Início do conteúdo

16/05/2018

Pesquisadora da Fiocruz participa de Dicionário da Escravidão e Liberdade

Capa do dicionário

Por: César Guerra Chevrand (COC/Fiocruz)

A pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) Tânia Salgado Pimenta é uma das colaboradoras do Dicionário da Escravidão e Liberdade, que está sendo lançado neste mês de maio, em torno dos debates sobre os 130 anos da abolição da escravidão no Brasil. No livro organizado pela antropóloga Lilia Schwarcz, da Universidade de São Paulo (USP), e pelo historiador Flávio Gomes, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Tânia é responsável pela descrição do verbete Doenças.

“No verbete eu abordo as doenças que atingiam mais escravizados e libertos e o pensamento médico sobre as doenças relacionadas a escravos. Também trato das atividades de cura exercidas por esses indivíduos e da assistência à saúde a que tinham acesso em diversos contextos e dos usos que faziam dessa assistência”, explica Tânia.

 A pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz Tânia Salgado Pimenta é autora do verbete Doenças. Foto: Jeferson Mendonça

A historiadora recebeu o convite a partir da produção científica que vem desenvolvendo na Fundação. “Desde 2009 temos o grupo de pesquisa do CNPq Escravidão, Raça e Saúde, chancelado pela Fiocruz, no âmbito do qual incentivamos pesquisas e proporcionamos diálogos acadêmicos sobre o tema”. Além disso, com o apoio da Fiocruz, Tânia também coordena o projeto intitulado Etnicidade, africanos e doenças no atlântico: padrões sócio-demográficos e assistência no Rio de Janeiro (1810-1888).

Desafiada a escrever um verbete para leitores não especializados, além de especialistas e do público acadêmico, e a participar de um livro sobre escravidão organizado por Lilia Schwarcz e Flávio Gomes, a professora da Casa de Oswaldo Cruz destacou a importância da iniciativa.

“Em primeiro lugar, considero importante contribuir para toda e qualquer produção que propicie debate sobre a escravidão brasileira que embasa desigualdades absurdas e atuais em nossa sociedade. Em segundo, aponto a inclusão do verbete doenças como um reconhecimento da contribuição das pesquisas sobre ‘escravidão e saúde’ para a historiografia e para uma melhor compreensão sobre as condições de vida, as relações sociais construídas e a agência dos indivíduos escravizados e libertos”, afirma.

O Dicionário

A obra lançada pela Companhia das Letras reúne cinquenta textos dos maiores especialistas no tema, oferecendo um panorama abrangente de como a escravidão se enraizou na sociedade brasileira. No prefácio, o historiador Alberto da Costa e Silva afirma: “A meia centena de ensaios concisos que Lilia Moritz Schwarcz e Flávio dos Santos Gomes reuniram neste volume, com título e intenção de ser um dicionário temático, mostra a grande quantidade de faces que compõem o que é um poliedro em movimento. Cada um desses textos convida a novos textos, a novas pesquisas, a aprofundamentos, a novas comparações e a contestações.”

 

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar