Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Equipe olímpica da Fiocruz realiza Oficina Alunos em Ação em escolas da rede pública de Manaus


13/06/2022

Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia)

Compartilhar:

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), vai realizar, de 13 a 15/06, junto com a equipe da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma) e do Programa Mulheres e Meninas na Ciência, iniciativas vinculadas à Vice-presidência de Educação, Informação e Comunicação, uma série de atividades em escolas da rede estadual de ensino do Amazonas. A iniciativa visa incentivar a participação de professores e alunos na 11ª edição da Obsma.

As unidades de ensino receberão uma série de atividades durante a oficina “Alunos em Ação: Educação, Saúde e Meio Ambiente nas Escolas”. A oficina contará com grafitagem dos muros, contação de histórias, realização de palestras, rodas de conversa, apresentações teatrais e a divulgação do Prêmio Menina Hoje, Cientista Amanhã, que visa estimular o gosto pela Ciência em alunas das unidades de ensino e nesta edição homenageia a cientista paraense Maria Deane.

As atividades ocorrerão nas escolas estaduais de Tempo Integral Lecita Fonseca Ramos, no bairro Monte das Oliveiras (zona Norte), Instituto de Educação do Amazonas (IEA), no Centro, e Djalma Batista, no Japiim (zona Centro-Sul), geridas pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Em cada escola, será realizada a entrega de um painel pintado pelos alunos através da arte do grafite, que certificará a unidade de ensino como Escola Olímpica, parceira da Obsma por permitir a divulgação científica. O trabalho é desenvolvido em parceria com a Coordenação de Educação Ambiental da Seduc.

“Em cada escola, teremos um painel de divulgação da Obsma, que visa não só divulgar a Olimpiada, mas passar a funcionar como uma ferramenta de popularização da ciência, cumprindo o papel de divulgar e prestigiar também a arte urbana jovem, inserindo os alunos no processo de cuidado com a escola”, explica a pesquisadora da Fiocruz Amazônia, Rita Bacuri, coordenadora da Regional Norte da Obsma. Segundo ela, a programação foi pensada com a finalidade de inspirar futuros cientistas. Para isso, foram convidados palestrantes renomados que abordarão temas como Ciência na Amazônia e a presença feminina na Ciência. Entre as presenças confirmadas, está a do pesquisador Marcus Barros, primeiro diretor da Fiocruz Amazônia e incentivador da presença feminina na Ciência. Marcus foi diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), além de ocupar a presidência nacional do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) de 2003 a 2007.

“Convidamos o professor Marcos Barros para falar de sua experiência enquanto pesquisador na Amazônia e, também, fazer uma homenagem a Djalma da Cunha Batista, que dá nome à escola e de quem o Marcus foi discípulo”, afirma Rita. A palestra ocorrerá no dia 15, no auditório da Escola Estadual de Tempo Integral Bilíngue (português/japonês) Djalma Batista, a partir das 9h.

A programação contará também com a palestra da pesquisadora em Saúde Pública, Ana Jansen, que falará sobre sua trajetória de mais de 40 anos dedicados à Ciência e como foi sua relação como aluna e amiga da parasitologista paraense Maria Deane. “Este ano, um destaque especial dentro do projeto da Olimpíada Brasileira da Saúde e Meio Ambiente é o Prêmio Menina Hoje e Cientista Amanhã em homenagem à nossa ilustre Maria Deane, uma mulher à frente de seu tempo, que dedicou a vida inteira ao estudo de doenças tropicais brasileiras”.

Junto com Ana, a pesquisadora Yara Traub, chefe do Laboratório de Biologia Molecular de Tripanosomatídeos e Flebótomos da Fundação Oswaldo Cruz, também falará sobre sua carreira e títulos obtidos dentro e fora do País. As duas pesquisadoras são personagens da série Mulheres na Fiocruz: Trajetórias, que traz um relato histórico sobre o papel das mulheres na Ciência e da presença das cientistas na Fiocruz, que este ano completou 122 anos.

A coordenadora de Divulgação Científica da Fiocruz, Cristina Araripe, autora do Dossiê Temático: Mulheres e Meninas na Ciência, também estará presente e abordará a importância da Ciência, Tecnologia e Inovação para a inclusão de mais mulheres em áreas estratégicas do desenvolvimento do País. As palestras acontecerão nos dias 13 e 14/06, a partir das 9h, nas escolas Lecita Fonseca Ramos e no IEA.

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

Na programação, a contação de histórias vai inspirar também futuros e futuras cientistas. Será feita a partir da interpretação dos artistas da Companhia de Teatro Vitória Régia, tendo como protagonistas o sauim-de-coleira, símbolo da cidade de Manaus, e a figura folclórica lendária do Mapinguari. “Todas as atividades são voltadas para as crianças e jovens do Ensino Fundamental ao Ensino Médio, alinhado com o compromisso da Fiocruz de popularização da ciência. É isso que a Obsma proporciona, levando discussão de altíssima qualidade para a educação básica”, comenta a coordenadora regional. A contação de histórias ocorrerá em todas as escolas, no horário das 14 às 16h. Ao final de cada dia da programação, será feita a entrega dos painéis olímpicos, executados pela artista grafiteira Deborah Erê, que falará aos alunos sobre a arte do grafite.

Gestor da Escola Estadual de Tempo Integral Bilingue Djalma Batista, Luiz Mauricio Centurião, comemora a parceria da Fiocruz na realização da oficina e na confecção do painel olímpico por representar um momento de retomada das atividades conjuntas da escola. “Em função da pandemia, não conseguimos trabalhar juntos, mas desde fevereiro voltamos com força total e recebemos a Fiocruz e a Obsma com muita satisfação”, afirma o gestor, ressaltando que os alunos da escola estarão envolvidos com as atividades. “Aqui já existe uma identificação dos estudantes com a cultura e a língua japonesa e o mangá é uma forma deles expressarem a arte deles”, observou. Segundo ele, boa parte dos cerca de 900 alunos possui habilidades artísticas e se envolveu na escolha dos temas que comporão o painel olímpico. O diretor conta que convidou também alunos da escola estadual Jacimar da Silva Gama para participar das atividades. O painel olímpico da escola terá 5 metros de altura por dez metros de largura.

Voltar ao topoVoltar