Início do conteúdo

Reciis discute preservação digital e saúde


01/10/2020

Por: Roberto Abib (Icict/Fiocruz)

Compartilhar:

Capa da revista mostra uma bibliotecária scaneando um livro antigo
As novas tecnologias têm propiciado com mais frequência e quantidade a produção e gestão de documentos em ambientes digitais, o que nos faz levantar a questão: como iremos preservar a memória a partir desses objetos digitais? A fim de propor uma discussão em relação a esta pergunta, a Reciis lança o terceiro volume de 2020 com o dossiê Preservação Digital. Sendo uma área ainda jovem no país, o dossiê reúne artigos de pesquisadores e profissionais da informação e comunicação que procuram ampliar o olhar sobre os documentos digitais a fim promover a integridade, o cultivo, a guarda e o acesso às informações de acervos bibliográficos, arquivísticos, museológicos, patrimoniais e biológicos. 

O contexto emergencial da pandemia de Covid-19 incitou a área da informação, principalmente no campo da saúde, a acelerar e iniciar projetos de digitalização de documentos, além de estimular a criação de formas rápidas e acessíveis a acervos. Na seção Entrevista, o professor da Universidade de Barcelona Miquel Térmens discute sobre a área de preservação digital nos últimos 20 anos, em perspectiva internacional, destacando pontos referentes ao campo da saúde, entre eles, os registros médicos e a relação da pandemia com as informações médicas preservadas ao longo do tempo. O vídeo-resumo da entrevista anuncia este volume:

 

Ainda sobre o tema de registros de informações em saúde, a nota de conjuntura de autoria de Marcelo D’Agostino, Felipe Medija Mejia, Myrna C. Marti e Sebastian Garcia Saiso destaca a importância de contar com registros médicos de pacientes em formato digital e o desafio de acesso a esta informação de forma articulada pelos sistemas de saúde no nível local, regional e nacional. 

A política dos arquivos em saúde

A seção dos artigos originais traz um conjunto de textos ligados sobretudo ao âmbito arquivístico e que tratam de aspectos que vão da política à técnica. O artigo de Jonas Melo e Moisés Rockembach, Arquivabilidade de websites para preservação digital: estudo a partir da área da saúde é um estudo de caso sobre o uso de ferramentas para arquivamento e preservação de páginas web, uma tendência de estudos que vêm se consolidando no Brasil. Em Proposições para a incorporação das teorias, procedimentos e técnicas arquivísticas associadas à preservação digital nas políticas públicas de informação em saúde, Gillian Queiroga analisa a presença de dispositivos que dispõem sobre a preservação digital nas políticas públicas de informação em saúde no Brasil e propõe a incorporação de ações para a preservação da informação digital em saúde na legislação vigente como forma de garantir os direitos dos cidadãos preconizados pelos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS).

José Carlos Grácio, Sonia Troitiño, Telma Madio, Maria Moraes e José Brega apresentam um modelo para a elaboração de uma Política de Preservação Digital de Documentos de Arquivo para Instituições de Ensino Superior, a partir do estudo de caso feito na Unesp. Lucas Carvalho e Antonio Brasil Júnior, em Mapeando a área de pensamento social no Brasil: uma análise preliminar de sua produção em artigos, relatam as potencialidades do método utilizado para o estudo da produção de uma literatura específica, especialmente artigos, apontando facetas que poderão ser exploradas em estudos posteriores e inclusive em outras áreas. 

O número é composto com a publicação de artigos aceitos por meio de fluxo contínuo, os quais pensam a comunicação e a informação na interface com a saúde em questões como a lei de proteção de dados nos SUS, medicalização no ambiente escolar e saberes médicos de povos de tradição afro-brasileira. No mês da prevenção ao suicídio, o volume também contempla estudos relacionados ao tema. A edição termina com a resenha do livro The theory and craft of digital preservation, de Trevor Owens. O autor Millard apresenta alguns dos conceitos fundamentais defendidos por Owens em articulação ao contexto contemporâneo da preservação digital no Brasil. 

A Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (Reciis) é editada pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz).

Voltar ao topoVoltar