Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

11/05/2018

Exposição "O Rio que se queria negar" chega a Nilópolis

Paineis da exposição

Fonte: COC/Fiocruz

Em Nilópolis, o público pode conhecer parte do acervo fotográfico do antropólogo Anthony Leeds cedido à Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), em 2014, por sua viúva, a cientista política Elizabeth Leeds. Com montagem do Museu da Vida, as imagens da exposição apresentam a estrutura das favelas cariocas e suas dinâmicas internas na década de 1960, período em que Leeds morou no Tuiuti e Jacarezinho.

Inaugurada no Parque Natural do Gericinó, a exposição permanece em cartaz até o dia 9 de julho, podendo ser visitada diariamente.  É promovida pela Prefeitura de Nilópolis, por intermédio das Secretarias de Turismo e de Meio Ambiente, em parceria com o Museu da Vida, departamento da COC/Fiocruz responsável pela iniciativa.

Nesse passeio pelo dia a dia das favelas cariocas, o público confere a atividade do cientista norte-americano, que registrou momentos dos moradores de comunidades removidas, como a Macedo Sobrinho, antes localizada no Humaitá, na Zona Sul do Rio. Parte dessas populações acabou transferida para os recém-construídos parques proletários, também objeto do trabalho de Leeds. As lentes do antropólogo testemunharam o cotidiano em comunidades já tradicionais na época, como a Rocinha, em São Conrado, e Providência, na Região do Centro do Rio. Nas imagens feitas pelo antropólogo, estão presentes momentos como os mutirões, o carteado entre amigos, as técnicas de construção, as biroscas (estabelecimentos comerciais locais), armarinhos e barbearias, além de espaços comunitários: campos de futebol e quadras de escolas de samba.Três mulheres e uma criança na favela
A exposição O Rio que se queria negar: as favelas do Rio de Janeiro no acervo de Anthony Leeds ganhou sua primeira montagem em 2015, no Museu da República, localizado no Catete. Teve patrocínio da Nortec Química, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e contou com a parceria da Fotosfera Rio e a Disarme Gráfico.

Sobre Nilópolis

Um dos 13 municípios da Baixada Fluminense, sendo um dos menores do Brasil – possui 19 km de extensão – Nilópolis tem apenas 9 km de perímetro urbano.

Emancipou-se de Nova Iguaçu em 1947. Atualmente, possui o melhor IDH da Baixada Fluminense, ocupando o 9º lugar entre os municípios do Rio de Janeiro, segundo dados do PNUD (Nações Unidas). De acordo com estudo da Embrapa de 2017, Nilópolis é o município de maior densidade populacional urbana no País, com mais de 16 mil habitantes por km².

Serviço

Exposição: O Rio que se queria negar: as favelas do Rio de Janeiro no acervo de Anthony Leeds
Local: Parque Natural Municipal de Gericinó
Endereço: Rua Antônio João Mendonça – em Nilópolis
Período de visitação: 9 de maio a 9 de julho de 2018
Visitação: diariamente, das 7 às 18h. Grátis.

 

Voltar ao topoVoltar