Início do conteúdo

Perguntas e respostas sobre Vacinação

Perguntas e respostas sobre Vacinação

No início do século 20, a identificação do A. aegypti como transmissor da febre amarela urbana impulsionou a execução de rígidas medidas de controle do mosquito no Brasil. Em 1958, o país foi considerado livre do vetor pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, a erradicação não recobriu a totalidade do continente americano e o...

Não existe tratamento específico. O tratamento dos casos sintomáticos recomendado é baseado no uso de acetaminofeno (Paracetamol) ou Dipirona, para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. No entanto, é desaconselhável o uso ou indicação de ácido acetilsalicílico e...

Para os repelentes de pele, classificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária como cosméticos, as substâncias ativas sintéticas registradas são o N,N-DIETIL-META-TOLUAMIDA ou N,N-DIETIL-3-METILBENZAMIDA (DEET), o hydroxyethylisobutylpiperidinecarboxylate (Icaridin ou Picaridin) e o ...

Os repelentes de tomada são produtos saneantes repelentes de ambiente que tiveram a eficácia comprovada contra o Aedes aegypti ao serem registrados pela Anvisa. Contudo, vale ressaltar que essa eficácia foi comprovada com cepas de mosquitos criados em laboratório. É possível que cepas presentes no meio ambiente apresentem resistência...

É uma doença viral aguda, transmitida principalmente por mosquitos, tais como Aedes aegypti, caracterizada por exantema maculopapular pruriginoso, febre intermitente, hiperemia conjuntival não purulenta e sem prurido, dor nas articulações, dor muscular e dor de cabeça. Apresenta evolução benigna e os sintomas geralmente desaparecem...

Sim. Alguns produtos podem apresentar restrições de uso específicas de acordo com as informações apresentadas para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária pelos fabricantes. Nestes casos, as restrições de uso estão descritas na rotulagem, mas para todos os produtos inseticidas, as regras gerais são: pessoas ou animais domésticos não devem...

Microcefalia é uma condição rara, cujas causas podem ser genéticas ou ambientais (relacionadas à toxicidade, radiação ou infecção). É definida como uma condição ao nascer em que a circunferência craniana ou perímetro cefálico é menor do que o esperado para a idade no momento do nascimento e o sexo. A microcefalia congênita pode se apresentar...

As ações de controle são semelhantes a da dengue, portanto coordenadas principalmente para a esfera municipal. Quando o foco do mosquito é detectado e não pode ser eliminado pelos moradores de um determinado local, como em terrenos baldios ou lixos acumulados na rua, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada para remover os possíveis...

Em áreas onde se tem documentado epidemia de zika (como na Polinésia Francesa e no Brasil), houve um aumento de pessoas com a Síndrome de Guillain-Barré (SGB). No entanto, ainda não foi estabelecida uma relação causal direta entre a infecção com o vírus e SGB. Há outros fatores, como a infecção prévia por dengue ou fatores genéticos, que...

O Ministério da Saúde reforça às gestantes que não usem medicamentos não prescritos pelos profissionais de saúde e que façam um pré-natal qualificado e todos os exames previstos nesta fase, além de relatarem aos profissionais de saúde qualquer alteração que perceberem durante a gestação. Em relação à prevenção contra o vírus zika, também é...

A microcefalia não é um agravo novo. Trata-se de uma malformação congênita (ocorrida durante a gestação), em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Neste caso, os bebês nascem com perímetro cefálico menor que o normal, que habitualmente é superior a 32 cm.

 

Fonte:...

Cerca de 90% das microcefalias estão associadas com paralisia cerebral. Algumas crianças com perímetro cefálico abaixo do normal podem recuperar o crescimento cerebral e evoluir sem a paralisia. Entretanto, isto só vai acontecer se não tiver havido perda de tecido cerebral. O tipo e o...

A microcefalia é, provavelmente, o mais grave problema decorrente da infecção pelo zika, mas já estão ocorrendo outras complicações em decorrência do vírus nos bebês, como problemas oculares, auditivos, microcalcificações no cérebro e malformações osteo-musculares, que vão provocar repercussões no desenvolvimento neuropsicomotor dessas crianças...

É impossível dizer qual acometimento cerebral ela vai ter.  Ela pode ter retardo mental, paralisia cerebral, epilepsia, atraso no desenvolvimento global. Existem diversas manifestações clínicas do acometimento cerebral, levando a diferenças em relação ao prognóstico dessas crianças. Algumas crianças podem desenvolver um grau de microcefalia...

Não. A microcefalia não é uma doença transmissível, ela está associada a uma deficiência no crescimento do cérebro, dado pela doença intraútera, ou seja, uma infecção que ocorre dentro da barriga da mãe.

 

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias...

Sim. No entanto, somente o médico que está acompanhando a grávida poderá indicar o método de imagem mais adequado. O exame mais utilizado é a ultrassonografia obstétrica.

 

Fontes: Agência Fiocruz de Notícias; Maria Elisabeth Lopes...

A síndrome de Guillain-Barré é uma condição neurológica de natureza autoimune na qual o nosso organismo produz, de forma anormal, anticorpos que atacam o envoltório natural dos nervos periféricos (a chamada bainha de mielina). Isso faz com que o impulso nervoso seja transmitido de forma extremamente lenta através destes nervos. Essa...

É importante que os profissionais de saúde estejam atentos à avaliação cuidadosa do perímetro cerebral e à idade gestacional, assim como à notificação de casos suspeitos de microcefalia no registro de nascimento no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc). Por ser uma fonte de contato direto com a população, os profissionais também...

A síndrome de Guillain-Barré pode acometer qualquer faixa etária e sua incidência é de um a dois casos para cada 100 mil habitantes por ano. A doença tem início agudo (em horas ou dias) e se caracteriza por uma fraqueza muscular ascendente (começando nas pernas e subindo para os braços). Esta fraqueza é variável, podendo se caracterizar por uma...

O tratamento na fase aguda é baseado na infusão de altas doses de gamaglobulina endovenosa ou através de um método de filtração do sangue chamado plasmaferese. Na fase de recuperação a fisioterapia é fundamental.

 

Fontes: Agência Fiocruz de Notícias;...

Não. A síndrome de Guillain-Barré não é uma doença transmissível ou contagiosa de pessoa a pessoa, mas sim uma manifestação autoimune.

 

Fontes: Agência Fiocruz de Notícias;...

Sim, mas as crianças evoluem melhor que os adultos. A doença tem curso mais benigno e a recuperação é mais rápida.

 

Fontes: Agência Fiocruz de Notícias;...

Em geral, a doença se manifesta de duas a quatro semanas depois, mas em certos casos chegou a aparecer em até 12 semanas.

 

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias;...

Não é verdadeira a informação de relação entre a incidência do vírus zika com os mosquitos portadores da bactéria Wolbachia. Desde 2014, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Ministério da Saúde, desenvolve o projeto Eliminar a Dengue: Desafio Brasil que propõe o uso de uma bactéria naturalmente encontrada no meio...

Não. Todos os casos de crianças com microcefalia relacionada ao vírus zika serão investigados. A mudança para o parâmetro do perímetro cefálico igual ou menor de 32 centímetros segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e é apoiada pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e tem suporte da equipe do Sistema Nacional de...

Não. O aumento de casos de microcefalia no país está associado ao vírus zika, que é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Não há registro na literatura médica nacional e internacional sobre  a associação do uso de  vacinas  com a microcefalia. Todas as vacinas ofertadas pelo Programa Nacional de Imuização (PNI) são seguras. O PNI é...

Embora já se tenha identificado o vírus no leite materno, não houve, até o momento, nenhum relato de caso em que tenha havido a transmissão do vírus zika para o bebê pelo leite materno. A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, coordenada pela Fiocruz, afirma que, por conta de todos os benefícios que o leite materno traz ao recém-nascido, ...

A biblioteca temática Aedes Informa, organizada pela Rede de Bibliotecas da Fiocruz, fornece mais de oito mil referências de artigos nacionais e internacionais sobre essas arboviroses e também estudos...

O Ministério da Saúde (MS) esclarece que as vacinas ofertadas pelo PNI (Plano Nacional de Imunizações) são seguras e não há nenhuma evidência na literatura nacional e internacional de que possam causar microcefalia. É importante ressaltar que as vacinas contra a rubéola e contra o sarampo (dupla viral e tríplice viral – que inclui também a...

Cientistas da Fiocruz detectaram, em amostras de saliva e urina de pacientes, a presença do vírus zika em sua forma ativa, isto é, ainda capaz de se multiplicar. Esta foi a primeira vez que se verificou a multiplicação do vírus em culturas de células tratadas com o material extraído das amostras de saliva e urina de pacientes e aumenta as...

Não existe nenhuma evidência que a vacina dTpa (contra difteria, tétano e coqueluche) administrada em gestantes cause má-formação em bebês. A vacina foi incluída no calendário nacional de vacinação em novembro de 2014 e a recomendação é que sua aplicação seja feita em mulheres entre a 27ª e a 36ª semana de gestação. Segundo o Ministério da...

Não. A Tríplice Bacteriana (DTP) protege a criança de três doenças: Difteria, tétano e coqueluche. Ela é indicada apenas para crianças de 15 meses a menores de 7 anos e são contraindicadas para pessoas acima dessa idade - ou seja, elas não são aplicadas em jovens em idade reprodutiva, por isso não estão relacionadas aos casos de microcefalia...

Pesquisas realizadas em campo indicam que os grandes reservatórios, como caixas d’água, galões e tonéis (muito utilizados para armazenagem de água para uso doméstico em locais dotados de infraestrutura urbana precária), são os criadouros que mais produzem Aedes aegypti e, portanto, os mais perigosos. Isso não significa que a população...

Os ovos do Aedes aegypti possuem forma alongada e são bem pequenos (medem cerca de 0,4 mm), difíceis de serem observados.  No momento da postura os ovos são brancos, mas rapidamente escurecem e tornam-se negros e brilhantes. Eles adquirem resistência ao ressecamento muito...

O Aedes aegypti passa por quatro etapas até chegar a forma de mosquito: ovo, larva, pupa e forma adulta. Este ciclo varia de acordo com a temperatura, disponibilidade de alimentos e quantidade de larvas existentes no mesmo criadouro. Em condições ambientais favoráveis, as fases de ovo à forma adulta podem ocorrer de 7 a 10 dias. Por isso, a...

Páginas

Voltar ao topoVoltar