Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

José Lins do Rego é tema do Ciência e Letras (30/6)


29/06/2020

Fonte: Canal Saúde

Compartilhar:

O romancista e jornalista, José Lins do Rego (1901-1957), iniciou sua carreira em 1922 como colunista do Jornal do Recife, onde criou o semanário Dom Casmurro. Dez anos depois, escreveu seu primeiro livro, o premiado Menino do Engenho.

Suas obras reproduzem as próprias raízes nordestinas, de menino nascido e criado nos engenhos de sua família, descrevendo um período socioeconômico marcado pelo declínio dos senhores de engenho.

José Lins do Rego atuou, ainda, como promotor em Munhuaçu (MG) e fiscal de consumo em Maceió (AL) até se mudar para o Rio de Janeiro (RJ), onde seguiu com a atividade de jornalista, contribuindo em vários periódicos, e ampliou seu domínio literário.

E para conhecer um pouco mais sobre a vida e a obra deste escritor, considerado um dos maiores romancistas regionalistas da literatura nacional, o apresentador Renato Farias conversa com o pesquisador em Literatura Brasileira pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Victor Hugo Adler Pereira. O programa vai ao ar na próxima terça-feira (30), às 10h, no Canal Saúde. 

Sobre o Ciência e Letras

O programa, fruto de uma parceria entre o Canal Saúde e a Editora Fiocruz, é para os amantes de livros em geral e promove o encontro entre a escrita da academia e os temas de outros saberes. Inédito às terças-feiras, às 10h, para todos os públicos.

Como assistir 

Televisão: canal 2.4, no Rio de Janeiro e em Brasília e 1.4, em São Paulo, na multiprogramação da TV Brasil, no Sistema Brasileiro de TV Digital (também é acessível para celulares com TV); em todo o Brasil por antena parabólica digital (frequência 4085). Internet: acesse o site do Canal Saúde e clique em 'Assista Agora' na página principal (acessível por computadores e dispositivos móveis). Aplicativo: baixe o app do Canal Saúde em um dispositivo móvel e assista aos programas em tempo real.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar