clientelísticas. Ao elogiar a firmeza de caráter de algum político, no entanto, o cientista faz questão de realçar a excepcionalidade dessa virtude”, comenta Ana Luce.

:: Um lugar para a ciência brasileira

:: Oswaldo Cruz e a teoria do mosquito

:: Protagonismo e descaso

Texto adaptado da edição edição nº 37 da Revista de Manguinhos, publicada em maio de 2017.

Voltar ao topoVoltar