Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Brasil celebra um ano da vacina contra a Covid-19

Vacina contra Covid-19

18/01/2022

Filipe Leonel (Ensp/Fiocruz)

Compartilhar:

Há exatos doze meses, o Brasil iniciava a vacinação contra a Covid-19 com sua aplicação em uma profissional de Saúde no estado de São Paulo. O país chega, neste 17 de janeiro de 2022, com uma alta de casos de Covid-19 em virtude da rápida proliferação da variante Ômicron, entretanto, com a certeza da efetividade do imunizante na redução de casos mais graves da doença e da mortalidade. Apesar do avanço da cobertura ao longo desse período, especialistas reforçam a importância do passaporte vacinal como uma política pública de estímulo à vacinação e à proteção coletiva, além de enfatizarem ser fundamental a manutenção de outras medidas não farmacológicas, como o uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento físico e social. E endossam: o elevado número de mortes e o colapso no sistema de saúde de 2021 poderiam ter sido evitados se o país tivesse se preparado corretamente e antecipado a aquisição das vacinas.

Em um ano, o Brasil registra 78,8% da população vacinada com a primeira dose e 68% totalmente imunizada (com duas doses ou dose única). Embora ainda não seja a cobertura suficiente em termos de saúde pública para um cenário de total segurança, a campanha pode ser considerada um sucesso.

“Por ter sido direcionada a adultos, a vacinação contra a Covid-19 é extremamente exitosa, pois nosso histórico de sucesso nas campanhas é muito maior em crianças. Quando convocamos adultos para vacinar, como no caso da influenza, tivemos números parecidos com os que temos agora na Covid-19, que foi o melhor que conseguimos apesar do posicionamento controverso de algumas autoridades”, reconhece o pesquisador Luiz Antônio Bastos Camacho, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fiocruz.

A epidemiologista Carla Domingues, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, reforça. “Não resta dúvidas do grande avanço e da adesão importante, o que mostra que a população brasileira acredita nas vacinas e no PNI. E falamos de uma campanha com um ano de duração. Se tivéssemos vacinas num curto prazo, poderíamos ter alcançado - já há algum tempo - os indicadores de hoje, porque a população queria ser vacinada; faltaram, porém, doses em quantidade suficiente.”

Margareth Dalcolmo, pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, enalteceu a qualidade, a eficácia e a segurança das vacinas, uma vez que foram realizados diversos estudos de fase 3, cujos resultados mostraram o percentual de eficácia, quantas doses devem ser aplicadas, além da avaliação de eventuais reações adversas. “Tivemos um embate permanente na condução da pandemia. Até em relação às vacinas. O país foi local de desenvolvimento de estudos de fase 3 de grande qualidade, mas não compramos vacinas no momento certo. E isso gerou muitas cicatrizes e sequelas na nossa alma. Entramos em mais um ano de pandemia conseguindo vacinar um percentual importante da população no Brasil. Ainda não é o desejável, mas aprendemos muito”, disse a médica e primeira brasileira a se vacinar com a Astrazeneca, no dia 24 de janeiro.

A efetividade da vacina contra a Covid-19 vem sendo observada pelo Observatório Covid-19 da Fiocruz desde o início da campanha. As análises da plataforma mostraram impacto muito positivo na redução das internações e da mortalidade em idosos, os quais constituíam o grupo prioritário para a primeira e segunda doses naquele momento. Com a ampliação da vacinação para adultos, conforme revelou o coordenador Carlos Machado, houve redução do impacto, tanto no número de casos como nas internações e óbitos para esse público. A próxima avaliação contemplará os adolescentes. “Em primeiro lugar, a vacinação, como uma medida de saúde pública, foi fundamental na redução da transmissão e da evolução da doença para quadros críticos e óbitos. A estratégia da vacinação foi fundamental, e, se tivéssemos mais vacinas desde o início, certamente, a mortalidade seria menor e teríamos evitado um colapso no sistema de saúde como aquele que presenciamos entre março e julho do ano passado”, lembrou o pesquisador.

André Périssé, da Ensp/Fiocruz, também concorda que a aquisição antecipada das vacinas teria facilitado toda a logística de distribuição, principalmente pela experiência acumulada pelo PNI. “Se o governo tivesse adquirido antes, não teríamos presenciado aquela confusão dos seis meses iniciais. E isso teria feito a grande diferença, pois, com a estrutura montada do PNI, teríamos vacinado como na época do H1N1. A logística e o pessoal deram conta a partir do momento em que o país teve uma regularidade na vacina. Desse momento em diante, o SUS deu conta. Portanto, se tivéssemos um planejamento adequado, teríamos, sim, estrutura para avançar mais. E muitas mortes teriam sido evitadas.”

Efetividade

Um estudo conduzido pelo pesquisador Daniel Villela, coordenador do Programa de Computação Científica da Fiocruz (Procc/Fiocruz), comprovou o benefício da vacinação contra o vírus Sars-CoV-2 na prevenção de casos graves e óbitos por Covid-19. Ao analisar adultos com esquema completo de imunização, os valores estimados de efetividade da vacina AstraZeneca apontam que a prevenção de casos graves e óbitos está entre 80% e 90%. Em relação à vacina CoronaVac, também considerando o esquema completo de duas doses, para casos graves e óbitos, os valores de efetividade estão na faixa entre 70% e 90%, enquanto a efetividade da Pfizer é de 80% a 90% com imunização parcial, ou seja, primeira dose, para adultos jovens (20 até 39 anos e 40 até 59 anos).

“O efeito é amplamente positivo quando se observa estudos de efetividade, principalmente na comparação do número de casos e óbitos entre vacinados e não vacinados, como mostra o estudo. A vacinação é o meio mais efetivo de controle da Covid-19. Se formos pensar em grupos mais vulneráveis, incluindo os idosos, a imunização foi muito importante para evitar uma série de óbitos, ou seja, salvar vidas e reduzir internações”, reconhece o autor do estudo.

“Agora, um ano depois do início da vacinação, observamos, na prática, a redução das internações e da mortalidade. E isso é o estudo da vida real; não um estudo clínico. É o estudo da vida”, completou Périssé.

Fake news

Levantamento feito pelo aplicativo Eu Fiscalizo, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, entre 26 de março de 2020 e 31 de março de 2021, revelou que, entre as notícias falsas sobre a Covid-19 que circulam na internet, 19,8% eram sobre as vacinas. O aplicativo, desenvolvido para que usuários notifiquem conteúdos impróprios em veículos de comunicação, mídias sociais e whatsapp, mostrou ainda que o meio digital mais usado para a divulgação de conteúdo falso sobre as vacinas foi o Instagram (46%), seguido pelo WhatsApp (24%), Facebook (14%), sites 12% e Twitter (4%).

Esse tipo de desinformação vem dando fôlego ao movimento antivacina. O discurso dos adeptos baseia-se, principalmente, no negacionismo científico, com argumentos sem evidências concretas que utilizam informações falsas ou retiradas do contexto sobre a vacinação. A liberdade individual usada em defesa desse discurso foi analisada pelo pesquisador Sergio Rego, da Ensp/Fiocruz. Ele, que coordena o GT de Bioética da Abrasco, cita John Stuart Mill, um dos filósofos mais influentes em língua inglesa e um dos ícones do pensamento liberal mundial, no seu clássico livro On Liberty, que fez o seguinte questionamento: “Qual é, então, o limite correto para a soberania do indivíduo sobre si mesmo? Onde começa a autoridade da sociedade?”.

“Mill deixa claro, neste seu ensaio, que o limite aceitável à liberdade individual é quando as ações dela decorrentes provocarem danos a outras pessoas. Assim, de acordo com o liberalismo por ele defendido, um indivíduo não poderia simplesmente deixar de fazer algo, ou fazer algo, se isso afetar negativamente os interesses da sociedade”, disse Sergio - que completou. “Assim, considerando-se a questão da compulsoriedade (ou não) de se vacinar indivíduos através de recursos que comprovadamente têm demonstrado ter capacidade de prevenir e atenuar os efeitos nocivos para a saúde humana do vírus Sars-Cov-2, não me resta dúvidas de que todos que desejem viver em sociedade devem se submeter a uma regra que impeça danos a outros. Se fosse possível assegurar que os que se opõem à vacinação ficariam, voluntariamente e em defesa de sua liberdade, confinados em ambientes sem contato com outros humanos, talvez essa fosse uma opção a ser considerada. Mas essa possibilidade não existe”, completou o professor do Programa de Bioética da Fiocruz/UFRJ/UFF/Uerj.

