Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Autoridades visitam projeto de restauração da primeira biblioteca de medicina do Brasil


21/09/2005

Compartilhar:

Autoridades visitam projeto de restauração da primeira biblioteca de medicina do Brasil

Autoridades participantes do 9o Congresso Mundial de Informação em Saúde e Bibliotecas (ICML 9) visitaram, no dia 20 de setembro, as obras de restauração da biblioteca da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), no Terreiro de Jesus, em Salvador. Resultado de uma parceria entre os ministérios da Saúde e da Cultura o projeto está recuperando o acervo, que integra o Patrimônio Cultural da Saúde e inclui documentos datados da vinda do imperador D. João VI ao Brasil.

O diretor de gestão de informação e conhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS), Ariel Pablos-Mendez, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Moisés Goldbaum, o reitor da UFBA, Naomar Monteiro de Almeida Filho, o diretor da Faculdade de Medicina da UFBA, José Tavares Neto e o Secretário Municipal de Saúde de Salvador, Luiz Eugênio Portela, estiveram entre as autoridades presentes na visita. Nos discursos, eles salientaram a importância histórica e documental das obras de recuperação e do processo de restauração do acervo da biblioteca.

A UFBA abrigou o primeiro curso de medicina do país, inaugurado por D. João VI em 18 de fevereiro de 1808. Sua biblioteca foi erguida 28 anos depois. De lá para cá muitas reformas foram feitas. Entretanto, nos últimos anos, a biblioteca sofreu uma deterioração profunda de sua estrutura física, colocando em risco o precioso acervo histórico. Mas agora o problema pode ser considerado passado. A restauração da biblioteca começou, orientada pela UFBA e deve estar concluída nos próximos anos.

No acervo da biblioteca encontram-se obras raras, publicações do século 19 e dos primeiros anos do 20. No Carnaval de 2 de março de 1905, os foliões puderam acompanhar o incêndio que consumiu parte do edifício da Faculdade de Medicina da Bahia, incinerando 22 mil dos quase 100 mil volumes existentes.

Voltar ao topoVoltar