Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Nova alternativa para diagnóstico de malária começará a ser testada em maio


24/04/2014

Por Daniela Savaget/ Agência Fiocruz de Notícias

Compartilhar:

Uma nova alternativa para o diagnóstico da malária no Brasil e em países africanos, desenvolvida em parceria pelo Instituto Carlos Chagas (ICC/Fiocruz Paraná) e pelo Centers for Disease Control and Prevention (Centro de Controle e Prevenção de Doenças - CDC, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, tem previsão para ser testada já em maio deste ano em Moçambique. O anúncio foi feito durante visita realizada pelo presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, ao CDC, nos dias 14 e 15 deste mês. O teste molecular confirmatório da doença tem fácil execução e capacidade de identificar as quatro espécies do parasita causador da enfermidade.

Além do kit diagnóstico para malária, a visita ao CDC contou com discussões referentes a outras ações de cooperação entre a Fundação e o CDC. Também estiveram presentes no encontro, o vice-presidente de Pesquisa e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rodrigo Stabeli, o diretor do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), Mário Moreira, o vice-diretor de pesquisa do ICC, Marco Krieger e o secretário-executivo da UnA-SUS, Francisco Campos.

“A Fiocruz trabalha em muitas das linhas nas quais o CDC também trabalha: desde o monitoramento e vigilância de doenças e meio ambiente, até o desenvolvimento de tecnologias para confecção de kits diagnósticos e outros biorreativos importantes para a saúde pública”, afirma o vice-presidente, Rodrigo Stabeli.

Durante o encontro, o diretor-geral do CDC, Tom Frieden reforçou a importância de que ambas as instituições trabalhem numa cooperação mais fechada, que vai desde cursos comuns, à distância, até treinamentos de boas práticas e a própria reestruturação dos laboratórios de segurança nível três. O CDC se colocou à disposição, ainda, para ajudar na disponibilização de infraestrutura e recursos humanos para que a Fiocruz se torne o Centro Colaborador em Influenza pela World Health Organization (WHO) na América do Sul.

 

 

Voltar ao topoVoltar