Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

01/10/2012

Artigo revela mudança de paradigma na busca de vacina para o HIV

Pesquisadores de jaleco azul posam para a foto

Fonte: Instituto Oswaldo Cruz

Um artigo publicado na revista científica Nature neste domingo (30/9) representa a abertura de um novo paradigma na busca de uma possível vacina para o HIV. Até agora, os estudos buscavam uma abordagem focada nos anticorpos contra a síndrome. Mas o estudo recém-divulgado tem como alvo as células T CD8, elemento-chave no processo de controle da carga viral que aparece em alguns dos infectados. Seu objetivo é comprovar que essas células controlam a replicação do vírus, independentemente da produção de anticorpos. A pesquisa é liderada por David Watkins, da Universidade de Miami, e tem a colaboração de quatro brasileiros, dentre eles três pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

“Com este artigo, nosso grupo está apontando que é possível percorrer um novo caminho, uma nova abordagem, que ainda não tinha sido suficientemente validada”, afirma a pesquisadora Myrna Bonaldo, chefe do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e uma das colaboradoras do projeto, juntamente com Ricardo Galler (pesquisador de Biomanguinhos/Fiocruz), Marlon Santana (bolsista do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus do IOC/Fiocruz) e Maurício Martins (brasileiro que atua na Universidade de Miami, na equipe de David Watkins).

Células assassinas

O trabalho publicado na Nature tem como foco os chamados "controladores de elite": pessoas que, apesar de possuirem o HIV, não desenvolvem o conjunto de sintomas que caracterizam a Aids. Esse processo de controle da carga viral estaria associado às células T CD8 protetoras , que atuam com função citotóxica. Ou seja: estas seriam verdadeiras células assassinas que matam as células T CD4 infectadas com o HIV. Uma das novidades do estudo publicado na Nature foi identificar que os controladores de elite limitam a carga viral ao gerarem uma vigorosa resposta imune mediada por células T CD8 protetoras. Para testar a validade da abordagem celular, os pesquisadores utilizaram dois grupos de macacos rhesus.

O próximo passo da pesquisa é descobrir o que torna estas células citotóxicas tão eficazes. E, desvendado o mecanismo, buscar nele pistas para uma possível vacina.

Leia a reportagem completa.

"Com este artigo, nosso grupo está apontando que é possível percorrer um novo caminho, uma nova abordagem, que ainda não tinha sido suficientemente validada" (Myrna Bonaldo, pesquisadora do IOC)

Mais em outros sítios da Fiocruz

Mais na web

Voltar ao topoVoltar