Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Fiocruz isola o vírus monkeypox e registra sua estrutura detalhada


29/08/2022

IOC/Fiocruz

Compartilhar:

Imagem obtida por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) mostra o momento em que uma célula sofre processo de degeneração após infecção pelo vírus monkeypox.


Alteração na célula causada pela infecção viral (foto: Milene Dias Miranda, IOC/Fiocruz)    

Para a captura do efeito citopático em monocamada, como é chamado cientificamente, foi realizada a inoculação da amostra clínica de um paciente infectado em células de linhagem Vero, modelo frequentemente utilizado para ensaios in vitro e isolamento viral. Este procedimento foi realizado em laboratório de biossegurança nível 3 (NBA3) do IOC/Fiocruz. 

Em outro clique, obtido em um microscópio eletrônico de transmissão, é possível visualizar de forma ampliada a ultraestrutura da célula após replicação do patógeno, mais precisamente, infectando o citoplasma, região onde se encontra o núcleo, responsável por guardar o material genético da célula.


Partículas virais se replicam no interior da célula (foto: Débora F. Barreto-Vieira, IOC/Fiocruz)    

Com a ampliação da imagem em 40 mil vezes, é possível identificar mais de perto as partículas virais em processo de replicação no citoplasma da célula. 

A partir das imagens, pôde ser verificado que apesar do tamanho reduzido do vírus em relação à célula – que é 300 vezes maior – ele é capaz de infectar a estrutura e se replicar com facilidade.


A partir dos registros, estima-se que o vírus monkeypox meça 300 nanômetros, em média (foto: Débora F. Barreto-Vieira, IOC/Fiocruz)  

A pesquisa Isolamento e estudos ultraestruturais do monkeypox vírus em células Vero a partir de amostras clínicas é coordenada pela chefe do Laboratório de Morfologia e Morfogênese Viral, Debora Ferreira Barreto Vieira, com colaboração de sua equipe (Milene Dias Miranda, Gabriela Cardoso Caldas e Vivian Ferreira), em parceria com a equipe do Laboratório de Enterovírus, chefiado por Edson Elias, que atua como referência em diagnóstico laboratorial em monkeypox para o Ministério da Saúde, e que foi o responsável pela detecção viral na amostra utilizado no estudo.

 

Confira as imagens em alta resolução

A reprodução das imagens está autorizada mediante citação completa da fonte:
Débora F. Barreto-Vieira, IOC/Fiocruz (para as fotografias que evidenciam as partículas virais);
Milene Dias Miranda, IOC/Fiocruz (para a imagem do microscópio invertido).

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar