Início do conteúdo

Fiocruz lança novo curso sobre gestão de risco de emergências em saúde pública


08/10/2021

Por: Isabela Schincariol (Campus Virtual Fiocruz)

Compartilhar:


Os impactos das mudanças climáticas e ambientais na saúde das populações é uma temática que já vem sendo estudada há algumas décadas. No entanto, nos últimos anos, eventos extremos, como grandes desastres ambientais e, mais recentemente, a pandemia causada pelo novo coronavírus evidenciaram mais uma vez a premente necessidade de se estar preparado para o enfrentamento e gestão dos riscos no âmbito epidemiológico, social, na segurança e saúde do trabalhador, além da preparação e coordenação de medidas de controle e resposta. Por essa razão, o Campus Virtual Fiocruz e o Observatório Covid-19, com o apoio do programa Vigiar SUS do Ministério da Saúde, lançam o curso Gestão de risco de emergências em saúde pública no contexto da Covid-19.  A formação - online, gratuita e autoinstrucional - é composta de três módulos, divididos em uma carga horária de 70h.

O objetivo do curso é contribuir para fortalecer as capacidades de preparação e resposta e ir além, produzindo uma mudança qualitativa na forma de enfrentar as emergências em saúde pública, trazendo uma visão prospectiva, tendo como base e apoio o programa Vigiar SUS – lançado pelo Ministério da Saúde para estimular as capacidades de vigilância e respostas às emergências em saúde pública – e a participação do Observatório Covid-19 da Fiocruz, que durante toda a pandemia vem realizando análises e proposições para o enfrentamento da mesma. Ele é dirigido aos interessados na temática da gestão de risco de emergências em saúde pública para Covid-19 no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), mas é aberto a todos os  interessados.

Segundo o pesquisador da Fiocruz e coordenador acadêmico da formação, Carlos Machado de Freitas, o curso busca trazer elementos centrais sobre o tema, que são fundamentais para a compreensão das emergências em saúde pública e a importância da gestão de risco de emergências em saúde pública no contexto das mesmas.

Os módulos da formação abordam o contexto atual da crise sanitária, conceitos e a situação do Sistema Único de Saúde (SUS) nas emergências em saúde pública; a gestão de risco de modo geral, assim como o papel do SUS nas respostas às emergências em saúde pública; e ainda a preparação e resposta, a gestão do conhecimento, da informação logística em saúde pública, a comunicação de riscos, as lições aprendidas e organização do SUS de um modo geral.

Conheça a estrutura do curso Gestão de risco de emergências em saúde pública no contexto da Covid-19

Módulo 1 - Introdução

  • Aula 1 - Contexto das Emergências em Saúde Pública com foco na Covid-19
  • Aula 2 - Conceitos básicos e terminologias em Emergências em Saúde Pública
  • Aula 3 - Premissas básicas e princípios do SUS

Módulo 2 – Gestão de risco de emergências em saúde pública para Covid-19

  • Aula 1 - Introdução à Gestão de Risco em Emergências em Saúde Pública no contexto da Covid-19: tipos, características, fases, etapas e arcabouço legal - políticas e legislação
  • Aula 2 - O papel do SUS no processo gestão de emergências e o arcabouço legal
  • Aula 3 - Preparação para a resposta a emergências em saúde pública no contexto da Covid-19

Módulo 3 – Preparação e resposta às emergências em saúde pública no contexto da Covid-19

  • Aula 1 - Gestão da informação e sistemas de alerta em Emergências em Saúde Pública no contexto da Covid-19
  • Aula 2 - Gestão do conhecimento e comunicação de risco em saúde
  • Aula 3 - Logística para resposta a Emergências em Saúde Pública para Covid-19
  • Aula 4 – Lições aprendidas diante da pandemia e recomendações para o enfrentamento de situações futuras

Gestão de risco prospectiva para o enfrentamento de crises

Para Carlos Machado, que é pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz) e coordenador-geral do Observatório Covid-19, esse curso traz dois aspectos muito relevantes. O primeiro diz respeito à conexão de ações de resposta e mitigação dos efeitos às ações de prevenção, que são extremamente necessárias, assim como as ações de recuperação e de reconstrução da sociedade após essa atual crise, que é sanitária, social e econômica simultaneamente. Segundo ele, é uma perspectiva que olha não somente para o momento de instabilidade, mas especialmente visa investir na prevenção de momentos anteriores e posteriores à fase mais aguda da crise.

O aspecto seguinte, apontou Carlos, é central e fala sobre uma mudança de paradigma: “Devemos sair de uma abordagem muito reativa, na qual esperamos as emergências acontecerem para nos organizarmos e darmos as respostas necessárias. Passando à gestão de risco prospectiva, na qual o setor saúde deve ter um papel ativo junto às secretarias municipais, estaduais e no âmbito do Ministério no sentido de nos anteciparmos ao que pode acontecer de modo a adotar medidas que evitem que as consequências possam ser mais amplas no tempo, no espaço e de maiores impactos para a vida das pessoas”, defendeu ele.  

Conheça também outros cursos do Campus Virtual Fiocruz desenvolvidos no âmbito da pandemia de Covid-19

Voltar ao topoVoltar