Início do conteúdo

Vacina Covid-19 Fiocruz é efetiva contra a variante Delta

Imagem: Divulgação

20/08/2021

Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias)

Compartilhar:

Estudos de efetividade das vacinas Covid-19 têm demonstrado a importância da imunização para a proteção contra casos graves e hospitalização frente às novas variantes. Em junho, dados demonstraram uma efetividade de 92% da vacina AstraZeneca para hospitalizações contra a variante delta. Agora, um novo estudo coordenado pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, aponta que as vacinas Pfeizer e AstraZeneca, no Brasil produzida pela Fiocruz, também garantem proteção contra a infecção pela variante Delta da Covid-19.

Realizada em parceria com o Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS na sigla em inglês) e com o Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC) britânicos, a pesquisa analisou 2.580.021 testes de 384.543 pessoas acima de 18 anos, entre 1 de dezembro de 2020 e 16 de maio deste ano, quando a Alpha era a principal variante em circulação no Reino Unido; e 811.624 testes de 358.983 participantes de 17 de maio a 1 de agosto, momento em que a Delta já era predominante no país. 

Publicada na forma de preprint, a análise concluiu que duas doses de ambas as vacinas fornecem ao menos o mesmo nível de proteção do que se a pessoa tivesse contraído o Sars-CoV-2 anteriormente. A imunidade garantida após as segundas doses da Pfizer e da AstraZeneca diferem: a grande efetividade inicial na proteção contra alta carga e infecção virais da Pfizer se reduz com o tempo. Os resultados sugerem que, após quatro ou cinco meses, a efetividade das duas vacinas seria similar, e que a Pfeizer perderia sua efetividade contra a infecção numa velocidade maior do que a AstraZeneca, que tem sua efetividade sustentada por mais tempo. Na faixa etária de 18 a 64 anos, por exemplo, a taxa de efetividade da Pfizer caiu cerca de 22% a cada 30 dias após a segunda dose. Com a AstraZeneca, a redução foi significativamente menor, cerca de 7% a cada 30 dias após o esquema vacinal completo. 

Não há indícios de que a efetividade possa variar em relação ao intervalo da aplicação das doses, e a proteção foi maior entre aqueles vacinados que haviam contraído previamente a Covid-19. Por exemplo, 14 dias após a aplicação da segunda dose da AstraZeneca, a taxa de efetividade contra a infecção era de 88% naqueles que já haviam contraído o vírus, contra 68% nos que nunca tiveram a doença; entre os imunizados com a Pfizer, eram 93% e 85% respectivamente.  

A efetividade contra a doença após a segunda dose se mostrou maior também entre os mais jovens. No caso da Pfizer, foi de 90% na faixa dos 18 aos 34 anos, e 77% dos 35 aos 64 anos. Com a AstraZeneca, foram observados 73% entre os mais jovens contra 54%. 

Estudo anterior

Um estudo da Public Heatlh England (PHE) mostrou, em junho deste ano, que a aplicação de duas doses da vacina AstraZeneca apresenta 92% de efetividade contra a hospitalização pela variante Delta. Na pesquisa, a efetividade média em relação à taxa de hospitalização para vacinados com a Delta foi similar à da Alpha, levando em conta os dois imunizantes: Alpha com 78% (uma dose) e 92% (duas doses); Delta com 75% e 94% (respectivamente).    

No caso da Pfizer, a vacina apresentou média de 94% de efetividade após a primeira dose e 96% após a segunda contra a internação pela variante Delta. Na AstraZeneca foram registrados 71% de efetividade após a primeira dose e 92% após a segunda.

 

Voltar ao topoVoltar