Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

Início do conteúdo

Fiocruz debate crise ambiental no Abrascão 2022


25/11/2022

Suzane Durães (VPAAPS/Fiocruz)

Compartilhar:

Para debater o tema A tripla expressão da crise ambiental: mudança climática, ruptura da biodiversidade e poluição, estiveram reunidos, no segundo dia (22/11) do 13º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão 2022), a jornalista e escritora Eliane Brum; o médico sanitarista e fundador do Projeto Saúde e Alegria, Eugênio Scannavino; e o coordenador do Programa de Saúde, Ambiente e Sustentabilidade da Fiocruz, Guilherme Franco Netto. A mesa foi coordenada pela pesquisadora aposentada da Fiocruz e membro do Grupo de Trabalho Saúde e Ambiente da Abrasco, Lia Giraldo.

Pesquisadores debateram 'A tripla expressão da crise ambiental: mudança climática, ruptura da biodiversidade e poluição' (foto: Divulgação)

 

Eliane Brum chamou atenção para o negacionismo em relação às mudanças climáticas. “Em todos os setores, mesmo entre os cientistas e jornalistas, estamos vivendo como se não estivéssemos numa emergência climática, como se não estivéssemos testemunhando a extinção em massa de espécies”, afirmou. A jornalista também aponta a importância da Amazônia para o mundo. “Se acabar com a Amazônia, o interesse pelo Brasil desaparecerá. Como dizem os movimentos sociais da floresta, precisamos agora de envolvimento e não des-envolvimento. Lutar pela floresta é se envolver com a vida”.

Na avaliação de Eliane, as soluções não virão do pensamento de matriz ocidental, branco, patriarcal, masculino binário que “está levando a catástrofe”. Para ela, é preciso colocar no centro do pensamento os povos da natureza.

O criador do Projeto Saúde e Alegria (PSA), Eugenio Scannavino, reforçou a fundamental importância dos povos da floresta para a preservação da Amazônia que participou da mesa. O sanitarista disse que em volta das unidades de conservação há muito desmatamento, mad onde vivem as comunidades está preservado. De acordo com Eugênio, essas comunidades enfrentam situação extrema com a insuficiência de políticas públicas. “Como enfrentar um madeireiro com dor de dente ou diarreia? Devido à poluição das águas e a falta de saneamento, há pessoas morrendo por diarreia. Para lutar pela preservação ambiental é necessário boa saúde”.

Eugênio ainda destacou as ações do PSA, iniciativa civil sem fins lucrativos localizada em Santarém, no Pará, que oferece ações de atendimento à saúde para as comunidades tradicionais e apoio e promoção de processos participativos de desenvolvimento comunitário integrado e sustentável que contribuem no aprimoramento das políticas públicas, na qualidade de vida e no exercício da cidadania. Entre as ações está a implantação de barcos-hospitais, que levam saúde às populações ribeirinhas de áreas remotas da Amazônia.
 
Guilherme Franco Netto ressaltou a importância de biodiversidade no contexto da saúde coletiva. “Não tem como construir um projeto de saúde para o país sem incluir a biodiversidade”, afirmou. Ele apontou ainda que a pandemia da Covid-19 trouxe lições importantes sobre como tratamos a biodiversidade. “A pandemia tem como origem central a destruição dos ecossistemas. A ganância do sistema alimentar global faz com que tenhamos uma transformação entre os microrganismos e os seres humanos. Com isso, gerou um vírus extremamente inteligente, que consegue se transformar para dar sequência ao seu processo de existência”.

Os efeitos da poluição e as mudanças climáticas no planeta também foram abordados por Guilherme. “Eu diria que a mudança climática chegou num estado de permanência e sem nenhuma previsão de alteração para 2100”.

Voltar ao topoVoltar