Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Fiocruz se prepara para nova expedição à Antártica


31/10/2022

Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias)

Compartilhar:

Alguns já são veteranos na Antártica. Há quem vá pela primeira vez. Nesta terça-feira (1º/11), o Fioantar retoma as suas expedições, levando já algumas respostas na bagagem e em busca de muitas outras. Os pesquisadores do programa da Fiocruz na Antártica se preparam há meses para a nova missão. Enquanto que seis, divididos em três grupos, embarcarão rumo à Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), os demais seguem no Brasil analisando amostras coletadas nas viagens anteriores.

Nesta terça-feira (1º/11), o Fioantar retoma as suas expedições (foto: Peter Ilicciev)

 

Luciana Trilles e Thiago Parente estão no primeiro grupo a embarcar na Operantar XLI, a operação da Marinha à Antártica, agora no dia 1º. Luciana acaba de publicar junto com outros pesquisadores na Emerging Infectious Diseases (EID journal), revista dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, o estudo Detecção Molecular de Histoplasma capsulatum na Antártica. Foi a primeira vez que o Histoplasma sp, fungo que causa a histoplasmose, foi detectado na região. “Nossa perspectiva é repetir a coleta no mesmo ponto, para ver se a presença do fungo era transitória, além de procurar outros”, conta Luciana, pesquisadora do Fioantar e do Laboratório de Micologia do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz).

Se Luciana, que fez parte do grupo que montou o Fiolab (o laboratório da Fiocruz na Estação Antártica Comandante Ferraz), embarca pela terceira vez, Thiago, por outro lado, vai pela primeira, embora já participasse do projeto. Thiago vai coletar amostras para pesquisar a microbiota - o conjunto dos micro-organismos que habitam um ecossistema - da Antártica. “O sequenciamento gera uma grande quantidade de dados, tanto de genomas individuais como de metagenômica [a identificação de uma grande quantidade de microorganismos presentes]”, observa Thiago, do Laboratório de Genômica Funcional e Bioinformática do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e pesquisador do Fioantar.

Na segunda fase partem, em 31 de dezembro, Martha Brandão e Maithê Magalhães. Elas vão até Punta Arenas, no Chile, de onde partirão de navio em 2 de janeiro. Esta é a quarta expedição de Martha, que trabalha no Laboratório de Paleoparasitologia da Escola Nacional de Saúde Pública Joaquim Venâncio (Ensp/Fiocruz), e que reforça a necessidade de manter o aspecto de vigilância no continente. “A gente não só repete os pontos de coleta como amplia essa área para monitorar como os patógenos circulam na Antártica”, explicou.

Pesquisadores do programa da Fiocruz na Antártica se preparam há meses para a nova missão (foto: Thiago Parente)

 

Em sua segunda viagem, Maithê, que também trabalha no Laboratório de Genômica Funcional e Bioinformática, já sabe um pouco mais o que enfrentar. Se no ano passado ela passou o Natal e o Reveillon na estação, dessa vez a virada de ano será no avião, a caminho do Chile. O frio já não assusta. “Não senti tanto frio quanto pensava que fosse sentir, até porque as roupas protegem bem. O que mais senti, na verdade, foi calor. Com toda aquela roupa, quando começava a subir os montes começava a suar. O cabelo ficava encharcado”, lembra.

Os dois grupos não chegam a se encontrar, já que Luciana e Thiago retornam no dia 24 de novembro. No dia 20 de janeiro de 2023 parte o terceiro grupo, formado por Maria Ogrzewalska, do Laboratório de Vírus Respiratório e Sarampo, e Adriana Marcos Vivoni, do Laboratório de Fisiologia Bacteriana, ambos do IOC/Fiocruz. Maria é autora principal do estudo Detecção de Influenza A (H11N2) em amostras fecais de pinguins-de-adélia (Pygoscelis adeliae) e de-barbicha (Pygoscelis antarcticus), Ilha dos Pinguins, Antártica, recém-publicado na revista Microbiology Spectrum, e que parte das coletas feitas em expedições passadas. Por trás dos pesquisadores que viajam está uma equipe de mais de 20 profissionais de oito laboratórios e de áreas diversas que dão apoio e trabalham sobre as amostras coletadas nas viagens.

Visite o site do Fioantar.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar