Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

04/11/2019

Parceria com instituições uruguaias foi oficializada

Carlos Batthyány (Instituto Pasteur de Montevidéu), Marco Krieger (Fiocruz) e Rodrigo Arim (Udelar)

Por: Lucas Rocha (IOC/Fiocruz)*

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Universidade da República do Uruguai (Udelar) e o Instituto Pasteur de Montevidéu assinaram, no dia 28 de outubro, um memorando de entendimento para futuras parcerias entre as instituições. A reunião foi realizada na sede da Udelar, em Montevidéu.

Participaram do encontro o diretor do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), José Paulo Gagliardi Leite, os vice-presidentes da Fiocruz, Rodrigo Correa de Oliveira (Pesquisa e Coleções Biológicas) e Marco Krieger (Produção e Inovação em Saúde), representando a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, o diretor do Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná), Bruno Dallagiovanna, o diretor do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), Pedro Barbosa, e o pesquisador do Laboratório de AIDS e Imunologia Molecular do IOC, Gonzalo Bello. Pelo lado uruguaio, estiveram presentes várias autoridades, incluindo o reitor da Udelar, Rodrigo Arim, o pró-reitor de Ensino Juan Cristina, o presidente da Comissão Coordenadora do Interiro, Rodney Colina, e o diretor do Instituto Pasteur de Montevidéu, Carlos Batthyány.

“O acordo é mais um passo na busca pelo estreitamento de laços entre as instituições que já possuem parcerias de forma pontual. O objetivo do memorando de entendimento é institucionalizar a cooperação, ampliando o desenvolvimento científico, o intercâmbio de alunos e pesquisadores e a captação conjunta de financiamentos”, destacou José Paulo.

No encontro, grupos de trabalho definiram, para o início das atividades, grandes eixos temáticos para o desenvolvimento de projetos de pesquisa: virologia, Leishmania, transferência de tecnologias e capacitação técnico-científica.

Os especialistas destacaram a importância da priorização da pesquisa sobre viroses emergentes e reemergentes, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela, além de estudos sobre vírus gastroentéricos e respiratórios. Foram apontadas, ainda, propostas para a elaboração de estratégias de vigilância sanitária conjuntas, a criação de laboratórios de referência integrados e o desenvolvimento de kits de diagnóstico e de estudos clínicos.

Além da criação de um projeto macro contemplando diferentes áreas do conhecimento, estão previstos lançamentos de editais conjuntos entre as três instituições. O próximo encontro deve acontecer no primeiro semestre de 2020.

*Edição: Raquel Aguiar

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar