Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

25/06/2019

9ª Mostra Audiovisual Joaquim Venâncio começa dia 26/6


Por: Julia Neves (EPSJV/Fiocruz)

Desenho de uma flor segurando uma câmera
A Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) promove, nos dias 26 e 27 de junho, a 9ª Mostra Audiovisual Joaquim Venâncio. O evento reúne curtas-metragens produzidos por estudantes de diversos estados do Brasil e de outros países. No ano passado, alunos do quarto ano do ensino médio, da habilitação de Análises Clínicas, da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) tiveram reconhecimento nacional e internacional com o filme Contracorrente. O curta-metragem, que conta a história de um menino incrédulo que recebe mensagens anônimas pelo celular que mudam o curso de sua vida, foi exibido pela primeira vez na edição de 2018, e, além de ser selecionado para exibição em festivais de cinema, mais recentemente, o filme foi exibido no Programa Curta Mostra Geração, da TV Escola.

Na edição de 2019, a mostra promete mais sucessos cinematográficos. Dos 50 vídeos inscritos, 27 foram selecionados para a exibição, incluindo produções dos estados do Rio de Janeiro, Tocantins e Rio Grande do Norte e também da Argentina. Entre as temáticas que perpassam os filmes estão o feminismo, o preconceito racial e o bullying. Criada em 2011, a Mostra já recebeu mais de 300 filmes e exibiu cerca de 200 vídeos de diversas partes do Brasil e de outros países como Itália, Espanha e Portugal.

Segundo o professor-pesquisador da EPSJV, Gregório Albuquerque, que coordena a atividade, a mostra se configura, principalmente, como uma proposta de incentivo, buscando aproximar alunos de escolas públicas – “historicamente distantes de processos de utilização de tecnologias associadas à estética” – do exercício da investigação e do pensamento. “Tudo isso indo além do tecnicismo e da preocupação exclusiva com o produto final, provocando a discussão acerca das produções audiovisuais e de sua homogeneização”, destaca.

A grande novidade da 9ª edição ficou por conta de três concursos lançados no início do ano. Em um deles, os alunos poderiam contribuir na construção de uma vinheta coletiva, postando em uma rede social um vídeo mostrando transformações ocorridas em um espaço de tempo de nove minutos, nove horas, nove dias, nove semanas, nove meses ou nove anos. 

Outro concurso foi o Retros 90, uma campanha para reunir fotos de brinquedos, de objetos e trailers de filmes da década de 90. “Vamos construir um mural de memórias com as fotos enviadas pelos alunos”, adianta Gregório, que anuncia outra atração do evento: “Na tarde do primeiro dia acontece ainda uma apresentação de cosplay, concurso com as inscrições abertas para qualquer aluno se apresentar vestido de algum personagem e realizar uma cena de algum filme, clipe ou comercial. A melhor caracterização ganhará um troféu”.

Programação

A manhã dos dois dias será dedicada à exibição dos curtas-metragens. Um deles é de alunos do Colégio Pedro II, do campus Centro, do Rio de Janeiro. O “Todos em uma” faz uma homenagem a mulheres brasileiras e estrangeiras que contribuíram de alguma forma, seja na área da cultura, das artes, da literatura ou da educação, através de imagens e falas que expressam o protagonismo da mulher na sociedade. Já a Fundação Educandário Princesa Isabel, de Petrópolis (RJ), traz o curta “Cabelo ruim?”, que discute a relação que os jovens têm com o seu cabelo. O Núcleo de Educação da Infância, de Natal (RN), irá apresentar “Limbo (ou de quem sofre bullying)”, que mostra como atos violentos, intencionais e repetitivos atingem as crianças.

Na tarde do dia 27 serão exibidos os curtas “Volta que deu errado”, produzido pelos alunos do ensino médio da EPSJB, na disciplina de Audiovisual, e “Nada Além da Noite” e “Adé de Erê”, dos ex-alunos da Escola Politécnica, Leonardo Maciel e Thais Ayomide, respectivamente. Os curtas serão seguidos de uma roda de conversa, mediada pelo coletivo de Negrxs do Politécnico, com a participação da atriz Léa Garcia.  “Vamos falar sobre a representação das pessoas pretas na mídia. É importante fazer com que essa população seja vista”, afirma Joyce Rodrigues, aluna 3º do ensino médio, da habilitação de Análises Clínicas, da EPSJV/Fiocruz, e coordenadora do coletivo de Negrxs.

Audiovisual e Educação

A partir da necessidade de criação de um espaço dedicado a trocas de experiências pedagógicas entre os professores da educação básica sobre o tema, a EPSJV/Fiocruz criou, em 2018, o Seminário de Audiovisual e Educação. Nesta segunda edição, que será realizada no dia 28 de junho, o seminário traz uma palestra sobre cinema e ciência, com o antropólogo e professor da Universidade Federal de Goiás, José Ribeiro.

Durante a tarde, serão apresentados 19 trabalhos de professores de seis estados do país – Paraná, Maranhão, Goiás, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. “Com a apresentação e debate desses trabalhos científicos sobre audiovisual, pretendemos promover a circulação e o fortalecimento de diferentes propostas teórico-metodológicas, a ampliação de referências teóricas e sua apropriação de acordo com sua realidade educacional”, afirma Gregório.

Conheça a programação.

Voltar ao topoVoltar