Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Rede Genômica da Fiocruz Ceará identifica variante delta no estado


29/07/2021

Fonte: Fiocruz Ceará

Compartilhar:

Como parceiro integrante das ações de vigilância epidemiológica e de monitoramento genômico de SARS-CoV-2 e de variantes de preocupação no estado do Ceará, a Rede de Vigilância Genômica da Fiocruz Ceará informa que recebeu 17 amostras positivas para Covid-19, triadas por teste rápido de antígeno entre os dias 19 e 21 de julho de 2021 e oriundas do Centro de Testagem para os Viajantes (CTV) localizado no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza.

Das amostras já processadas, 9 atenderam aos critérios técnicos mínimos de qualidade para serem sequenciadas. No dia 28 de julho de 2021, a Rede Genômica comunicou ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Ceará (CIEVS-CE), que após a finalização do sequenciamento das amostras, realizado em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) e o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), cinco testaram positivo para a variante Gama (VOC P.1), linhagem brasileira de alta circulação e a mais predominante no país no momento. Entretanto, as outras 4 amostras foram identificadas como sendo da nova variante Delta de SARS-CoV2 (B.1.671.2), também chamada de variante indiana e que ainda não havia sido identificada no estado do Ceará.

As amostras são de quatro passageiros, três do sexo feminino e um do sexo masculino, jovens com idade entre 22 e 26 anos, moradores do estado do Ceará, sendo dois de Fortaleza, um de Caucaia e um de Itapipoca. Eles desembarcaram na capital cearense em três voos diferentes, oriundos da cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 19 e 21 de julho.

Por meio deste ecossistema de vigilância molecular no estado, profissionais e especialistas da Rede Genômica da Fiocruz Ceará e de Instituições parceiras vem desempenhando um trabalho intenso para monitorar mais ativamente e de forma mais precisa a evolução e o comportamento do vírus, bem como a emergência e espalhamento de novas variantes ditas de preocupação (VOC), desta forma contribuindo para medidas mais eficazes para o preparo e enfrentamento da pandemia e de outras emergências sanitárias.

Por se tratar a importação de casos uma das principais rotas de transmissão e espalhamento da Covid-19, a busca ativa e rastreio de viajantes é de extrema relevância epidemiológica e sanitária, e por isso foi implementado em caráter emergencial, um fluxo prioritário de monitoramento genômico para casos encaminhados pelo CTV através da ANVISA e pelas equipes de vigilância sanitária da SESA. Outros critérios priorizados são os casos de falhas vacinais, reinfecções, casos graves sem comorbidades e inquéritos epidemiológicos encaminhados por autoridades sanitárias.

O intenso programa de capacitação técnica da equipe e o rápido estabelecimento da rede e dos fluxos, têm contribuído decisivamente para a obtenção de resultados céleres e a excelência nas atividades para a entrega de resultados, em até 10 dias. A geração de evidências científicas sólidas permitirá maior embasamento de conhecimentos e a tomada de decisões racionais pelas autoridades sanitárias.

Conforme já divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, a vigilância epidemiológica será reforçada com a instalação de novas barreiras sanitárias em outros aeroportos do Estado, rodoviárias de Fortaleza e interior e os pesquisadores e membros da Rede de Vigilância Genômica reafirmam o propósito de seguirem juntos nesta parceria com o objetivo de consolidarmos um efetivo programa de controle e monitoramento molecular de novas variantes de preocupação.

A Fiocruz Ceará alerta que o relaxamento das medidas de distanciamento e higiene, a não utilização de máscaras e EPIs, poderão contribuir para um cenário de maior circulação de pessoas com favorecimento de transmissões diretas e evolução viral, com prováveis emergências de novas variantes.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar