Início do conteúdo

Estudo sobre tratamento contra zika recebe Prêmio Oswaldo Cruz

Nísia Trindade, Noemi Rovaris e Maurício Zuma

17/05/2018

Por: Maíra Menezes (IOC/Fiocruz)*

Compartilhar:

Analisar a ação do antiviral sofosbuvir na infecção pelo vírus zika em um modelo experimental é o objetivo do estudo desenvolvido pela veterinária Noemi Rovaris Gardinali, pós-doutoranda do Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em Virologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Apresentado na sessão de pôsteres do 6º Seminário Anual Científico e Tecnológico de Bio-Manguinhos, o trabalho conquistou o primeiro lugar e recebeu a grande honraria do evento: o Prêmio Oswaldo Cruz. A entrega da premiação foi realizada pela presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, e pelo diretor do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), Maurício Zuma, no encerramento do Seminário (10/5).

A pesquisa premiada avalia a ação do sofosbuvir em primatas não humanos da espécie Macaca mullata, popularmente conhecida como macaco rhesus. Tendo em vista o potencial de aplicação do tratamento em gestantes, são investigados os efeitos da administração do fármaco antes e após a infecção pelo vírus zika em macacas grávidas. Por meio de análises clínicas, laboratoriais e de ultra-som, o estudo – que ainda está em andamento – deve esclarecer se o sofosbuvir é capaz de reduzir as taxas de viremia nos animais, assim como prevenir a microcefalia e outros danos neurológicos aos fetos. Com colaboração de pesquisadores do IOC e de Bio-Manguinhos, o estudo é orientado pelo vice-diretor de Ensino, Informação e Comunicação e pesquisador do Laboratório de Desenvolvimento Tecnológico em Virologia do IOC, Marcelo Alves Pinto.

O 6º Seminário Anual Científico e Tecnológico de Bio-Manguinhos ocorreu de 8 a 10 de maio, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), no Centro do Rio. Ao todo, 78 resumos foram aprovados para apresentação. A seleção dos melhores trabalhos foi realizada pela Comissão Independente de Avaliação, composta por pesquisadores de reconhecida excelência, não vinculados à Fiocruz. Entre os critérios para a escolha dos vencedores estiveram: a qualidade do resumo e do pôster apresentados; a importância do trabalho para o desenvolvimento científico, tecnológico, produção, garantia da qualidade, gestão e regulação na área de imunobiológicos; e a relevância do estudo para a saúde pública brasileira.

* Edição: Vinícius Ferreira

Voltar ao topoVoltar