Início do conteúdo

Boletim do Observatório Covid-19 destaca aumento de óbitos e alta ocupação de leitos


26/02/2021

Por: Regina Castro (CCS/Fiocruz)

Compartilhar:

Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz. Rua vazia com lojas fechadas
O novo Boletim Observatório Covid-19 da Fiocruz abre um debate sobre o aumento de casos e taxa de ocupação de leitos no país. O Brasil acaba de bater recorde de número de óbitos por dia, registrando mais de 1,5 mil mortes (25/2). De acordo com dados apurados em 22 de fevereiro no documento, as taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos revelam o pior cenário já observado, inclusive pela sua dispersão no país. Em síntese, são 12 estados e o Distrito Federal na zona de alerta crítica (≥80%) e 17 capitais (que concentram recursos de saúde e também populações) com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos de pelo menos 80%. 

A edição apresenta dados estratégicos que confirmam a formação de um patamar de intensa transmissão da Covid-19 no país, demonstrados por diversos indicadores da epidemia. A análise é referente às semanas epidemiológicas 5, 6 e 7 de 2021, que abrangem o período de 31 de janeiro a 20 de fevereiro. "O Brasil apresentou uma média de 46 mil casos, valor mais elevado que o verificado em meados do ano passado, e média de 1.020 óbitos por dia ao longo das primeiras semanas de fevereiro. Nenhum estado apresentou tendência de queda no número de casos e óbitos", destaca o documento. As incidências de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) no país permanecem em nível muito alto em todos os estados. 

Com base nesses dados, os pesquisadores colocam também em pauta o chamado “novo normal”, destacando os já conhecidos desafios, como a sobrecarga do sistema de saúde e de seus profissionais, e a necessidade de adoção de medidas não-farmacológicas para reduzir a velocidade da propagação, bem como os novos desafios, com o lento processo de vacinação e o surgimento das novas variantes do vírus e as incertezas que elas ainda trazem, o que amplia ainda mais a necessidade de romper, ou desacelerar, a rede de transmissão do vírus por meio de medidas preventivas não-farmacológicas. "A gravidade deste cenário não pode ser naturalizada e nem tratada como um novo normal. Mais do que nunca urge combinar medidas amplas e envolvendo todos os setores da sociedade e integradas nos diferentes níveis de governo", afirma os pesquisadores no documento. 

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar