Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

18/09/2018

Castelo da Fiocruz será iluminado contra arboviroses


Por: Daniela Rangel (Agência Fiocruz de Notícias)

As ações do World Mosquito Program (WMP) avançam no Rio de Janeiro e a liberação de Aedes aegypti com Wolbachia chega a oito novos bairros, atingindo 408 mil habitantes. As áreas são: Bonsucesso, Brás de Pina, Complexo do Alemão, Manguinhos, Olaria, Penha, Penha Circular e Ramos. Para marcar a chegada dos mosquitos aliados no combate à dengue, zika e chikungunya no território, que inclui o campus de Manguinhos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Castelo Mourisco será iluminado de azul nas próximas terça (18) e quarta-feira (19). 

A liberação de Aedes aegypti com Wolbachia no campus Manguinhos será realizada durante 16 semanas, por técnicos da Fiocruz, em pontos pré-determinados. O objetivo é que esses mosquitos - que têm a capacidade reduzida de transmitir dengue, zika e chikungunya - uma vez soltos na natureza se reproduzam com os mosquitos de campo e gerem Aedes aegypti com as mesmas características, de forma a proteger o local das arboviroses.

A Wolbachia é um microrganismo presente em cerca de 60% dos insetos na natureza. Ela foi inserida em ovos de Aedes aegypti na Universidade de Monash, na Austrália, onde se identificou que, uma vez presente nestes mosquitos, a capacidade de transmissão das doenças fica reduzida. De acordo com o líder do WMP no Brasil,  Luciano Moreira, o método utilizado é seguro para as pessoas e para o ambiente. “Nosso objetivo é proteger a população destes bairros das doenças, não há risco de interferência em outras pesquisas que também tenham criação de mosquitos ou outros insetos”, afirma.

Resultados parciais no Rio de Janeiro

Com as novas áreas, já são 25 bairros cariocas atendidos pelo WMP: Tubiacanga, Bancários, Cacuia, Cocotá, Freguesia (Ilha do Governador), Moneró, Pitangueiras, Praia da Bandeira, Ribeira, Tauá, Zumbi, Galeão, Jardim Carioca, Jardim Guanabara, Portuguesa, Cidade Universitária, Cordovil, Bonsucesso, Brás de Pina, Complexo do Alemão, Manguinhos, Olaria, Penha, Penha Circular e Ramos.

Em Tubiacanga, área piloto do WMP no Brasil, o índice de Aedes aegypti com Wolbachia permanece acima de 90%, dois anos após o término das liberações. O monitoramento é feito semanalmente. Nos dez primeiros bairros da Ilha do Governador, onde foi iniciada a fase de expansão do projeto, em agosto de 2017, o índice de Aedes aegypti com Wolbachia é alto, acima de 60%. Nos demais bairros, o estabelecimento está em curso e os índices estão dentro das médias esperadas. 

A população dos Aedes aegypti com Wolbachia é verificada a partir de mosquitos capturados em armadilhas instaladas nas residências e estabelecimentos comerciais de voluntários. Ao todo, há cerca de 600 equipamentos espalhados pelos bairros abrangidos pelo trabalho. No site do WMP é possível acompanhar o andamento do projeto.

Relacionamento com a comunidade 

Desde abril de 2017, mais de 140 escolas foram visitadas pela equipe de engajamento do WMP e todas as escolas públicas municipais do Rio receberam materiais sobre o projeto para desenvolver atividades com os estudantes. Além disso, equipes de 47 unidades de saúde do território abrangido pela pesquisa receberam capacitação sobre o assunto e se tornaram parceiros na divulgação de informações e liberação de mosquitos. 

Também foi criado um Grupo Comunitário de Referência que regularmente acompanha os avanços do WMP na cidade. Participam deste grupo representantes da 11ª e da 4ª Coordenadoria Regional de Ensino (órgão ligado à Secretaria Municipal de Educação), da Coordenadoria de Atenção Primária da AP 3.1 (ligada à Secretaria Municipal de Saúde), da Superintendência da Ilha do Governador, da Guarda Municipal, da Associação de Moradores da Praia da Rosa e da Associação de Moradores de Tubiacanga.

Para participar das atividades do WMP basta escrever para brasil@worldmosquito.org ou mandar uma mensagem via WhatsApp para (21) 99643-4805.

Mais em outros sítios da Fiocruz

Voltar ao topoVoltar