Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Telessaúde: internet a favor da troca de experiências no SUS


11/04/2014

Por Clarisse Castro/ Portal Fiocruz

Compartilhar:

As webpalestras que acontecem semanalmente em Fortaleza, no Ceará, são um exemplo do uso da internet a favor do SUS. Elas fazem parte do desenvolvimento do Telessaúde, um programa que foi criado com a finalidade de melhorar a qualidade do atendimento e da atenção básica no Sistema Único da Saúde (SUS), integrando ensino e serviço através do uso de ferramentas de tecnologias da informação. Tanto para divulgar a realização dos encontros virtuais, quanto para promover os mesmos, há dependência de acesso à internet.

LEIA MAIS:

Marco Civil: o que a saúde tem a ver com isso?
Iniciativa em favor da democracia, regulamentação da internet é discutida desde 2006
Setores da saúde e educação defendem a igualdade no acesso à internet
Marco Civil da Internet fortalece o debate público e, por isso, a saúde

“As webpalestras são realizadas uma vez por semana, com temas diversos dentro do universo da Atenção Primária, como: tuberculose, vacinas, hanseníase. Para estes encontros, são convidados especialistas na área, que respondem às dúvidas dos participantes. A média de participação é de 15 a 20 municípios, que reúnem geralmente entre 4 e 5 pessoas, e este número está crescendo”, avalia Marilza Lima, coordenadora do Núcleo de Telessaúde do Ceará, um dos 11 já implantados no Brasil.

O próximo passo é consolidar o sistema de teleconsultoria, onde o profissional de atenção básica será apoiado sempre que tiver uma dúvida sobre qualquer procedimento na área. O método é simples: o profissional da equipe de Saúde da Família cadastrada, ao acessar a plataforma digital do Programa, encaminha sua dúvida, e o Núcleo de Telessaúde tem 48 horas para mobilizar um profissional com competência na área e responder a questão. Na plataforma existe, inclusive, a possibilidade de anexar imagens de exames diagnósticos, por exemplo.

A coordenadora reconhece que a maior dificuldade de desenvolvimento do Telessaúde hoje é justamente o acesso universal à internet. “Das 1086 equipes de Saúde da Família já cadastradas no Ceará, apenas 200 já têm acesso à rede. Estamos instalando os pontos de acesso nas secretarias municipais de saúde, mas isso ainda é um limite. O melhor seria que o profissional pudesse acessar da unidade de saúde ou se qualquer lugar onde estivesse”.

 

Voltar ao topoVoltar