As fake news e a avalanche de desinformações provocadas por esse fenômeno também atingiram populações vulneráveis como os indígenas. A ampla disseminação impactou diretamente a vacinação nessa população, principalmente pelo discurso de algumas autoridades. “As fake news tiveram rápida e ampla disseminação entre as populações indígenas. E pode ter sido um fator importante para as recusas que observamos em comunidades inteiras, pois elas enviaram cartas dizendo que aceitavam qualquer vacina, menos a da Covid-19. Esse é um dano muito grave, principalmente considerando que as falas questionando a imunização vieram de autoridades”, disse Ana Lúcia Pontes, pesquisadora da Ensp/Fiocruz e coordenadora do GT de Saúde Indígena da Abrasco.

Apesar do dano provocado pelas fake news e a lentidão na campanha, a pesquisadora ressalta a importância das mulheres e de toda rede de movimento indígena na produção de documentos reivindicando a vacinação. “O lugar das mulheres nessa questão foi essencial, porque elas tomaram a liderança para falar das vacinas assumindo todo o cuidado com seu povo, com as crianças e as futuras gerações. ”E completou. “Normalmente, as campanhas de vacinação, em áreas indígenas, são muito bem-sucedidas, até pelo histórico das doenças transmissíveis e das mortes provocadas. No caso da Covid-19, houve muita lentidão. Vimos essa marca de uma resposta mal programada, mal planejada, com grande lentidão e coberturas muito aquém do necessário em algumas regiões.”

Desafios

O país chega, neste primeiro ano de vacinação, celebrando a aprovação do registro do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que possibilitará a produção e distribuição de uma vacina 100% nacional para a Covid-19 e iniciando a vacinação nas crianças de 5 a 11 anos para ampliação da cobertura. Para 2022, os pesquisadores destacam a necessidade da manutenção das medidas não farmacológicas de prevenção do vírus, além da exigência do passaporte vacinal e de diminuição da heterogeneidade na cobertura.

“O atual momento nos coloca a necessidade de combinar a imunização com outras medidas de proteção sociais e de saúde pública, como o passaporte de vacinas, evitar grandes eventos, privilegiar lugares ventilados e a exigência do uso de máscaras em locais públicos, além da higienização das mãos, manutenção do distanciamento físico e social e uma política de testagem que possibilite a distribuição gratuita do autoteste para a população. A vacinação tem papel fundamental, e o quadro seria outro, em termos de mortalidade, morbidade e impacto no sistema de saúde em sua totalidade. Ainda assim, deve ser combinada a outras medidas de proteção e saúde pública”, reforçou Carlos Machado.

A ex-coordenadora do PNI e o pesquisador Camacho cobraram mais ações governamentais para a ampliação da cobertura. “Quando nos debruçamos nos dados do final de 2021, identificamos que só 16% dos municípios tinham cobertura vacinal completa acima de 80%, o que mostra uma heterogeneidade muito grande. Apesar de avançarmos, ainda há iniquidade no acesso à vacina. E precisamos entender se essa diferença é pela falta de acesso à vacina ou se trata do resultado dos grupos antivacina se estabelecendo pelo país. O Ministério da Saúde deveria procurar saber o que está acontecendo e fortalecer a comunicação com a população, fazendo-a entender que estamos diante de uma vacina eficaz e segura”, cobrou Domingues.

“Temos um diferencial para Covid-19 que é o passaporte da vacina. Apesar de não ser comum em outras campanhas, é o caminho. Já esgotamos as alternativas de persuasão e, agora, temos que exercer outras formas de pressão, pois a situação é complicada. Não é tornar a vacinação obrigatória, mas cobrar o passaporte”, aconselha Camacho.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar