Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Simpósio Fiocruz/NIH: Covid-19 demanda novas formas de distribuição de vacinas


25/04/2022

Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias)

Compartilhar:

“Há muitos mísseis nucleares no mundo. Por que não temos instalações suficientes para a produção de vacinas?”.  A cobrança partiu de Adrian Hill, diretor do Jenner Institute, da Universidade de Oxford. Um dos desenvolvedores do imunizante Oxford/AstraZeneca para Covid-19, Hill participou do Simpósio Ameaças Globais Sanitárias Emergentes e Persistentes, organizado pela Fiocruz e pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas/Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIAID-NIH), nestes dias 24 e 25 de abril. O evento, realizado no Rio de Janeiro, contou ainda com nomes como Anthony Fauci, principal epidemiologista americano e líder da força-tarefa do país contra a pandemia, e Celina Turchi, pesquisadora do Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz Pernambuco), que estabeleceu a ligação entre zika e a microcefalia em bebês.


Evento no Rio de Janeiro debateu Ameaças Globais Sanitárias Emergentes e Persistentes (foto: Pedro Paulo Gonçalves)

Planejado para celebrar a longa história de colaboração entre Fiocruz e NIAID, o simpósio deveria ter ocorrido há dois anos, mas foi adiado por conta da pandemia, ganhando um novo significado. Os organizadores Leonardo Carvalho, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), e Hans Ackerman, do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID-HIH), destacaram que o evento procurou equilibrar enfermidades emergentes com aquelas que afligem a humanidade há décadas ou mesmo séculos. 

Novos modelos

No Hotel Prodigy Santos Dumont, Hill disse que, apesar dos 6 milhões de mortos registrados oficialmente, o número de vítimas da Covid-19 pode chegar a 20 milhões, devido à subnotificação. Ele criticou a desigualdade no acesso às vacinas no mundo, lembrando que no ano passado “74% da população dos EUA estavam imunizados, em comparação com 4% da África Subsaariana”. Para modificar esse cenário, ele defendeu a busca de novos modelos.

Segundo Hill, a cooperação da Universidade de Oxford com centros de pesquisa em outras partes do mundo, com empresas farmacêuticas e governos foi chave para desenvolver os estudos clínicos e para produzir a vacina em tempo recorde. No Brasil, por exemplo, a Oxford/AstraZeneca é produzida pela Fiocruz por meio de um acordo que incluiu a transferência de tecnologia. “Oxford tinha uma instalação para fabricação de vacinas há 25 anos, e já usava esta plataforma de adenovírus para pesquisar um imunizante para malária. Mas nossa fábrica não conseguiria produzir em escala”, disse. “É preciso um novo modelo distributivo. A AstraZeneca se coordenou com 20 instalações em 15 países. Hoje, essa vacina é aplicada em 184 países e a um custo muito baixo”, disse Hill, que na quarta-feira participa da Reunião Nacional de Pesquisa em Malária, apresentando os estudos de uma vacina contra a doença com 77% de eficácia.

Fauci, diretor do NIAID, por sua vez, acredita que, apesar da desaceleração dos casos, a Covid-19 não será erradicada. Para isso, argumenta, contribuem o fato de provavelmente ter se originado em um hospedeiro animal, de algumas pessoas demonstrarem atualmente desconfiança em relação às vacinas e de o imunizante ainda não ter chegado a muitos lugares. “Não creio que seja possível erradicar. Isso aconteceu com o sarampo [nos EUA] porque não tinha um repositório animal e porque a campanha de vacinação foi aceita”, disse. “Vejo dificuldades em chegar à fase de controle, em níveis tão baixos que não paralisem a vida cotidiana”, disse, não descartando a necessidade de uma vacinação anual. “Precisamos ser suaves e firmes para convencer aqueles que desconfiam das vacinas”, disse.

O principal epidemiologista da Presidência americana destacou ainda a necessidade de não deixar que a doença caia n esquecimento. “Depende da comunidade científica lembrar às pessoas que a pandemia não é um fenômeno novo, que acontece repetidamente. Espero que a lição destes dois últimos anos de tanta dor ajude nos próximos”.

Legado

O simpósio não se restringiu a Covid-19. Abrindo o evento, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, disse em mensagem de vídeo esperar que o simpósio, junto com a XVI Reunião Nacional de Pesquisa em Malária (que teve sua abertura neste dia 25 em sessão conjunta), “traga uma grande contribuição para a pesquisa e reforce o papel das instituições científicas no enfrentamento das grandes questões sanitárias, que envolvem aspectos biomédicos, ambientais e sociais”.

O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, por sua vez destacou os 122 anos da Fiocruz, surgida para lidar com surtos como sarampo, peste bubônica e febre amarela, e que, embora não seja o início da atividade cientifica no Brasil, marca o momento em que “pela primeira vez a sociedade brasileira viu que poderia usar a ciência no mundo real”.


Vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger destacou os 122 anos da Fiocruz (foto: Pedro Paulo Gonçalves)

Krieger mostrou que a Fundação atua desde a pesquisa básica até a produção de vacinas e medicamentos, passando pela assistência médica, em um grande 'ecossistema de saúde'. “Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) já enfrentou vários surtos desde a sua criação, da vacina para meningite à Covid-19”, disse Krieger, explicando que no ano passado foram entregues 253 milhões de doses de vacinas em geral – destas, 153 milhões foram contra a Covid-19. “Hoje temos mais de 11 vacinas no nosso portfólio e somos responsáveis por mais da metade dos imunizantes usados no Programa Nacional de Imunizações”.

Temas como HIV, arboviroses, dengue, entre outros, além da malária, também tiveram espaço. Celina Turch, por exemplo, chamou a atenção de como a zika parece ter caído no esquecimento, apesar de o vírus continuar circulando. No ano passado, ainda havia 800 casos suspeitos de síndrome congênita de zika. “A zika passou como emergência, mas não como ameaça”, destacou. “Precisamos ter uma vacina contra zika”.

Beatriz Grinssztejn, do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas Evandro Chagas (INI/Fiocruz), por sua vez, ressaltou como o HIV avança entre homens jovens que têm relações sexuais com outros homens e mulheres transgênero. Na América Latina hoje vivem 2,1 milhões de pessoas com HIV. Destes, quase um milhão estão no Brasil. Muitos descobrem tardiamente e não se beneficiam da terapia como poderiam. A pesquisadora apresentou ainda o projeto de implantação da Profilaxia Pré-exposição (PrEp) Injetável no Brasil, utilizando o Cabotegravir de ação prolongada, que será financiado pela Unitaid, agência global de saúde ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar