Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Estudante lança livro sobre clonagem


01/06/2005

Compartilhar:

Estudante lança livro sobre clonagem

Aos 17 anos, Danielle Cabral Bonfim escreveu a monografia Clonagem para fins terapêuticos: benefícios e riscos. O trabalho, além de ser uma exigência para a conclusão do curso técnico em histologia da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV) da Fiocruz, foi uma experiência que confirmou o talento da estudante para a pesquisa científica. Hoje, aos 20 anos, Danielle não só continua interessada no tema como terá o seu trabalho publicado pela Editora Interciência, com o título Clonagem - benefícios e riscos. O principal objetivo do livro é informar a sociedade sobre as complexas discussões sobre os caminhos que as novas biotecnologias estão tomando.

Com uma linguagem simples, a publicação pretende atingir também ao público não-especializado. "A monografia tinha muitos conceitos biológico e um vocabulário técnico. Para editar o livro, mudei para uma linguagem mais acessível e incluí os avanços mais recentes", diz a autora.

A nova Lei de Biossegurança, sancionada em março de 2005, foi incluída no livro. Segundo o professor e pesquisador Silvio Valle, que orientou Danielle em sua monografia, a inclusão de questões envolvendo as células-tronco e a clonagem humana nesta lei geraram o ápice da polêmica existente sobre o tema. "Este livro é uma obra original, sendo indispensável a todos os interessados no processo sustentável e ético das ciências da vida", garante o pesquisador.

Danielle Cabral Bonfim ingressou em 1999 na EPSJV, onde cursou o Ensino Médio concomitante ao curso técnico em histologia. Foi estagiária no Laboratório de Hanseníase do Departamento de Medicina Tropical do Instituto Oswaldo Cruz. Em 2002, desenvolveu, como requisito básico para a conclusão do curso, a monografia sobre clonagem. Atualmente faz curso de ciências biológicas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estágio no Laboratório de Cardiologia Celular e Molecular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias.

Voltar ao topoVoltar