Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

INI lança Residência Multiprofissional em Doenças Infecciosas e Parasitárias

Prédio do INI

14/02/2020

Por: Antonio Fuchs (INI/Fiocruz)

Compartilhar:

O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) está lançando o Programa de Residência Multiprofissional em Doenças Infecciosas e Parasitárias. O curso, ofertado pela primeira vez na instituição, tem como público alvo profissionais graduados em enfermagem, farmácia, fisioterapia e nutrição e registrados no conselho profissional correspondente. As inscrições para o processo seletivo estão abertas de 14 a 18 de fevereiro, são oferecidas cinco vagas, e as aulas começarão no dia 02 de março de 2020.

As vagas disponíveis estão distribuídas da seguinte maneira: 2 para graduados em enfermagem, 1 para farmácia, 1 para fisioterapia e 1 para nutrição. O programa terá dois anos de duração, em tempo integral, com 80% (oitenta por cento) da carga horária total sob a forma de estratégias educacionais práticas e teórico-práticas e 20% (vinte por cento) sob forma de estratégias educacionais teóricas, atendendo a Resolução da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional (CNRMS nº 5/2014). Os documentos para inscrição deverão ser entregues na Secretaria Acadêmica da Vice-direção de Ensino do INI até o dia 18 de fevereiro. 

Conversamos com o coordenador da Residência Multiprofissional em Doenças Infecciosas e Parasitárias, Renato França da Silva, e a coordenadora adjunta, Patrícia Dias de Brito, para saber mais sobre o novo curso.

Como surgiu a proposta do curso?

Renato França: A proposta surgiu a partir de um debate coletivo entre as coordenações dos cursos de especialização do INI em tornar nossa Residência em Multiprofissional, envolvendo as diversas capacitações que temos aqui em um único projeto, visando sempre a melhor qualificação profissional para nossos alunos através de uma iniciativa que vem sendo desenvolvida há mais de um ano.

Patrícia Dias de Brito: No caso da nutrição, por exemplo, as alunas que já passaram pelo nosso curso sempre falaram que o diferencial do INI é a carga horária prática que oferece, indo para além das aulas teóricas e isso faz toda a diferença na formação delas, principalmente em processos seletivos ou na inserção no mercado de trabalho. Ou seja, a partir deste ano teremos além da especialização, a opção da residência multiprofissional, que será interligada à primeira, com o acréscimo de carga horária teórica e prática.

Qual o objetivo da Residência Multiprofissional?

Renato França: O grande objetivo dessa residência é o treinamento prático em serviço. Por isso a maior parte da carga horária do aluno será na prática diferenciada que temos aqui no INI. Por sermos um Instituto Nacional de Infectologia temos profissionais envolvidos nos campos da Pesquisa, do Ensino e da Assistência, trabalhando de forma integrada. E os alunos vão poder vivenciar isso diariamente, alinhando os conhecimentos técnico-científicos, o raciocínio crítico-reflexivo e a visão integral, ampliada e humanizada dos processos de saúde e doença.

Patrícia Dias de Brito: Eu penso que temos um lugar que, por ser pequeno, favorece esse aprendizado. Somos um hospital com poucos leitos, mas que trazem um trabalho intenso e constante para nossos profissionais. E o aluno terá a oportunidade de atuar diretamente com esses profissionais e com os pacientes. Então aquilo que se aprende na teoria dentro da sala de aula será aplicado diretamente no cuidado com os pacientes.

Esta primeira edição conta com cinco vagas. O que o futuro pode reservar?

Renato França: Para esta primeira turma dispomos de cinco vagas, sendo duas para enfermagem, uma delas atendendo aos requisitos das ações afirmativas da Fiocruz definidas pela Portaria 6162/2019-PR, e seguindo uma orientação do Fórum de Residências da Fundação, uma para nutrição, uma para fisioterapia e uma para farmácia.

Um processo da Residência Multiprofissional tem que contar com, no mínimo, três categorias. Nós temos quatro nesta primeira turma. Aqui no INI estamos qualificando ainda mais as outras categorias para incluí-las futuramente dentro deste programa. A psicologia, por exemplo, já tem um histórico de especialização há algum tempo e pode ingressar no curso com o tempo, assim como nós pretendemos abrir para as áreas biomédicas, medicina veterinária, fonoaudiologia, serviço social, entre outras. Mas precisamos fortalece-las no desenvolvimento de cursos de especialização primeiro para, posteriormente, solicitar mais vagas para a nossa Residência Multiprofissional.

Há algum diferencial na Residência Multiprofissional do INI?

Renato França: Um dos nossos diferenciais é o fato do INI ter sido indicado duas vezes pelo Ministério da Saúde para receber pacientes em isolamentos especiais, como foi o caso do ebola e atualmente para o coronavírus, se por acaso chegar ao Brasil. Isto mostra o quanto nossa equipe é qualificada e capacitada para atendimentos em emergências em saúde pública. Também somos referência em diversos estudos nos mais variados campos da Infectologia, permitindo a nossos alunos terem acesso a diferentes informações e participar ativamente das pesquisas aqui desenvolvidas. Então este estudante pode acompanhar nos ensaios clínicos o início de um estudo que pode virar, posteriormente, uma orientação para o Ministério da Saúde, ou um indicador de qualidade para atendimento a pacientes com as diferentes doenças infecto-parasitárias como HIV, zika, chikungunya, dengue, tuberculose e doenças negligenciadas como Chagas, por exemplo.

Patrícia Dias de Brito: Para nós da nutrição o desafio é sempre chamar os nutricionistas para a área das doenças infecciosas porque isto não é valorizado em nenhum momento durante a graduação. Os profissionais da área têm pouco interesse em Infectologia e o não conhecimento do que pode ser feito por esses pacientes. A procura por esta área é muito maior na Enfermagem.

Qual a expectativa para esta primeira edição?
Renato França
: Dentro da possibilidade de um cronograma muito apertado, que não dependia de nós e sim de outros atores, nós queremos receber o máximo de alunos e fazer o nosso melhor possível para começar a Residência Multiprofissional com estudantes do mais alto gabarito.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar