Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Estudo da Fiocruz sobre envelhecimento da pele recebe prêmio


16/09/2022

Fiocruz Paraná

Compartilhar:

Pesquisadores do Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná) utilizaram técnicas como inteligência artificial (IA) para avaliar a influência do exposoma na saúde da pele. Trata-se da combinação de fatores ambientais, comportamentais e hormonais (como a radiação UV, o tabagismo e a poluição) que, cumulativamente, podem afetar as funções biológicas da pele e acelerar o seu envelhecimento. O estudo conquistou o Vichy Exposome Grant 2022, uma das mais prestigiosas premiações de apoio a pesquisas no tema. O resultado foi divulgado, na última segunda-feira (12/9), no site oficial do concurso.

O projeto se intitula Khronos: análise da saúde da pele por espectometria de massas e da inteligência artificial e une diferentes áreas das ciências: a proteômica por espectometria de massas e a inteligência artificial. A proteômica é uma técnica que permite analisar o perfil das milhares de proteínas presentes na pele, e a inteligência artificial possibilita que computadores “aprendam” a relacionar os perfis de pele associando-os à saúde.

Conforme a equipe aponta, a proposta é estabelecer “um novo paradigma na forma de avaliar os impactos do exposoma na saúde da pele”. Como prova de conceito, uma das primeiras aplicações está no estudo do fotoenvelhecimento da pele; ou seja, como a radiação UV, provida pelo sol, impacta na saúde da pele. O mesmo sistema poderá imediatamente ser aplicado a outros estudos, como, por exemplo, compreender os efeitos causados pela poluição na pele.

“Um dos diferenciais deste projeto está na interdisciplinaridade da equipe”, destaca o coordenador do estudo, Paulo Carvalho. “Contamos com especialistas em computação, inteligência artificial, espectrometria de massas e pele; a Amanda, por exemplo, é professora de estética e cosmética, ministrando aulas na graduação relacionadas à saúde da pele”.

Além da doutoranda Amanda Caroline Camillo de Andrade, a equipe do projeto conta com o doutorando Marlon Dias Mariano dos Santos, graduado em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia pela UP; a aluna de iniciação científica Ana Beatriz Lyrio Lajas, do curso de Engenharia Biomédica da PUC-PR; e o aluno de iniciação científica Lucas Sales, estudante de Engenharia Elétrica da UFPR. Todos são membros do Laboratório de Proteômica Estrutural e Computacional da Fiocruz Paraná.

A Vichy Laboratories é uma empresa francesa que integra o grupo L’Oréal, uma das lideranças na ciência do exposoma reconhecida por estar na vanguarda da ciência aplicada à saúde e beleza da pele. Entre as iniciativas para fomentar a ciência nesta temática, destaca-se o Vichy Exposome Grant, criado em 2016, que este ano foi concedido à equipe da Fiocruz Paraná e financiará parte de suas pesquisas.

Voltar ao topoVoltar