Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

O sarampo


15/06/2011

Compartilhar:

O sarampo

O sarampo é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus chamado Morbillivirus. A enfermidade é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do Terceiro Mundo e alcança uma letalidade entre 5% e 10% nessas populações. No Brasil, no entanto, graças às sucessivas campanhas de vacinação e programas de vigilância epidemiológica, essa letalidade não chega a 0,5% – segundo dados da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). Altamente contagioso, o sarampo é propagado por meio das secreções mucosas (como a saliva, por exemplo) de indivíduos doentes para outros não-imunizados.

O período de incubação dura entre oito e 13 dias. Depois começam a aparecer os principais sintomas, com o aparecimento de pequenas erupções na pele (exantemas) de cor avermelhada, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação, com presença de catarro, das vias respiratórias. A moléstia torna-se mais grave quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos e a melhor maneira de prevenção continua a ser a vacinação.

A chefe do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Marilda Siqueira, recomenda que as famílias levem as crianças para a vacinação contra sarampo. Segundo a especialista, as campanhas de vacinação periódicas foram fatores determinantes nos esforços para a eliminação da doença no país. “A primeira grande campanha de vacinação contra o sarampo foi realizada em 1992. A iniciativa imunizou cerca de 42 milhões de crianças e jovens menores de 15 anos de idade, com cobertura vacinal de 95%. Este foi o ponto de partida para a criação do Programa de Controle e Eliminação do Sarampo”, ressalta.

“No mesmo ano, houve um compromisso do governo brasileiro em disponibilizar a vacina de maneira homogênea em todo o país. Mais tarde, a tríplice viral, que imuniza contra o sarampo, rubéola e caxumba, foi introduzida gradativamente em todos os estados. Outras campanhas foram realizadas e hoje podemos afirmar que não existe mais transmissão endêmica de sarampo não só no país, como também nas Américas”, afirma.  “Apesar dos outros países latino-americanos estarem também sem a circulação endêmica desse vírus, o Brasil foi o primeiro a preparar a documentação para entregar à Opas”, conclui a pesquisadora.

A primeira dose da vacina contra o sarampo deve ser administrada a todas as crianças de um ano de idade e uma segunda dose às crianças entre quatro e seis anos. A tríplice viral também é recomendada às pessoas que viajam para o exterior, profissionais que atuam no setor de turismo, motoristas de táxi, funcionários de hotéis e restaurantes, estudantes e outros que mantenham contato com viajantes internacionais, além dos profissionais da saúde e da educação. No entanto, sábado é dia de vacinação para crianças.

 

Voltar ao topoVoltar