Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Projeto da Fiocruz Ceará é selecionado para a segunda rodada do Inova Labs


13/02/2020

Compartilhar:

A Fiocruz Ceará foi uma das 21 selecionadas para a segunda rodada do edital Inova Labs Fiocruz. A iniciativa desenvolvida pelo pesquisador João Hermínio Martins da Silva, pelo Pós Doutorando Geraldo Sartori e pela doutoranda Beatriz Chaves, ambos da área de biotecnologia da Fiocruz Ceará, propõe o desenvolvimento de um imunobiológico que visa reduzir, evitar ou solucionar os processos de metástase, angiogênese e resistência à quimioterapia, através do bloqueio específico-seletivo das interações moleculares.

O produto consiste em uma opção de terapia única ou complementar para diversos cânceres, atuando de forma mais segura e versátil. Além disso, o imunobiológico é voltado para um alvo pouco explorado, cujo bloqueio pode reduzir o surgimento de efeitos colaterais quando comparado aos imunobiológicos existentes no mercado.

 A equipe utiliza metodologias computacionais para o desenvolvimento de seu produto, o que reduz os custos de concepção do fármaco em relação às metodologias convencionais e reduz a utilização de animais nas etapas de pré-desenvolvimento. Além disso, o produto pode ser produzido em plataformas biotecnológicas nacionais de menor custo e alto rendimento.

“Nosso projeto tem como ideal a produção de uma molécula mais barata, produzida internamente, que vai atender a uma demanda cada vez maior, tendo ainda como vantagem a potencial redução redução dos efeitos colaterais de medicamentos que já estão no mercado. Em resumo, é uma molécula para ser licenciada para a indústria farmacêutica com a finalidade de ser comercializada para o Sistema Único de Saúde, hospitais privados e planos de saúde”, explica o pesquisador João Hermínio.

Sobre o Inova Labs

 O Inova Labs é  iniciativa das vice-presidências de Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB) e de Produção e Inovação em Saúde (VPPIS) da Fiocruz, em parceria com o Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (DECIT/ SCTIE/ MS) e da Biominas Brasil, que proporciona capacitação para pesquisadores desenvolverem ideias que possam ser implementadas no Sistema Único de Saúde (SUS), atendendo necessidades da população brasileira nas áreas de oncologia, emergências sanitárias e doenças degenerativas.

 O programa está estruturado em quatro pilares: (1) Inspiração – que consiste na veiculação interna de oportunidades e conteúdo sobre empreendedorismo; (2) Engajamento – com a realização de eventos e iniciativas para difundir atitudes empreendedoras; (3) Pré-aceleração – que é o programa de imersão de curta duração; e (4) Impacto – que são os resultados do programa, tais como a criação de novas empresas, startups, spinoffs, novas parcerias para a transferência tecnológica, para o co-desenvolvimento, o corporate venture e a inovação aberta.

Ao todo serão quatro rodadas e 84 equipes selecionadas. Os participantes do programa terão oportunidade de interação com as áreas técnicas do Ministério da Saúde, visando a aplicação de suas tecnologias no SUS. . As atividades estão previstas para recomeçar em 03 de fevereiro de 2020.

 

Primeira rodada

Na primeira rodada do edital, a Fiocruz Ceará também foi selecionada com o projeto OptimumFab. Um biofármaco de nova geração, produzido utilizando modernos processos biotecnológicos, visando o tratamento do melanoma por meio de imunoterapia. O produto reduz o tempo de internação necessário durante o tratamento, reduzindo consequentemente os custos para os sistemas de saúde.

Pacientes com melanoma submetidos à imunoterapia podem apresentar efeitos adversos ao tratamento, muitas vezes resultantes das reações imunológicas do próprio indivíduo. O OptimumFab reduz os efeitos deletérios associados à quimio e radioterapia, além de ser mais barato e rápido para ser produzido.

 A pesquisa, também de autoria do pesquisador João Hermínio Martins da Silva, está em fase de captação de recursos para investimentos em testes pré-clínicos e clínicos ou parcerias com as unidades produtivas do governo ou empresas privadas, visando a produção de lotes piloto e escalonamento.

Voltar ao topoVoltar