Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Obra da Editora Fiocruz propõe novos debates sobre o acesso à saúde no Brasil

29/11/2022

Anna Bustamante * Editora Fiocruz

Compartilhar:

A Editora Fiocruz lança o livro Acesso Às Urgências e Atenção Hospitalar: Uma Questão de Direitos Humanos, novo título da coleção Temas em Saúde. A obra estará disponível para aquisição a partir de 30 de novembro, nos formatos impresso – via Livraria Virtual da Editora – e digital, por meio da plataforma SciELO Livros.

O tema central é a Rede de Atenção às Urgências (RAU), uma das redes prioritárias do Sistema Único de Saúde (SUS). Escrita pelas médicas Gisele O’dwyer e Mariana Konder, a obra trata a limitação e interdição do acesso dos usuários ao sistema como uma violação de direitos e questiona se o SUS pode ser mais “potente” quanto às urgências no Brasil

“A atenção às urgências também é objeto de significativos investimentos, resultando em crescimento, com a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)”, explicam as autoras na apresentação do livro. As autoras analisam a criação e funcionamento dos componentes assistenciais, sua formulação teórica e implementação no Brasil. 

Componentes da RAU
O livro apresenta o Samu, situando seu protagonismo como primeiro componente implantado da política de redes assistenciais, e discute seu funcionamento e abrangência nacional. “Foi, sem dúvidas, um componente que teve muita aceitabilidade por parte da população e dos gestores, mudando a forma de atender urgências no Brasil”, ressaltam as autoras. Esse atendimento pré-hospitalar foi ampliado com a criação das UPAs e das salas de estabilização. Segundo as médicas, a UPA foi um componente vital para a ampliação do acesso, mas sua implantação foi controversa: “A falta de planejamento gerou uma competição com a APS (Atenção Primária à Saúde) e com o próprio hospital, como ilustrado pelo desastroso fenômeno de internação na UPA”, explicam.

Uma questão de direitos humanos
O título propõe, ainda, o debate acerca da violação persistente dos direitos da população no acesso à atenção às urgências. As autoras explicam que, apesar do volumoso e extenso  investimento nos diversos componentes da Rede de Atenção às Urgências (RAU), a experiência dos usuários continua sendo a de acesso limitado, quando não interditado, e de muita luta e sofrimento para terem suas demandas atendidas: “A superlotação das emergências hospitalares sintetiza bem esse fenômeno, tornando-se o local em que a violação de direitos é mais  intensamente  vivenciada  pelo  usuário”, complementam as autoras, na apresentação do livro. 

Em cinco capítulos, Gisele O’dwyer e Mariana Konder buscam acrescentar ao debate do acesso à saúde no Brasil e tornar possível um Sistema Único de Saúde (SUS) potente, traduzido por meio do hospital e da atenção às urgências, em que se possa "praticar um SUS emancipatório, pautado na universalidade, na integralidade e na equidade e produtor de direitos sociais".

Sobre as autoras
Mariana Konder é médica, doutora em saúde pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp). Professora e pesquisadora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Gisele O'Dwyer Médica, é doutora em saúde coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). Pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp). 

➡️ Clique aqui para acessar o catálogo completo da coleção.

Livro Acesso às Urgências e Atenção Hospitalar: Uma Questão de Direitos Humanos 
Editora Fiocruz | Coleção Temas em Saúde
Primeira edição: 2022
168 páginas
Preço de capa (versão impressa): R$ 15,00
Preço e-book (versão digital): R$ 9,00

Estagiária de comunicação, sob supervisão da Assessoria de Comunicação da Editora Fiocruz

 

Voltar ao topoVoltar