Início do conteúdo

Curso de Boas Práticas Clínicas tem inscrições prorrogadas


14/06/2021

Por: Texto: Paula Gonçalves (INI/Fiocruz)*

Compartilhar:

O curso on-line de Boas Práticas Clínicas prorrogou as inscrições até 1º de dezembro. Organizada pela Plataforma de Pesquisa Clínica do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), em parceria com o Campus Virtual Fiocruz, a capacitação é coordenada por Jennifer Salgueiro e visa atualizar profissionais de diversas áreas e com diferentes níveis de formação que atuam em pesquisa clínica sobre as diretrizes das Boas Práticas Clínicas (BPC). Devido à elevada procura o número de vagas oferecidas foi ampliado de seis para 12 mil.

O  curso foi construído com base na versão presencial que formou dez turmas desde 2016. Segundo a coordenadora do curso, Jennifer Salgueiro, o curso teve grande aumento na procura devido ao crescimento da Pesquisa Clínica no período da pandemia: “O portfólio da Conep mostra 783 Protocolos Originais (PO) de pesquisas científicas aprovados entre 17/02 e 05/12/2020 relacionados à Covid-19. Com isto, os centros tiveram que contratar mais profissionais qualificados para atender a essa demanda. Além disso, o curso é o primeiro na língua portuguesa nessa modalidade, com excelência de conteúdo, gratuito, e que gera um certificado”, explicou.

Com uma carga horária total de 40 horas, o curso é destinado a profissionais com nível superior ou médio, de qualquer área, que estejam envolvidos em pesquisa clínica. A formação em Boas Práticas Clínicas ocorre de forma totalmente gratuita através da plataforma do Campus Virtual Fiocruz. A coordenação do curso espera contribuir para uma pesquisa clínica qualificada, gerando impactos que atendam aos pilares de segurança e bem-estar dos participantes da pesquisa e confiabilidade dos dados gerados a partir da formação de 12 mil novos capacitados na área. “Que tenhamos um crescimento na área e que mais que um treinamento, tenhamos uma educação em Boas Práticas Clínicas, que vá além do cumprir as normativas, mas que seja fruto de uma reflexão ética”, pontuou a coordenadora.

Faça sua inscrição e confira mais informações.

* Edição: Juana Portugal

Voltar ao topoVoltar