Início do conteúdo

Triagem neonatal permite detectar doenças raras antes que se manifestem

Médica atendendo gestante

26/07/2017

Por: Juliana Xavier (IFF/Fiocruz)

Compartilhar:

O Ministério da Saúde considera doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos ou 1,3 para cada duas mil pessoas, sendo 80% delas de origem genética. Somente no Brasil, o número de portadores ultrapassa a marca de 13 milhões. Muitas dessas doenças têm um caráter progressivo e degenerativo, promovendo danos cumulativos, ou seja, diagnosticá-las e iniciar o tratamento antes do aparecimento dos sintomas é o ideal para diminuir a progressão e preservar a qualidade de vida do paciente.

“O primeiro passo para detectar doenças metabólicas, genéticas ou endócrinas, frequentemente capazes de comprometer o desenvolvimento neuropsicomotor da criança, é o Teste do Pezinho, também chamado de triagem neonatal. Realizado na própria maternidade, no posto de saúde ou em laboratório, a partir de 48 horas após o nascimento (e sem ultrapassar o quinto dia de vida), consiste na retirada de uma gota de sangue da região do calcanhar, rica em vasos sanguíneos, por meio de uma picada praticamente indolor”, explicou Dafne Horovitz, coordenadora clínica do Centro de Genética Médica do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz).

Atualmente, a versão básica do teste, oferecida na rede pública de saúde de todo o país, detecta seis doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, anemia falciforme, hiperplasia adrenal congênita e a deficiência de biotinidase. As duas últimas da lista foram incorporadas ao teste em novembro de 2013. Na rede privada, a maioria das maternidades oferece o teste ampliado, que diagnostica mais quatro doenças, além das mencionadas na versão básica: deficiência de G-6-PD, galactosemia, leucinose e toxoplasmose congênita. Há ainda testes ampliados, capaz de detectar cerca de 50 patologias.

Sinais de alerta para erros metabólicos no bebê
Segundo as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, alguns sintomas no período neonatal podem estar relacionados a doenças raras e merecem investigação, tais como: hipoglicemia sem justificativa, alcalose respiratória (alteração relativa à descompensação na respiração), odores incomuns, problemas neurológicos, sem que estejam relacionados a intercorrências durante o parto, instabilidade na temperatura corporal, dificuldades alimentares, catarata (opacidade do cristalino) congênita, aumento anormal do coração, alterações em exames laboratoriais, como cetonúria (presença de corpos cetônicos na urina), síndrome séptica (infecção generalizada) sem fator de risco e alterações sanguíneas inexplicadas. “Problemas na gravidez, como a síndrome de HELLP, e histórico familiar de abortos espontâneos, mortalidade precoce e doenças não esclarecidas também são motivos de uma avaliação mais criteriosa. Vale ressaltar que, mesmo se o teste do pezinho apontar um resultado normal, esses sinais de alerta justificam uma investigação mais direcionada e ampliada”, explicou Dafne Horovitz.

No consultório
Estudos têm demonstrado que o acompanhamento no período perinatal consegue reduzir a mortalidade materno-infantil, portanto, o primeiro compromisso ao deixar a maternidade é procurar um pediatra. A partir da primeira consulta, ele passa a conhecer todo o histórico familiar do bebê. Durante o exame físico, verifica-se o tamanho da cabeça, dimensões corporais e o desenvolvimento psicomotor da criança, entre outros aspectos, para identificar quaisquer anormalidades.

“De acordo com as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, alguns sinais específicos levantam suspeita para doenças raras ao longo da infância e requerem uma avaliação minuciosa, são eles: distúrbios metabólicos sem uma origem definida, quadros recorrentes de vômitos ou desidratação, deficiência intelectual injustificada, perda da fala e/ou marcha e/ou compreensão, anormalidades oculares, como retinose pigmentar ou cegueira familiar , quadro semelhante a acidente vascular encefálico (AVC) em qualquer idade e epilepsia sem explicação, entre outros sintomas neurológicos”, esclareceu a especialista.
Caso uma doença rara seja diagnosticada, será necessário recorrer a uma equipe multidisciplinar, que inclua um médico geneticista e profissionais especializados nas complicações inerentes à doença, como cardiologista, nefrologista, neurologista e/ou fonoaudiólogo, dentre outros. Mas o ponto de partida para a avaliação e o encaminhamento devem partir do pediatra.

No site da Sociedade Brasileira de Genética Médica (SBGM), é possível encontrar a relação das instituições que realizam aconselhamento genético, uma lista de médicos geneticistas por estado, e de laboratórios especializados em exames de genética.

Principais doenças que o Teste do Pezinho acusa
Fenilcetonúria: primeira doença a ser detectada por meio do teste do pezinho, é desencadeada por uma falha na produção da enzima fenilalanina hidroxilase (PAH). Apesar de não existir cura, o diagnóstico precoce dessa doença é fundamental para possibilitar o início precoce do tratamento, baseado na restrição de certos alimentos, prevenindo o déficit intelectual que caracteriza os quadros descontrolados. Indivíduos que tiveram um filho com a disfunção apresentam um risco de 25% de gerar um novo descendente em cada gestação.

Hipotireoidismo congênito: ocorre quando a tireoide do bebê não fabrica os hormônios tireoidianos de forma satisfatória, o que compromete o desenvolvimento, com risco de provocar danos neurológicos permanentes se não houver tratamento adequado.

Fibrose cística: também conhecida como Doença do Beijo Salgado, é uma enfermidade genética, crônica, que afeta principalmente os pulmões, o pâncreas e o sistema digestivo, favorecendo a ocorrência de infecções respiratórias e gastrintestinais. A fibrose cística afeta cerca de 70 mil pessoas em todo mundo, configurando a patologia genética grave mais comum da infância, segundo a Associação Brasileira de Assistência à Mucoviscidose.

Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias: alteração da hemoglobina que dificulta a circulação e oxigenação das células, podendo afetar quase todos os órgãos e tecidos do organismo, favorecendo, inclusive, a ocorrência de atraso no crescimento e infecções generalizadas.

Hiperplasia adrenal congênita (HAC): é caracterizada por uma alteração genética na glândula adrenal, responsável por fabricar os hormônios cortisol e aldosterona que, por sua vez, regulam uma série de funções no organismo, como a pressão arterial e a retenção de líquidos no organismo. Nos casos mais graves, pode provocar problemas cognitivos, insuficiência renal e até a morte. Daí a importância de corrigir a disfunção o quanto antes.

Deficiência de biotinidase: é uma doença metabólica em que há falha no aproveitamento da vitamina biotina, presente em alimentos como as carnes. A carência pode ocasionar, entre outros problemas, atraso no desenvolvimento, convulsões, erupções na pele, perda da audição e problemas de fala. As manifestações variam entre discretas ou evidentes, o que pode impactar na dificuldade de diagnóstico.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar