Início do conteúdo

10/10/2017

Apoio didático em Vigilância em Saúde

Capas do livros

Por: Julia Neves (EPSJV/Fiocruz)

As publicações – produzidas como parte do Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde (Profaps), buscam fornecer estratégias e recursos para qualificar o trabalho e o trabalhador do SUS nessa área. Os dois volumes refletem, em grande medida, a experiência pioneira da EPSJV/Fiocruz nesta formação, principalmente através do Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde (Proformar), que, desde o início da década passada, se constituiu como importante estratégia para qualificação profissional de trabalhadores de nível médio na Vigilância.

Organizados por Grácia Gondim, Gladys Miyashiro, professoras-pesquisadoras da EPSJV/Fiocruz, e Maria Auxiliadora Córdova Christófaro, professora aposentada da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), os 15 capítulos que compõem os dois volumes do material didático tratam de temas e conteúdos pertinentes ao campo da saúde coletiva, que consolidam a formação de profissionais técnicos de nível médio em vigilância em saúde. “Por ser material didático, não esgota o tema, nem perfaz todo o seu espectro, mas possibilita construir conhecimentos sólidos pertinentes, dando abertura para outras referências bibliográficas, em recortes específicos, ampliando as possibilidades do educando continuar aprendendo”, destaca Grácia.

Segundo Grácia, de 2010 a 2013, o projeto foi dedicado a preparar as bases para construção do material, compor grupos de autores, elaborar termo de referência e preparar as Escolas Técnicas do SUS (ETSUS) para formar trabalhadores do SUS em vigilância em saúde. “Nesse período foram realizados dois seminários regionais com as ETSUS, para discutir o projeto e suas perspectivas”, explica a pesquisadora, que completa: “O trabalho para finalização dos textos levou dois anos, dada a complexidade do campo e do processo de elaboração”.

O primeiro volume, Contexto e Identidade, trata de temas como território e territorialização; ambiente e saúde; trabalho; SUS, além de vigilância epidemiológica; vigilância sanitária; vigilância em saúde ambiental e vigilância em saúde do trabalhador. O segundo volume, Fundamentos, apresenta as questões de epidemiologia; sistemas de informação do SUS; sistemas de informação geográfica; saneamento; planejamento; educação e tecnologia social e comunicação em saúde. “Talvez tenha sido o trabalho mais difícil que realizei nos meus 34 anos de saúde pública e 22 de educação profissional em saúde, pela magnitude, urgência e transcendência do objeto e as instabilidades do processo político-institucional. Foi mais que desafio, foi uma luta diária. Um projeto coletivo que envolveu muitas pessoas, instituições e processos bastante singulares e complexos”, ressalta Gracia.

Proformar e Profaps
O Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde foi realizado de 2001 a 2006 em 26 estados brasileiros e qualificou mais de 30 mil trabalhadores do SUS, em uma importante estratégia para promover a formação profissional nessa área. O programa foi uma ação conjunta da SGTES/MS, Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Fiocruz, Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems). Ao longo da sua realização, elaborou dez livros didáticos, quatro vídeos e formou 1.100 tutores em todo o país.

Criado em 2009 pelo Ministério da Saúde, o Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde (Profaps) buscou ampliar a perspectiva de educação permanente. Herdeiro direto do Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem (Profae), lançado pelo Ministério em 2000, com o objetivo de oferecer qualificação profissional para milhares de trabalhadores que atuavam nos serviços sem nenhuma formação, o Profaps foi um programa de formação voltado para uma força de trabalho em saúde mais especializada, que atendesse, em especial, às regiões onde havia escassez crônica de profissionais.

Voltar ao topoVoltar