Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

18/04/2013

Brasil vai retomar a produção de insulina com nova fábrica em Minas Gerais


O Brasil vai retomar a produção de insulina - medicamento vital para o controle de diabetes.  Isso será possível com a criação de uma fábrica em Minas Gerais, por meio de parceria entre o Ministério da Saúde, a empresa Biomm, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz): um investimento de R$ 430 milhões em cinco anos.

A fábrica da Biomm pode começar a produzir a partir de 2014. A produção nacional de insulina – interrompida em 2001 – representa avanço não apenas na assistência, mas também confere ao Brasil autonomia e reduz a vulnerabilidade do país frente a potenciais crises internacionais de produção. Com a retomada, o Brasil volta a fazer parte do seleto grupo de grandes produtores de insulina, ao lado de França, Dinamarca e Estados Unidos.

Impulso à indústria

Atualmente, há cerca de 10 milhões de diabéticos no país. Desses, 1,1 milhão utilizam a insulina disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2012, o consumo médio de medicamentos antidiabéticos pela rede pública de saúde foi de cerca de 15 milhões de frascos NPH e cerca de 1,7 milhão de frascos de insulina – 1,2 milhão de frascos do tipo NPH e 145 mil frascos da regular. A Biomm produzirá 50% da insulina distribuída no SUS.

A construção de uma fábrica nacional de insulina está inserida na estratégia do governo federal de aumentar a autonomia do país em relação ao mercado externo de medicamentos e equipamentos de Saúde. Na semana passada, o ministro Alexandre Padilha anunciou uma série de medidas para impulsionar a indústria brasileira no setor saúde. Foram firmadas oito parcerias entre laboratórios públicos e privados para a produção nacional de medicamentos e equipamentos, que vão gerar economia de R$ 354 milhões em cinco anos.

Leia a reportagem completa na Agência Fiocruz de Notícias.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar