Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Oswaldo Cruz Foundation an institution in the service of life

Início do conteúdo

Fiocruz apoia participação de pesquisadores no 1º Simpósio da Saúde realizado na ocasião do IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas


04/08/2022

VPAAPS/Fiocruz

Compartilhar:

Estudantes do ensino superior e pós-graduação, ativistas indígenas, pesquisadores indígenas e não-indígenas e artistas indígenas de todo o país estiveram reunidos no IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (ENEI), realizado entre de 26 e 29 de julho, na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/SP), que teve como tema a “Ancestralidade e Contemporaneidade”. 

Nesta edição de 2022, no dia 29 de julho, foi realizado o 1º Simpósio da Saúde, atividade construída por uma comissão multidisciplinar e multiétnica, com diferentes profissionais e estudantes da saúde, mestres da medicina tradicional e professores de diferentes instituições. A área de Ambiente da Vice-Presidência de Ambiente, Promoção e Atenção à Saúde (Vpaaps) destinou apoio financeiro para viabilizar a participação dos palestrantes no Simpósio da Saúde. 

Uma das organizadoras do evento, Kellen Natalice Vilharva Guarani Kaiowá, explica que o 1º Simpósio da Saúde surgiu da necessidade de reunir estudantes das áreas da saúde e discutir temas que ainda não fazem parte das disciplinas das instituições, como a valorização dos conhecimentos das medicinas tradicionais indígenas e o próprio subsistema de Atenção à Saúde Indígena. E também para discutir a saúde dos acadêmicos indígenas em contexto urbano, pois a maioria dos acadêmicos deixa suas aldeias para estudar. 

“Depois de uma pandemia de mais de dois anos, esse evento serviu também para o encontro e reencontro de pessoas que não se viam ou se conheciam apenas no formato online. O acesso aos pesquisadores indígenas de diversas áreas vai contribuir muito na formação do acadêmico indígena”, afirma a organizadora.

Segundo Kellen, a partir do simpósio foi criada uma rede de profissionais, pesquisadores e estudantes indígenas e não indígenas. “Com certeza a rede resultará em ideias e projetos relevantes”. 

Além das palestras, o simpósio também contou com relatos de experiências de estudantes e acadêmicos. Os resultados do encontro serão organizados em um documento e compartilhado com todos os inscritos no ENEI.

Pela manhã participaram os palestrantes: Aparecida Benites Kaiowá, da etnia Kaiowá e professora de Questões Indígenas Brasileira na Escola Estadual de Amambai e pesquisadora do grupo Ambiente, Diversidade e Saúde da Fiocruz; João Paulo Tukano, indígena do povo Yepamahsã (Tukano), pesquisador do Núcleo de Estudos da Amazônia Indígena (NEAI) e fundador do Centro de Medicina Indígena Bahserikow; e Ubiraci Pataxó, indígena povo Pataxó, jovem mestre do saber e aprendiz de pajé, atua como pesquisador nos projetos “Saúde Coletiva e Epistemologias do Sul e Interculturalidades”, na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) em parceria com a Universidade de Coimbra/Portugal; Tatiana Peixoto Macuxi, referência em Medicina Indígena; e João Ernesto de Carvalho, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unicamp. 

Já na parte da tarde participaram: Nelson Filice, professor do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp; Danilo Silva Guimarães, professor associado à área de História e Filosofia da Psicologia da Universidade de São Paulo (USP); Fabio Cezar da Silva, área de enfermagem da Unicamp, Braulina Baniwa, mestranda em antropologia na Universidade de Brasília (UnB); Luciana Guarani Mbya, artesã e coordenadora do coletivo Etnocidade; e Nita Tuxá, pesquisadora e psicóloga especialista em saúde indígena.

Fundação Oswaldo Cruz  - A Fiocruz é referência na área de saúde pública e tem uma trajetória na saúde indígena. A instituição vem inserindo estudantes e pesquisadores indígenas em seus cursos de pós-graduação e em seus campos de pesquisa, além de participar e apoiar projetos que ressaltam a importância e valorização dos saberes ancestrais e da cultura tradicional indígena. 

Na avaliação da pesquisadora da Fiocruz e integrante do Grupo de Trabalho de Saúde Indígena da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Ana Lúcia Pontes, ainda é baixo o número de estudantes indígenas na área de Saúde Coletiva e é preciso estratégias para se aproximar desses estudantes e não somente os relacionados aos cursos da saúde, mas também de outras áreas. “O encontro é um espaço de aproximação da instituição acadêmica, apoiando diretamente iniciativas dos próprios estudantes indígenas. Isso faz toda a diferença num espaço que pela primeira vez incluiu um simpósio com a temática de saúde”. Entre os temas que foram debatidos no simpósio estão a questão da medicina tradicional indígena, a valorização e a produção de conhecimento articulado com academia sobre a medicina indígena.

Segundo Ana Pontes, o apoio da Fiocruz viabilizou a participação dos pesquisadores/palestrantes envolvidos no evento e colocou a instituição ao lado das iniciativas dos próprios estudantes indígenas. “Isso cria um canal que poderá resultar numa aproximação dentro da Fiocruz e num espaço deles de se enxergarem e de pertencimento. A tentativa de fazer essa abertura para dentro do campo da saúde indígena visa uma relação mais paritária com os indígenas que estão na academia e de acolhimento de fato desses estudantes”, disse.
 

Back to the topBack