Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

InfoGripe confirma retomada da aceleração de casos de SRAG


06/05/2020

Julia Dias (Agência Fiocruz de Notícias)

Compartilhar:

novo relatório semanal do sistema InfoGripe, relativo à semana epidemiológica 18 (26 de abril a 2 de maio), destaca a manutenção tendência de aceleração no crescimento tanto das internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) quanto dos casos de Covid-19. Todas as regiões do país seguem na zona de risco e com atividade semanal muito alta para SRAG, com predominância de 82,7% do novo coronavírus entre os casos que já tiveram um resultado laboratorial positivo.

Segundo o boletim, até o dia 02 de maio, o Brasil teve um total de 57.017 casos de SRAG notificados. Mas com a previsão de atraso, de acordo com a metodologia desenvolvida pela plataforma, a estimativa é que este total atualizado seja de 74.232, com um intervalo de confiança de 65.441 a 87.303. No caso de óbitos, já foram inseridos no sistema um total de 8.024 notificações, o que leva uma estimativa de que o total até a semana 18 seja de 9.587, com intervalo de confiança de 8.785 mil a 11.040 mil.

Entre os casos reportados, 16.260 tiveram resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, sendo 5.2% Influenza A, 2.6% Influenza B, 3.1% vírus sincicial respiratório, e 82.7% SARS-CoV-2 (Covid-19). Outros 19.424 apontaram negativo, e ao menos 16.839 estão aguardando resultado. Entre os óbitos, 3.904 com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, 2.767 negativos, e há ao menos 810 aguardando resultado. Dentre os positivos, o novo coronavírus predomina, com 94.8% dos resultados.

A manutenção da tendência de crescimento no número de casos semanais reforçam o indício de retomada da aceleração no crescimento de casos, após uma desaceleração observada no final de março. “Tivemos duas semanas de crescimento muito intenso em meados de março, depois tivemos uma clara desaceleração no final do mês e começo de abril. A redução do ritmo do crescimento pode ser associada à forte adesão que tivemos ao isolamento social desde o começo de março. Porque a gente tem um efeito lento nesse processo, o tempo entre a infecção e a hospitalização é, em média, de duas semanas”, afirma o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes.

Porém, após essas semanas de um relativo controle, a taxa de crescimento de novos voltou a crescer. A retomada é observada tanto nos dados de SRAG quanto SRAG por Covid-19. Este panorama sugere a necessidade de manutenção das recomendações de isolamento social para evitar demanda hospitalar acima da capacidade de atendimento, como já tem sido registrada em alguns estados. Segundo os pesquisadores, a reversão da tendência desaceleração pode estar relacionada com diminuição na adesão ao isolamento social no mês de abril.

“Os dados nos mostram que sacrifício que fizemos funciona e podemos ver e mensurar esse resultado. Isto acende um sinal de alerta. A gente não pode relaxar, ainda não é o momento. O isolamento é hoje a principal ferramenta que nós temos”, ressalta Gomes.

Os pesquisadores chamam a atenção para dois fatores que podem interferir nos dados. O tempo entre os primeiros sintomas e posterior registro do caso no banco de dados tem se mostrado importante para a dificuldade de análises mais concretas em relação às semanas mais recentes. Isto acontece devido à forma como a notificação é feita pelas unidades de saúde, que historicamente apresenta atrasos. A metodologia desenvolvida pelo InfoGripe busca estimar este atraso, no entanto este é uma fator de cautela, principalmente em períodos de alta demanda. Para análises de tendência, os pesquisadores recomendam o uso das curvas de casos de SRAG, que tem apresentado menor impacto por conta a oportunidade de digitação do que os dados de óbito, em particular para semanas recentes.

Além disto, a sobrecarga da rede hospitalar, já contatada em alguns lugares, afeta a taxa de novas internações, que é o dado medido pelo InfoGripe. Desta forma, essa tendência pode afetar a taxa de crescimento dos casos notificados nas próximas semanas, uma vez que as notificações dependem de hospitalização.


Imagem: relatório InfoGripe

Dados por sintomas 

Esta semana, o novo boletim do InfoGripe passou a analisar os dados levando em conta outros sintomas além da definição de casos de SRAG. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a Síndrome Respiratória Aguda Grave é definida pela presença de febre, associada à tosse ou à dor de garganta e dispneia (falta de ar) ou saturação de oxigênio menor que 95% ou dificuldade respiratória e que tenham necessitado hospitalização ou que vieram a óbito tendo apresentado esse quadro de sintomas, independentemente de hospitalização. Estes dados são de notificação obrigatória pelas unidades de saúde.

Porém, o sistema Sivep-Gripe da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) também permite a inclusão de casos sem a presença de todos os sintomas. No dia 3 da abril, o Ministério da Saúde publicou guia de vigilância epidemiológica relaxando a necessidade da presença de febre entre os sintomas para definição de caso suspeito de SRAG por Covid-19. A mudança é importante pois casos da doença, especialmente em adultos, podem não apresentar quadro febril e, portanto, não se encaixariam na definição internacional de casos de SRAG.

Para manter comparabilidade com os anos anteriores e histórico de notificação de casos de SRAG no país, as análises do InfoGripe mantiveram todos os filtros de sintomas associados à definição de casos de SRAG. No entanto, o novo boletim também traz análise de dados por outros sintomas.

Desconsiderando a presença ou não de febre nos registros, o total de casos notificados até o momento sobe para 70.603, um aumento de 23,8% nos registros. Com o atraso gerado pela oportunidade de digitação a estimativa é que o total de casos seja de 94.210, com intervalo de confiança entre 82.989 e 111.071. Já o total de óbitos notificados nesta categoria sobe para 10.114, ou 28,5% de registros adicionais, com estimativa de 12.625, com intervalo de confiança de 11395 a 15163.

O total de registros de hospitalizações ou óbitos síndrome respiratória aguda no Sivep-Gripe, independente de sintomas, é de 93.621 casos, com estimativa atual de 129.043 e um intervalo de confiança entre 112.163 e 157.841]. A notificação representa um aumento de 64,2% de registros em relação ao filtro de sintomas por SRAG. No caso dos óbitos, o total no sivep-gripe, independente de sintomas, é de 14.765, o que representa 84% de registros adicionais, com estimativa atual de 18.882, com intervalo de confiança entre 16.619 e 22655. 

“Nós optamos por manter a definição de caso que sempre tivemos e que segue padrões internacionais para seguir com o padrão histórico e poder ter comparabilidade entre os números. No entanto, é importante a inclusão destes novos dados uma vez que nem todos os pacientes de Covid-19 vão apresentar o quadro completo de SRAG. Disponibilizando os dados de forma separada podemos ter tanto o dado da série histórica quanto uma visão ampliada do quadro atual”, explica o coordenador da plataforma.

O pesquisador comenta que o aumento considerável no total de registros ao desconsiderar os filtros de febre ou de sintomas da definição internacional de caso de SRAG pode indicar ou uma perda de sensibilidade no preenchimento das fichas de notificação ou sintomatologia particular dos casos de Covid-19 em relação à definição de SRAG.

Em relação às regiões do país, a tendência de aceleração de casos é mais clara nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul. A região Centro-oeste aparenta tendência de queda para os casos de SRAG que atendem a definição internacional. Porém, essa queda não se mantém quando são desconsiderados os filtros de sintomas, o que pode ser efeito de menor sensibilidade no preenchimento das notificações ou da sintomatologia particular dos casos de Covid-19.

Dados abertos

Além da plataforma online, o InfoGripe também disponibiliza sua base de dados em formato aberto para que gestores públicos e outros grupos de pesquisa possam fazer análises. O conjunto de dados semanais estratificados por faixa etária, sexo, vírus, localidade e região está disponível em formato de tabelas (csv), assim como a série temporal com as estimativas recentes de casos.  Também é possível ter acesso a dados por resultados de teste (positivo, negativo ou em análise), principais vírus causadores e sintomas.

InfoGripe

O InfoGripe é uma iniciativa para monitorar e apresentar níveis de alerta para os casos reportados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Os dados são apresentados por estado e por regiões de vigilância para síndromes gripais.

O produto é fruto de uma parceria entre pesquisadores do Programa de Computação Científica da Fundação Oswaldo Cruz (Procc/Fiocruz), da Escola de Matemática Aplicada (EMAp) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do GT-Influenza da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (GT-Influenza/SVS/MS).

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar