Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Representação visual de epidemias serão debatidas sob o ponto de vista histórico e antropológico


29/08/2018

Fonte: COC/Fiocruz

Compartilhar:

O Programa de Pós-graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) recebe Christos Lynteris, professor do Departamento de Antropologia Social da University of St Andrews, do Reino Unido, nos dias 5 e 6 de setembro, para o minicurso Anthropological and Historical Approaches of Visualising Epidemics e a conferência Ethics, Aesthetics and Politics of Imaging Epidemic Emergency in the XXI Century. As palestras contarão com tradução simultânea.

O minicurso Anthropological and Historical Approaches of Visualising Epidemics será realizado no dia 5 de setembro, das 9h às 17h, e tem como objetivo discutir as perspectivas histórica e antropológica nas representações visuais, na medicina e nas doenças infecciosas. Para participar da capacitação, que tem carga horária de 8 horas, é necessário se inscrever até o dia 4 de setembro pelo e-mail ppghistoriasaude@fiocruz.br. Confira a literatura prévia sugerida pelo professor. Já no dia 6 de setembro, durante o Encontro às Quintas, Christos Lynteris ministra a palestra Ethics, Aesthetics and Politics of Imaging Epidemic Emergency in the XXI Century, a partir das 10h.

As atividades acontecem no Salão de Conferência (403) do Centro de Documentação e História da Saúde – CDHS/COC (Av. Brasil, 4365 – Manguinhos/RJ).  

Sobre Christos Lynteris

Médico e antropólogo, Christos Lynteris realiza pesquisas antropológicas e históricas sobre epidemias de doenças infecciosas, infecções animais a humanas (zoonoses), cultura visual médica, medicina colonial e epidemias como eventos que representam um risco existencial para a humanidade.

Em seu atual projeto de pesquisa, Representações Visuais da Terceira Pandemia de Praga (2013-2018), tem recolhido e analisado fotografias e outros documentos visuais da terceira pandemia de peste (1855-1959). A hipótese do projeto é que o surgimento da fotografia epidêmica tem desempenhado um papel fundamental na formação de entendimentos científicos e percepções públicas das epidemias de doenças infecciosas no mundo moderno. Além disso, Lynteris investiga atualmente os aspectos da “praga visual” na China, com um foco particular em Hong Kong e na Manchúria. Em escala global, sua pesquisa envolve análise comparativa, com foco em regimes e práticas de visibilidade e invisibilidade da epidemia. Confira o currículo do especialista.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar