Início do conteúdo

Covid-19: Lacen de Rondônia recebe reforço da Fiocruz


15/01/2021

Por José Gadelha (Fiocruz Rondônia)

Compartilhar:

Com aumento no número de amostras recebidas para diagnóstico de Covid-19, o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) recebe reforço da Fiocruz Rondônia para a realização dos exames. No último fim de semana (9 e 10/1), o Laboratório de Virologia Molecular recebeu uma quantidade de 470 amostras para extração de material genético e diagnóstico, por meio da técnica de RT-qPCR (exame que identifica a presença do vírus, confirmando ou não a Covid-19 na amostra analisada). De acordo com a direção do Lacen, estão sendo recebidas de 2.500 a 3.000 amostras por dia, o que vem impactando na sua capacidade para a realização dos exames. “Por meio dessa parceria com a Fiocruz, nós poderemos dar mais agilidade ao processamento das amostras, e, consequentemente, ampliaremos o nosso número de testagens diárias”, informou Cicileia Correia da Silva, diretora do Lacen. 

Com aumento no número de amostras recebidas para diagnóstico de Covid-19, o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) recebe reforço da Fiocruz Rondônia para a realização dos exames (foto: Fiocruz Rondônia)

Segundo Cicileia, esse aumento considerável no envio de amostras, pelos municípios, começou a ser observado ainda na primeira quinzena de dezembro de 2020, “anteriormente, nós estávamos recebendo uma média de 800 a 1.000 amostras, diariamente, mas chegamos a receber cerca de 400 amostras” destacou. Para a pesquisadora em Saúde Pública e chefe do Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz Rondônia, Deusilene Vieira, o cenário mostra-se cada vez mais preocupante e exige a conscientização e o envolvimento de toda a população para que os números da Covid-19 voltem a patamares de redução e estabilização. Atuando com estudos voltados à detecção, identificação e caracterização molecular das hepatites virais, arboviroses e vírus respiratórios na Amazônia, há mais de vinte anos, a virologista reforça que sem imunização para toda a população é extremamente arriscado flexibilizar as medidas restritivas e de prevenção ao novo coronavírus.

Na edição da última terça-feira (12/1), o boletim diário divulgado pelo Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), informa que o estado já acumula 103.798 casos confirmados de Covid-19, com 1.951 mortes registradas, desde o começo da pandemia. A capital Porto Velho concentra o maior número de casos confirmados, 45.125, e 989 óbitos. Para conter o avanço dos números, o Governo do Estado publicou a Portaria n.º 28 (08 de janeiro de 2021), estabelecendo novo enquadramento dos municípios de acordo com o Decreto n.º 25.470, de 21 de outubro de 2020, que institui o Sistema de Distanciamento Social Controlado. Conforme a nova portaria, Porto Velho e mais cinco municípios retornam para a Fase 2, que prevê o Plano de Distanciamento Seletivo. A Portaria n.º 28 entrou em vigor nesta segunda (11/1) e estabelece o cronograma de publicação da próxima classificação para 24/1.

O médico infectologista do Centro de Pesquisa em Medicina Tropical (Cepem/Sesau), Juan Miguel Villalobos-Salcedo, esclarece que as medidas de restrição são necessárias para um controle mais eficaz da transmissão do vírus Sars-CoV-2. O especialista avalia  que o aumento no número de casos de Covid-19 pode estar relacionado ainda às datas comemorativas de dezembro de 2020, e pontuou que em relação ao isolamento social, os resultados não são imediatos como todos esperam, “sendo necessário um período de duas ou três semanas para que a redução nas taxas de transmissão do vírus seja verificada”.

Voltar ao topoVoltar