Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Suspeita de poliomielite na Venezuela alerta para vacinação


20/06/2018

Por: Vinícius Ferreira (IOC/Fiocruz)*

Compartilhar:

Nos últimos dias, o noticiário nacional e internacional destacou a suspeita de um caso de poliomielite em uma criança na Venezuela. A situação chamou a atenção de especialistas de todo o mundo: poderia ser a primeira ocorrência confirmada no país no intervalo de quase 30 anos desde o último registro, em 1989. Questionamentos sobre a reemergência da doença e os perigos do alastramento do vírus para além das fronteiras venezuelanas ganharam espaço. Recentemente, no entanto, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) emitiu um boletim descartando a suspeita. No comunicado, a entidade informa que os testes realizados no laboratório global especializado excluíram a presença do poliovírus selvagem e do poliovírus derivado da vacina (VDPV). O órgão explica que um VDPV é um vírus Sabin com mutações genéticas que lhe conferem a capacidade de produzir a doença. Além disso, ressalta que, até o momento, há risco de disseminação para a comunidade ou surtos de pólio neste caso. 

O virologista Edson Elias, chefe do Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que atua como referência nacional no tema junto ao Ministério da Saúde e como referência para a região das Américas junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), enfatiza que não há motivo para alarme. "As Américas não estão diante da reintrodução da linhagem selvagem do vírus. O último caso deste tipo foi detectado no continente em 1991, no Peru”, diz.

No Brasil, apesar de a vacina para poliomielite estar disponível gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), um dado preocupa: a cobertura vacinal está abaixo do recomendado, com taxa que alcança somente 77% da população – índice 18% inferior ao protocolado pela OMS. “As vacinas contra a poliomielite são seguras e é altamente recomendável manter a vacinação das crianças”, destaca. “É fundamental que o governo desenvolva estratégias eficazes de vacinação e que os pais continuem levando os filhos menores de 5 anos para vacinar. Com a cobertura vacinal ampla, não existe o risco de alastramento do vírus”, completa.

Poliomielite 

Desde 1990, o Brasil não registra casos de pólio, como resultado do sucesso das campanhas realizadas desde 1980 no país, que se via assombrado por um longo e triste histórico da doença conhecida como paralisia infantil, que vitimou cerca de 27 mil crianças entre 1968 e 1989. A poliomielite é uma doença infecto-contagiosa aguda. Não existe cura e o vírus causador da doença se multiplica no intestino. A transmissão ocorre pela ingestão de água e alimentos contaminados com fezes (contato fecal-oral) e, por isso, crianças pequenas, que ainda não estabeleceram hábitos de higiene, correm mais risco de infecção. Apenas 1% dos infectados desenvolve a forma paralítica, decorrente da migração do vírus para o sistema nervoso central. As sequelas podem ser permanentes e, quando há comprometimento do bulbo cerebral, o paciente pode morrer por insuficiência respiratória.

*Edição: Raquel Aguiar

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar