Início do conteúdo

Seminário debate desigualdades enfrentadas por mulheres na saúde global 

Seminário debate desigualdades enfrentadas por mulheres na saúde global 

20/09/2021

Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias) 

Compartilhar:

As mulheres são maioria na força de trabalho em saúde. Mesmo assim, estão longe dos postos de liderança, enfrentam desigualdades nos salários e muitas vezes são vítimas de assédio moral e sexual. Se o panorama descrito no webinário Mulheres na Saúde Global, promovido pelo Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz) no último dia 15, parece sombrio, ele também traz focos de esperança: ao mesmo tempo em que exacerbou essas desigualdades, a pandemia de Covid-19 jogou luz sobre elas, ampliando o debate em torno do tema e a busca de soluções. O evento pode ser assistido na íntegra no Canal no YouTube da VideoSaúde Distribuidora da Fiocruz.

Coordenado pela a vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz), Cristiani Vieira Machado, o seminário contou com as participações de Roopa Dhatt, diretora-executiva da ONG Women in Global Health; Stéphanie Seydoux, embaixadora da França para a Saúde Global; Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz; e com comentários de Zélia Maria Profeta da Luz, pesquisadora do Instituto René Rachou (IRR/Fiocruz Minas) e integrante do Conselho da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre Economia da Saúde para Todos. 

“Segundo dados da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), as mulheres sofreram de forma mais acentuada as retrações dos postos de trabalho, especialmente no setor informal, ficaram mais sobrecarregadas com os serviços domésticos, com o fechamento de escolas e com familiares que adoeceram”, destacou Cristiani. "Esse cenário exige políticas públicas abrangentes e ação coletiva”, disse, lembrando que a Fiocruz conta com um Comitê Pró-Equidade de Gênero e Raça e hoje é presidida por uma mulher.  

"Políticas cegas” 

Cofundadora da Women in Global Health e consultora da OMS, Roopa Dhatt ressaltou que muitas políticas são “cegas o ponto de vista de gênero”, o que reforça a discriminação. Como exemplo, citou medidas adotadas durante o lockdown que para algumas mulheres significou deixá-las em ambientes violentos.  Além disso, pelo menos 30% — em alguns casos até 60% — dos serviços para mães foram descontinuados ou dificultados na pandemia. 

Se 70% da força de trabalho em saúde é composta por mulheres, o mesmo não acontece nos cargos de liderança, onde elas representam apenas 20%. “Estão sub-representadas, contidas por fatores raciais, por virem de minorias, serem migrantes, as várias desvantagens se acumulam. Há um gap de 28% nos salários em relação aos dos homens. Enfrentam ainda assédio sexual e moral, que pode vir de colegas de trabalho ou de pacientes”, disse. Junto com o governo da França e a OMS, a WGH lançou a iniciativa Força de Trabalho da Saúde e Cuidados e Igualdade de Gênero (GEHCWI), sobre quatro pilares: aumentar a presença em postos de liderança, equiparação de remuneração, proteção contra assédio e melhores condições de trabalho. 

Dividendo Tríplice 

A embaixadora Stéphanie Seydoux destacou a realização do Fórum Geração Igualdade, em Paris, há dois meses, marcando os 26 anos da Conferência de Pequim. A ideia era “rejeitar esta tendência de recuo no compromisso com os direitos das mulheres”, explicou. Entre os compromissos alcançados está a promessa de disponibilizar 40 milhões de euros (R$ 247 milhões) para os esforços. Foram definidas áreas de compromisso, como contra a violência de gênero; direitos econômicos; saúde sexual e reprodutiva; e inovação em prol da igualdade em gênero. 

Na questão da saúde, a embaixadora observou que “há uma necessidade urgente de obter compromissos mais amplos para aumentar a proporção de mulheres em posições de liderança, reconhecer o valor do trabalho de cuidado não remunerado e a importância da igualdade de remuneração e a proteção contra violência e assédio, além de garantir condições de trabalho seguras e decentes. Tudo isso para alcançarmos o Dividendo Tríplice de gênero.”  

Movimentos sociais 

Coube à Nísia trazer a discussão para o Brasil. A presidente da Fiocruz disse que é “revelador que a participação de mulheres na Academia Brasileira de Ciências esteja na faixa de 30%. Na Fiocruz, que é uma instituição que tem esse compromisso, não só levamos 120 anos para ter uma mulher na presidência, como ainda hoje somos 30% da representação no Conselho Deliberativo, que é o conselho dos institutos. São dados que mostram o quanto temos que avançar”. 

Nísia disse que essa agenda é central na preparação do 9º Congresso Interno. Ela lembrou que em 2017 foi aprovada uma resolução dedicada à Equidade de Raça e Gênero com uma visão de diversidade, que envolve também trabalhadores com deficiências. Lembrou ainda o programa Meninas e Mulheres na Ciência, em que profissionais de várias áreas da Fiocruz recebem estudantes, numa visão de inclusão social. 

“Quando falamos em equidade de gênero, não podemos deixar de falar que ocorre de forma diferenciada, é sobretudo grave em relação às mulheres negras”, disse.  A Fundação tem trabalhado intensamente com populações em situação de vulnerabilidade no país. No Rio, isso ocorre especialmente nas comunidades de Manguinhos e Maré, onde a Fiocruz tem integrado conhecimento científico, pesquisa e ação comunitária. “Vemos movimentos bem estruturados, e observamos a forte presença das mulheres. Uma agenda como essa que discutimos aqui tem que contar com o protagonismo dessas mulheres.” 

Nísia lembrou que apesar de realçar desigualdades, aprendizados podem ser tirados da pandemia: “Deve-se pensar em alternativas democráticas construídas com base na ciência, mas com um forte diálogo com movimentos sociais e a sociedade civil. Isso será fundamental para a superação da crise.”  

Interseccionalidade 

Zelia Profeta também destacou a questão da interseccionalidade. “Se a gente não fizer essa discussão pensando em gênero, raça, classe social e até geracional, pode não fazer as relações corretamente”, disse, citando pesquisa que mostra que a maior parte dos técnicos de enfermagem e agentes de saúde são pessoas pretas e pardas. 

Sobre o trabalho no conselho da OMS, a ex-diretora da Fiocruz Minas contou que “a ideia ter um plano ao final de dois anos que apresente saúde para todos, mas numa perspectiva de que saúde não é gasto, é investimento. A ideia do conselho é colocar a saúde definindo como a economia tem que funcionar e não o contrário”, contou. “Acho que o principal desafio é fazer uma agenda que consiga avançar, consiga influenciar lideranças, e eu acho que a gente tem todas as condições de fazer isso.” 

Música 

Este Seminário Avançado em Saúde Global teve um toque diferente: organizado por Ilka Vilardo e Ana Helena Freire, do Cris, ele foi aberto e fechado com a participação da cantora Ana Costa, que apresentou duas de suas composições com Zelia Duncan: as canções "Uma mulher" e "Eu sou mulher, eu sou feliz", que abordam dificuldades do dia a dia, inclusive saúde física e mental. Este foi o 19º Seminário Avançado em Diplomacia da Saúde em 2021 e aconteceu exatamente ao completar um ano do primeiro, realizado em 15 de setembro de 2020, lembrou Paulo Buss, coordenador do Cris. 

Voltar ao topoVoltar