Início do conteúdo

Lançamento aborda a construção social do adoecimento e das condições crônicas

LIVRO | Experiência, Saúde, Cronicidade: um olhar socioantropológico

12/10/2021

Marcella Vieira/Editora Fiocruz

Compartilhar:

Em um momento no qual tanto se debate os efeitos - físicos, mentais e coletivos - a longo prazo da pandemia de Covid-19 no Brasil e no mundo, analisar as condições e adoecimentos de longa duração se mostra ainda mais pertinente. É nesse contexto que a Editora Fiocruz lança Experiência, Saúde, Cronicidade: um olhar socioantropológico, coletânea que estará disponível para aquisição a partir de 14 de outubro, nos formatos impresso – via Livraria Virtual da Editora – e digital, por meio da plataforma SciELO Livros.

Organizado por Reni Barsaglini, Sílvia Portugal e Lucas Melo, o título faz parte da coleção Antropologia e Saúde e é uma coedição com a editora acadêmica portuguesa Imprensa da Universidade de Coimbra. A obra agrega 19 pesquisadoras e pesquisadores de diferentes formações acadêmicas, inserções institucionais e nacionalidades, como Brasil, Portugal e Nova Zelândia.

Os autores se reúnem "em torno do tema da experiência com condições e alguns adoecimentos de longa duração, tidos como crônicos pela biomedicina, assim como das relações dos adoecidos com tecnologias das quais dependem nos tratamentos de certas enfermidades", resume, no prefácio, a professora Ana Maria Canesqui, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O livro analisa a construção social das experiências com a doença crônica, os seus sentidos e significados sociais e culturais. Os 15 capítulos são divididos em três partes, sendo a primeira voltada a uma discussão teórica e conceitual e as outras duas aos estudos empíricos. "Enfocamos a experiência com o processo saúde-doença, explorando suas potencialidades e diversidades, como o conceito e a abordagem daquelas condições, sofrimentos e adoecimentos de longa duração, ou seja, que perduram no tempo e caracterizam a cronicidade", explica Reni Barsaglini. 

A coletânea reforça a importância do papel das experiências subjetivas. Para isso, uma das marcas da obra é apresentar relatos em primeira pessoa, com ênfase nas perspectivas daqueles e daquelas que sentem na pele os problemas relatados ao longo do volume. Porém, o livro procura não se ater somente à perspectiva subjetivista da experiência para entender o vivido cotidianamente em relação ao adoecimento e a outras situações. "As abordagens que encontramos aqui não se limitam às interações face a face que tradicionalmente marcaram os estudos da experiência. Procura-se também comprender a experiência situada em contextos relacionais e em contextos sócio-histórico mais amplos", destaca Sílvia Portugal.

Livro é marcado pela interdisciplinaridade
A partir de perspectiva socioantropológica, o título enfatiza a singularidade do agir e do interpretar nas questões do cotidiano, como sofrimento, adoecimento, cuidado, prática política, engajamento, entre outras. Para isso, é fundamental destacar a interdisciplinaridade que marca a coletânea, a partir dos diálogos entre autores oriundos de diversas áreas disciplinares e diferentes tradições teóricas, "dando assim espaço para a multiplicidade de expressões da complexidade e multidimensionalidade das experiências com doenças crônicas, demonstrando o seu potencial heurístico para a compreensão do sofrimento na contemporaneidade", afirma a pesquisadora da Universidade de Coimbra Fátima Alves, no texto de orelha do livro.      

São essas diferentes trajetórias acadêmicas e profissionais englobadas no livro que permitem uma diversidade de abordagens teóricas, de temáticas e de metodologias de pesquisas, já que os estudos  que os estudos sobre experiência com as condições crônicas requerem uma prática fronteirica e interdisciplinar. "A coletânea estimula o diálogo entre as ciências sociais e humanas e os campos de saúde pública e saúde coletiva, proporcionando perspectivas inovadoras e interdisciplinares do processo saúde-doença", ressalta Lucas Melo.    

Sobre os organizadores
A pedagoga Reni Barsaglini é doutora em Saúde Coletiva, pós-doutorada no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra; professora do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso. É autora, pela Editora Fiocruz, de As Representações Sociais e a Experiência com o Diabetes: um enfoque socioantropológico (2011), livro que também integra a coleção Antropologia e Saúde.

A socióloga Sílvia Portugal é doutora em Sociologia e professora auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde é também investigadora do Centro de Estudos Sociais no Núcleo de Estudos sobre Políticas Sociais, Trabalho e Desigualdades (Postrade).

Graduado em Enfermagem, Lucas Melo é doutor em Ciências e docente do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), onde coordena o Laboratório de Pesquisas Sociais em Saúde e Enfermagem (LASSEn). 

Sobre a coleção
Com 26 obras já publicadas, a coleção Antropologia e Saúde dissemina produção de alta qualidade, oriunda de centros de pesquisa e pós-graduação nacionais tanto em saúde coletiva como em antropologia, além de divulgar também textos de autores estrangeiros considerados clássicos neste campo. Contribuir para o desenvolvimento e a divulgação de referenciais teóricos e metodológicos que suscitem perspectivas inovadoras na abordagem interdisciplinar do processo saúde-doença e estimular um crescente diálogo entre as ciências sociais/antropologia e as ciências da saúde/saúde coletiva no Brasil são seus principais objetivos. 

➡️ Clique aqui para acessar o catálogo completo da coleção.

Livro Experiência, Saúde, Cronicidade: um olhar socioantropológico
Editora Fiocruz | Imprensa da Universidade de Coimbra
Coleção Antropologia e Saúde
Primeira edição: 2021
347 páginas
Preço de capa (versão impressa): R$ 69,00
Preço e-book (versão digital): R$ 41,40

Voltar ao topoVoltar