Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Fiocruz Piauí realiza atividades para comemorar o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência


20/02/2020

Por: João Boueri

Compartilhar:

Instituído pela Organização das Nações Unidas, o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência é comemorado no dia 11 de fevereiro. A Fiocruz Piauí, para celebrar a data, promoveu a iniciativa ''Inseridas na Ciência, nós mudamos o mundo: Mulheres e Meninas na Ciência Já!'', projeto selecionado na chamada interna ''Mais Meninas na Fiocruz'', divulgada pela Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC/Fiocruz), em parceria com o Grupo de Trabalho Mulheres e Meninas na Ciência, em dois dias de atividades. No primeiro dia, cerca de 280 alunas de 6 a 14 anos da Escola Municipal Joca Vieira participaram do ''Dia de Cientista Mirim''. Para inspirar a vocação científica, as estudantes visitaram, também, a exposição ''Bem vindas ao mundo da Ciência'', em cooperação com o Instituto Federal do Piauí. No dia seguinte, com o público de 81 participantes, a organização do evento ministrou palestras e rodas de conversa sobre a temática ''O alcance da igualdade de gênero de mulheres e meninas na ciência''.

Estudantes e a organização do evento nas atividades do dia 10 de fevereiro de 2020

Foto: Fiocruz Piauí

O evento do dia 10 de fevereiro contou com apresentação de 7 mesas de diferentes abordagens. 

Mesa 1: Apresentação de insetos vetores de doenças através de um estereomicroscópio.

Mesa 2: A descoberta de parasitos invisíveis dentro de um intestino humano. 

Mesa 3: A equipe do Instituto Federal do Piauí enfatizou a importância entre a interação da saúde humana versus ambiente versus saúde animal. Durante a apresentação da mesa, foi realizada uma exposição sobre a interação de morcegos e humanos.

Mesa 4: Apresentação de jogo em formato de tabuleiro. O jogador-cientista, ao realizar uma viagem de trem para chegar à Fiocruz, teria que ajudar a saúde da comunidade em cada estação. Ademais, o jogo propôs uma discussão contextualizada sobre doenças, como a dengue e as parasitoses intestinais.

Mesa 5: A proteção individual de toda cientista é importante.

Mesa 6: O conhecimento sobre o corpo humano é fundamental para o aprendizado científico. As estudantes tiveram acesso a curiosidades, como a doenças de impacto na saúde pública.

Mesa 7: Despertar nas alunas a vontade de sonhar. 

Alunas observam a explicação sobre a importância dos estudos de helmintos e insetos vetores da doença de Chagas

Foto: Fiocruz Piauí

No Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência, 11 de fevereiro, a organização do evento promoveu o ''Dia M''. Através de um talk-show intitulado ''Encontro de Gerações Femininas para a Ciência'', as pesquisadoras Francisca Lima, Hilziane Lima, Roseane Soares, Claudilene Rocha, Bárbara Johas, Ana Cecília, Mariana do Nascimento, Heloísa Santos, Kerla Monteiro e Elaine Nascimento debateram sobre a igualdade de gênero. A atividade contou com a participação das alunas dos cursos de Desenvolvimento de Sistema, Informática, Eletrotécnica e Edificações do Instituto Federal do Piauí – IFPI campus Teresina e da equipe de bolsistas da Unidade Laboratorial da Fiocruz Piauí. Ao final, as alunas foram convidadas e incentivadas a desenvolver o projeto “Inseridas na ciência, nós mudamos o mundo”. Este será filmado e participará do documentário “Os meus passos me levam onde eu quiser: Mulheres e Meninas na Ciência Já'' que será veiculado na TV da Universidade Federal do Piauí.

Roda de conversa do ''Dia M''

Foto: Fiocruz Piauí

A estudante Helóisa Santos, 9 anos, tem o desejo de se tornar astronauta e pediu para participar da roda de conversa com as pesquisadoras presentes. Ela comentou a sua relação com o meio científico. ''Eu sempre fui muito ligada com essa área. O meu Youtube está repleto de vídeos que abordam a Ciência, como a explosão na usina nuclear de Chernobyl. Eu não tive medo de assistir esses vídeos, por mais que eu tivesse pesadelos durante a noite. A minha mãe sempre me incentivou a ser quem eu quiser e ser independente. Sempre questionei muito. Leio livros e pesquiso no Google. Eu sempre achei que perguntar e questionar é o certo, porque com somente respostas não se aprende. Vocês têm que sempre ler mais e aprender mais do que já sabe'', afirmou a jovem aluna.

Em vídeo divulgado nas redes sociais do escritório da Fundação Oswaldo Cruz, a pesquisadora Elaine Nascimento, uma das organizadoras do evento, contou sobre a importância da comemoração do Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência. ''É importante que mulheres e meninas recebam as mesmas oportunidades que os homens. Nós, da Fiocruz Piauí, acreditamos e defendemos que o lugar de mulheres e meninas é onde elas desejarem estar'', afirmou. Durante a sua fala no evento, ela ressaltou a escolha do nome do projeto ''Inseridas na Ciência, nós mudamos o mundo: Mulheres e Meninas na Ciência Já!''. ''Não significa que a gente não faz ciência, e sim que temos os nossos produtos, inovações e ideias roubadas de nós. Queremos dar um basta nisso porque somos pessoas e assim como pessoas, temos todos os direitos que qualquer pessoa tem'', completou a pesquisadora.

Pesquisadora Elaine Nascimento durante o evento

Foto: Fiocruz Piauí

''A ciência como lar 
 
Acordei, me olhei no espelho

me vi menina

me vi mulher

me vi na ciência

me vi onde quiser

construindo sonhos quebrando barreiras

compartilhando experiências

e refutando evidências.

Então, assim encontrei  

minha essência! 
 
A Fiocruz Piauí deseja a todas um Feliz Dia das Mulheres e Meninas na Ciência! ''

 

 

Voltar ao topoVoltar