Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Perguntas e respostas sobre Vacinação

Perguntas e respostas sobre Vacinação

As duas vacinas devem ser aplicadas logo após o nascimento. A vacinação contra a Hepatitte B deve ser feita 12h após o nascimento. A  BCG, contra tuberculose, pode ser aplicada  até 1 mês de vida. No entanto, o ideal é que as duas sejam feitas na própria maternidade onde o parto foi realizado. Na impossibilidade dessa situação, a família deverá...

As vacinas que necessitam de  indicação especial para aplicação em gestantes são: Hepatite A, Hepatite B, Pneumocócicas, Meningocócicas conjugadas, Meningocócica B e Febre Amarela. É fundamental o acompanhamento médico para o acompanhamento de cada caso e para a tomada de decisão sobre a vacinação. 

 

Fonte: Instituto...

As vacinas que o recém-nascido deve receber são as seguintes: 

  • Vacina de Hepatite B, que é intramuscular, até 12 horas após o nascimento;
  • BCG para Tuberculose, intradérmica, até 1 mês de vida. No entanto, o ideal é que ela seja aplicada o mais precocemente possível, de preferência ainda na maternidade, em recém-nascidos...

As mulheres que não estão grávidas devem seguir as doses recomendadas pela Caderneta de Vacinação relativas à sua faixa etária. Dessa forma, protegerão a própria saúde e também contribuirão para manter a saúde da comunidade onde vivem. Cabe destacar que muitas vacinas – Hepatite B, SRC (Tríplice Viral), dT (Dupla Adulto) e Febre Amarela – estão...

No caso de a gestante apresentar alguma doença na época da vacinação planejada, a melhor opção é uma consulta prévia com profissional na unidade de saúde para definir a conduta.

 

Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz)

A vacinação é fundamental para proteger a gestante e o feto de infecções evitáveis que podem comprometer a saúde do binômio materno-fetal. O Ministério da Saúde recomenda rotineiramente quatro vacinas que são oferecidas para todas as gestantes: dTpa (Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto: difteria, tétano e coqueluche), dT (Dupla Adulto:...

Sim. São elas a Tríplice Viral (sarampo, rubéola e caxumba), HPV (condiloma ou papiloma), Varicela (catapora) e Dengue.

 

Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz)

Logo depois do nascimento, a criança deve receber as vacinas contra Hepatite B e contra tuberculose (BCG). Em relação à Hepatite B, a vacinação precoce é fundamental, principalmente nos locais em que a gestante possui pouco acesso ao pré-natal e quando não se sabe sobre as condições maternas referentes à proteção contra o vírus da Hepatite B....

As vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde para esse período são seguras para a utilização por gestantes. O Ministério da Saúde recomenda rotineiramente quatro vacinas que são oferecidas para todas as gestantes: dTpa (Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto: difteria, tétano e coqueluche), dT (Dupla Adulto: difteria e tétano),...

A dTpa imuniza as gestantes para difteria, tétano e coqueluche e a dT imuniza para difteria e tétano. A dTpa pode ser utilizada por gestantes que já realizaram a imunização prévia para o tétano e difteria, utilizando a dose única da dTpa após a 20ª semana de gestação. Para as gestantes com história prévia vacinal desconhecida ou vacinação...

Não. O Ministério da Saúde recomenda rotineiramente a oferta de quatro vacinas para todas as gestantes: dTpa (Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto: difteria, tétano e coqueluche), dT (Dupla Adulto: difteria e tétano), Hepatite B e Gripe (Influenza), que deverão ser utilizadas de acordo com a história vacinal prévia da paciente, avaliada...

Não. O Ministério da Saúde recomenda rotineiramente quatro vacinas que são oferecidas para todas as gestantes: dTpa (Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto: difteria, tétano e coqueluche), dT (Dupla Adulto: difteria e tétano), Hepatite B e Gripe (Influenza), que deverão ser utilizadas de acordo com a história vacinal prévia da paciente,...

Nesses casos, a gestante deverá procurar a unidade de saúde para receber orientação adequada.

 

Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz)

O sistema imunológico do bebê ao nascimento é imaturo. Com a vacinação da gestante, o bebê recebe anticorpos maternos diretamente pela placenta e, após o parto, através da amamentação, trazendo proteção para o bebê de todas as doenças para as quais as mães foram vacinadas.


Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz)...

Não há, até o momento, nenhuma associação cientificamente comprovada entre mercúrio e alumínio e autismo. Um estudo apresentado em 1998, que levantou preocupações sobre uma possível relação entre a vacina contra o sarampo, a caxumba e a rubéola e o autismo, foi posteriormente considerado seriamente falho e o artigo foi retirado pela revista que...

Não há aumento de risco de autismo com a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola. 


Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF / Fiocruz)

Em 1998, um artigo foi publicado em uma revista científica de renome associando autismo a vacinação. Porém, a comunidade científica não conseguiu encontrar essa associação. Posteriormente, foi verificado que o artigo possuía erros graves de metodologia que interferiram nos seus resultados. Foram quase 20 anos para que o erro fosse corrigido...

Pacientes não vacinados podem desenvolver quadros neurológicos associados a doenças imunopreveníveis por vacinas. Portanto a vacinação confere uma proteção a esses quadros neurológicos relacionados às doenças, tendo um impacto positivo na prevenção de um quadro clínico grave. 

 

Fonte: Instituto Fernandes Figueira (IFF /...

Proteger as gestantes da infecção pelo vírus da hepatite B. Infelizmente, 11,1% dos novos casos registrados no Brasil entre 1999 e 2015 aconteceram em gestantes não vacinadas. Mais impactante é saber que 90% dos recém-nascidos que contraem a infecção durante a gestação vão desenvolver a forma crônica da doença.

 

Fonte:...

Sim, não há risco na vacinação, pois não há proteínas do leite e nem traços de proteínas do leite de vaca na vacina de febre amarela produzida por Biomanguinhos/Fiocruz. Portanto, qualquer pessoa, inclusiove crianças, com alergia à proteína do leite podem ser imunizadas sem qualquer perigo de reação alérgica.

 

Fonte:...

A vacina da Febre Amarela é contraindicada para bebês menores de 6 meses. O esquema vacinal consiste em uma dose única a partir dos 9 meses de idade. Crianças menores de 9 meses de idade não irão receber a vacina, devendo-se passar repelente de acordo com as orientações de faixa etária de cada produto, bem como utilizar mosquiteiros e e/ou...

O Ministério da Saúde recomenda a vacinação anual dos grupos prioritários. A escolha dos grupos que receberão a vacina segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). São priorizadas as populações com maior chance de complicações e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave.
Em 2019, foram priorizados:
- Crianças com...

O Ministério da Saúde recomenda rotineiramente quatro vacinas que são oferecidas para todas as gestantes: dTpa (Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto: difteria, tétano e coqueluche), dT (Dupla Adulto: difteria e tétano), Hepatite B e Gripe (Influenza), que deverão ser utilizadas de acordo com a história vacinal prévia da paciente,...

A vacina para a Febre Amarela só deve ser recomendada para a gestante, referida como uma situação especial, no caso de epidemia na região onde residir a paciente. Como a vacina é produzida a partir de vírus vivo atenuado, ela pode produzir efeitos leves relacionados à doença. Além disso, pessoas alérgicas à proteína do ovo e gelatina de origem...

Sim, a imunidade que a mulher adquire ao longo da vida será transmitida ao bebê pelo leite materno. É comprovado que os bebês que recebem o leite materno respondem mais eficientemente à ação das vacinas, produzindo anticorpos essenciais e específicos à imunização. Isso se deve à quantidade de nutrientes e outras substâncias que passam da mãe...

Ela não é recomendada para gestantes e mulheres amamentando em áreas sem circulação viral. Nas áreas com confirmação de circulação viral, as gestantes e lactantes devem ser vacinadas. Recomenda-se a suspensão do aleitamento materno por dez dias após a vacinação. É importante procurar um serviço de saúde para orientação e acompanhamento a fim de...

Em relação à Hepatite B, a vacinação precoce é fundamental, principalmente nos locais em que a gestante possui pouco acesso ao pré-natal e quando não se sabe sobre as condições maternas referentes à proteção contra o vírus da Hepatite B. No caso de mães que apresentem o HBsAg+, é fundamental que p bebê receba a vacina nas primeiras 12 horas de...

Com certeza, o risco é iminente. Até o momento de se imunizar, além de ficar desprotegido e mais vulnerável, ele é também agente transmissor da doença caso fique doente. Muitas doenças comuns no Brasil e no mundo deixaram de ser um problema de saúde pública por causa da vacinação massiva da população. Atualmente, não só o Brasil como a Europa e...

Todas as pessoas entre 1 e 49 anos que não tenham o registro da vacina contra o sarampo em sua Caderneta de Vacinação devem ser vacinadas. Há uma preocupação especial com as crianças, que são o grupo de maior risco em adquirir a doença. É recomendado que seja seguido o calendário orientado pelo Ministério da Saúde. O esquema vacinal contra o...

Não. Tratam-se de vírus diferentes. Porém, neste momento irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para coronavírus, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. 

Até o momento, não há nem vacina nem medicamento antiviral específico para prevenir ou tratar a Covid-19. No entanto, no dia 24 de abril, a Organização Mundial de Saúde anunciou que diversos países, convocados pela União Europeia e pela Organização das Nações Unidas, lançaram uma aliança para que esforços sejam concentrados na busca por uma...

O novo coronavírus que está causando a atual pandemia faz parte de uma grande família de vírus, mas é bastante diferente geneticamente de outros coronavírus que já atingiam animais e seres humanos anteriormente. Portanto, uma adaptação da vacina contra o coronavírus canino não protegeria seres humanos contra esse vírus atual. (Pergunta e...

É melhor esperar que a pessoa se cure do novo coronavírus. A vacina pode dar febre e outras reações que prejudicariam a pessoa infectada. (Pergunta e resposta elaboradas a partir do Fale Conosco do portal Fiocruz)

 

 

A vacina, que tem previsão de registro por Bio-Manguinhos sob o nome Vacina Covid-19 (recombinante), foi desenvolvida com a tecnologia de vetor viral não-replicante de adenovírus de chimpanzé. Atualmente encontra-se em estudos clínicos de Fase III, para verificar sua eficácia, no Brasil - sob coordenação da Unifesp.

O adenovírus de...

Para se ter essa informação, é preciso aguardar os resultados dos estudos clínicos que, no Brasil, estão sendo coordenados pela Unifesp.

Páginas

Voltar ao topoVoltar