Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

III Encontro das Coleções Biológicas da Fiocruz


O 3º Encontro das Coleções Biológicas da Fiocruz reuniu cerca de 100 profissionais para atualização, capacitação e o debate de questões fundamentais na rotina das atividades das equipes, no período de 7 a 9/5, no auditório do Museu da Vida, no Campus Manguinhos. O vice-presidente de Pesquisa e Coleções Biológicas, Rodrigo Correa, participou da abertura do Encontro e falou sobre o apoio da Presidência às Coleções. Em abril deste ano, foi dado início ao repasse de R$ 1,5 milhão para as nove unidades da Fiocruz que mantém Coleções Biológicas.

“Foi uma decisão estratégica separar recursos do orçamento da Vice-Presidência de Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB) exclusivamente para as Coleções, o que fará toda a diferença para o trabalho”, afirmou Correa. Responsável pela gestão das Coleções Biológicas, a VPPCB destinou, em 2018, o mesmo montante, distribuído de forma igualitária entre as Coleções da Fiocruz. Os impactos foram mensurados de forma qualitativa, correspondendo à contratação de bolsistas e aquisição de material de consumo, melhoria na organização do acervo e de dados associados, manutenção das atividades das Coleções, entre outras iniciativas. 

O investimento resultou no aprimoramento e ampliação do atendimento aos serviços para aumentar a produtividade das Coleções. “Isso é de suma importância, uma vez que prestar serviço é uma das principais características das Coleções Biológicas da Fiocruz”, afirmou Aline Souto, assistente da coordenação das Coleções Biológicas e coordenadora do 3º Encontro. As Coleções Histopatológicas, Zoológicas, Microbiológicas e Botânica preservam mais de 40 mil micro-organismos, 5,5 milhões de invertebrados, 1,5 milhão materiais histopatológicos, 8,5 mil materiais paleoparasitológicos e 1, 6 mil plantas e prestam serviços importantes e de qualidade para a sociedade. 

 

Evento

A programação do 3º Encontro foi elaborada por um Grupo de Trabalho que identificou assuntos relevantes relacionados ao desempenho das Coleções Biológicas nacional e internacionalmente. Entre os temas discutidos, estavam o marco legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) e a Política de Inovação da Fiocruz; a gestão da qualidade; a sustentabilidade e infraestrutura das Coleções. Foram feitas palestras sobre aspectos específicos das atividades desenvolvidas, seguidas de discussão com a plenária.

Manuela da Silva, coordenadora das Coleções Biológicas, considerou que a importância do evento foi a possibilidade de “integrar, discutir, tirar dúvidas e elaborar novas propostas e ideias que serão essenciais para andamento das atividades”. Paloma Helena Fernandes Shimabukuro, curadora adjunta da Coleção de Flebotomíneos do Instituto René Rachou (IRR/Fiocruz Minas), elogiou a programação. “Estava excelente. Abordou temas importantes, como a digitalização dos acervos, o planejamento estratégico e a captação de recursos por mecanismos de repartição de benefícios prevista na Lei da Biodiversidade”, avaliou.

No primeiro dia do Encontro, a atividade Café com Pôster realizada na Cavalariça teve grande adesão e boa repercussão. A oportunidade para ouvir e conhecer o que é realizado em diferentes Coleções da Fiocruz foi um dos destaques apontados por Marise Sobreira, gerente da qualidade na Coleção de Yersinia pestis, no Instituto Aggeu Magalhães (IAM/Fiocruz Pernanbuco). “Foi possível circular pelas diversas Coleções, estabelecer contatos e compartilhar vivências, bem como situar historicamente Coleções que são marcos da ciência do país em parceria com a nossa Fiocruz".

O terceiro e último dia do Encontro foi encerrado com uma plenária para estruturação de um documento propositivo contendo sugestões de pauta de trabalho para a Câmara Técnica de Coleções da Fiocruz. Outras demandas foram apresentadas, como a necessidade de um sistema integrado para prevenção, detecção e combate a incêndio, que deverá ser articulado junto à Coordenação Geral de Infraestrutura dos Campi (Cogic).

Para Maria Luiza Felippe Bauer, curadora da Coleção de Ceratopogonidae do Laboratório de Diptera (Instituto Oswaldo Cruz), a discussão apontou a “necessidade de continuidade do empoderamento institucional dessas Coleções que, além de retratar a biodiversidade brasileira, estão diretamente associados aos problemas de saúde pública no país”.

Confira os vídeos do Encontro:

  • Painel 2: Marco Legal de Ciência, Tecnologia, Inovação

Voltar ao topoVoltar