Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio completa 35 anos


08/06/2020

Fonte: EPSJV/Fiocruz

Compartilhar:


Joaquim Venâncio Fernandes, que dá nome à Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), nasceu no dia 23 de maio de 1895, na Fazenda de Bela Vista, na cidade de Rio Novo, na Zona da Mata de Minas Gerais. A propriedade pertencia à família de Carlos Chagas, que viria a ser um dos mais reconhecidos médicos sanitaristas do Brasil. Segundo um sobrinho de Joaquim, Sebastião Patrocínio, toda sua família trabalhava na fazenda no cultivo das culturas de café, cana-de-açúcar, arroz, milho, feijão, gado de leite e fabrico de cachaça. O dono das terras ia pouco à propriedade, que ficava sob os cuidados de José Venâncio, irmão de Joaquim. O depoimento de Sebastião integra o Projeto Memórias de Manguinhos, da Série Depoimentos Orais do Arquivo da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, e está incluído na tese de doutorado da pesquisadora da EPSJV, Renata Reis, intitulada ‘A “grande família” do Instituto Oswaldo Cruz: a contribuição dos trabalhadores auxiliares dos cientistas no início do século XX’.

Há pouca documentação sobre a história desse homem negro, de personalidade forte, sem oportunidade de instrução e possivelmente vindo de família de escravizados ou libertos, de acordo com os relatos documentais. Não se sabe ao certo quando e por qual motivo Joaquim decidiu se mudar para o Rio de Janeiro, mas segundo os registros da Fiocruz, ele começou a trabalhar no Instituto Oswaldo Cruz, no qual se dedicou à Pesquisa Científica, em setembro de 1916, aos 21 anos de idade.

Joaquim morou em Manguinhos até sua morte, em 27 de agosto de 1955, vítima de complicações cardíacas. Ele foi casado com Sebastiana Batista de Carvalho Fernandes e teve cinco filhos - Celso, Joaquim, Renée, Wanderley e Hugo, dos quais três trabalharam no Instituto.

No laboratório

Segundo um artigo do pesquisador Wladimir Lobato Paraense (1914-2012), do Instituto Oswaldo Cruz, Joaquim Venâncio ingressou no Instituto como servente e uma de suas tarefas era fazer a limpeza do laboratório de Adolpho Lutz (1855-1940). “Observador sagaz apesar de aparentemente desatento às banalidades ao seu redor, Lutz um dia disse a Bertha que procurasse ensinar algumas práticas de laboratório àquele jovem porque ele deveria tornar-se um técnico de qualidade”, diz o texto.

Durante os 35 anos que trabalhou no Instituto, Joaquim aprendeu muito sobre zoologia. De acordo com um texto publicado na Revista Brasileira de Biologia, em 1955, mesmo não tendo oportunidade de instruir-se, pela convivência com o Adolpho Lutz e com outros zoólogos e pela observação direta do que via nas excursões no laboratório, Joaquim adquiriu conhecimento detalhado de vários grupos zoológicos, principalmente anfíbios, moluscos fluviais e trematódeos. “Chegou a conhecer muito bem os anfíbios e, com grande facilidade, os distinguia, nas excursões, pela voz... Dadas as indicações feitas pelo Dr. Lutz em seus trabalhos, há casos em que foi citado na literatura como colaborador direto”, cita a revista.

Segundo Renata Reis, não há informações precisas de quando Joaquim Venâncio começou a trabalhar com Dr. Adolpho e com a bióloga Bertha Lutz (1894-1976). De acordo com as fontes consultadas, é possível afirmar que, desde 1919, já estavam juntos em atividades científicas de campo ou de laboratório. Em sua tese, a pesquisadora destaca que a experiência com anfíbios fez com que Joaquim desenvolvesse um método para diagnóstico de gravidez através da inoculação da urina da mulher em sapos da espécie bufo marinus. Além disso, ele sabia reconhecer as espécies pelo som do seu coachar.

Depoimentos na tese apontam ainda que Joaquim tinha um saber excepcional em Botânica. Durante certo período, ele também trabalhou com o cientista Heráclides de Souza-Araújo (1886-1962), que pesquisava a hanseníase e, em uma viagem à Índia, trouxe mudas de uma planta para cultivar no Instituto. “Parece que quem cuidava dessas mudas era Joaquim Venâncio”, diz Renata.

O pesquisador emérito da Fiocruz, Luiz Fernando Ferreira (1936- 2018) relembrou, em um artigo da revista Trabalho, Educação e Saúde vol.1 , uma fala de Paraense que destaca que o conhecimento de Joaquim era tão grandioso que até mesmo uma pesquisadora americana queria levá-lo para trabalhar com ela nos Estados Unidos: "Durante os estudos feitos pela herpetóloga Doris Cochran, do Museu Nacional dos Estados Unidos, em 1935, e dos quais resultou importante monografia sobre as rãs do Sudeste do Brasil, Joaquim Venâncio acompanhou-a por Belo Horizonte, Lassance, Pirapora, Ouro Preto, São Paulo, Alto da Serra e Santos. Tão impressionada ficou aquela pesquisadora com sua competência, que tudo fez para levá-lo para sua instituição. Um dia, perguntei-lhe se não tinha tido vontade de trabalhar nos Estados Unidos. Respondeu-me que sabia que lá iria ganhar muito mais, porém que preferia ser um negro com dignidade no Brasil. Joaquim Venâncio era, sem dúvida, um naturalista. Era competente: tinha o domínio do ofício, a maestria da arte”.

Reconhecimento e admiração

Renata conta que, desde que veio para o Rio de Janeiro, Joaquim sempre morou dentro do Instituto, em uma casa localizada na Estrada de Manguinhos. “Pertencia aos ’Próprios Nacionais’ do Instituto Oswaldo Cruz. Esta denominação refere-se aos imóveis de domínio da União utilizados pelo serviço público federal. Em sua residência, havia um pequeno aquário onde ele criava sapos da espécie bufo marinus e répteis de espécies variadas que eram utilizados nos estudos”, conta em sua tese.

Segundo a pesquisadora, além de sua inteligência e astúcia, Joaquim tinha um temperamento alegre. “Gostava de cantar, tocar violão e acordeão. Gostava também de conversar e tinha o costume de colocar a mesa do café na varanda de sua casa. Passando um vizinho, prontamente convidava para um cafezinho e um dedinho de prosa, o que, às vezes, deixava D. Sebastiana um pouco aborrecida”, diz. Segundo os relatos, o fato de residir no Instituto fez com que Joaquim também atuasse como vigia da instituição, andando à noite pelos terrenos do campus com um rifle nas costas.

Em Manguinhos, Joaquim foi conhecido e admirado por todos. Segundo o artigo de Wladimir Lobato, ele era considerado uma espécie de patriarca ou juiz de paz, o que hoje se chama líder comunitário, “mas sua influência derivava apenas de sua força moral e de suas boas qualidades humanas, nunca de qualquer traço de demagogia. Era procurado para aconselhamento, para dirimir pendências e para proteger os fracos”, diz o artigo.

Politécnico

Em 1985, foi criado o Politécnico da Saúde Joaquim Venâncio. Como a unidade era voltada para a formação de técnicos para a área de saúde, decidiu-se homenagear Joaquim, que havia se destacado em seu trabalho como assistente de Adolpho Lutz. A escolha do nome de Joaquim também buscou dar visibilidade ao trabalhador técnico que, historicamente, tem acesso desigual aos processos de escolarização e qualificação profissional. Para Renata, que continua estudando a vida de Joaquim, pensaram no nome dele para ser patrono porque Joaquim era considerado também um professor. “Era um guru. Assim seus colegas o chamavam. Sua postura era de quem sabia do seu valor e de sua importância, altivo! Ao mesmo tempo, dadas as contradições das relações de trabalho entre os cientistas e seus auxiliares, mantinha um respeito à hierarquia institucional. Possuía um saber incrível, apesar de não ter tido acesso à educação formal. E ele ensinava para as pessoas”, diz ela.

Em 2009, alunos do ensino médio da EPSJV produziram o vídeo 'Em busca de Joaquim Venâncio'. Contando com imagens de arquivo e depoimentos, o filme narra a busca por informações sobre o trabalhador técnico que dá nome à escola, uma referência importante entre os trabalhadores da Fundação Oswaldo Cruz. Confira abaixo!

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar