Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Palestra sobre síndrome da Zika marca abertura do ano letivo na Fiocruz Ceará

09/03/2020

Compartilhar:

 

A Fiocruz Ceará promoveu, na última sexta-feira (6/03), a Aula Inaugural 2020. A abertura do ano letivo de 2020 da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família (Renasf), braço da Fundação no Ceará, foi proferida pela Dra. Celina Turchi, uma das pesquisadoras mais influentes do mundo e coordenadora do grupo de pesquisa de epidemia da microcefalia, em Recife, com projetos de pesquisa na área de infecção pelo vírus Zika desde 2015.

Em sua explanação a Dra. Celina Turchi detalhou o estudo pioneiro realizado por pesquisadores da Fiocruz de Recife que, após o alerta das autoridades de saúde do estado, a partir da observação de profissionais de saúde que atuavam no atendimento a crianças recém-nascidas na capital pernambucana, passaram dois anos acompanhado 216 crianças nascidas de mães infectadas pelo Zica vírus. Os resultados revelaram que um terço das crianças apresentavam atrasos no desenvolvimento e alterações neurossensoriais.

“Eu sempre digo que o aparecimento e identificação de novos casos, parte geralmente dos serviços de saúde ou das unidades básicas. É esse o grupo do profissional que está na linha de frente, que dá realmente o alerta e depois é levado às instâncias de vigilância e às instâncias de pesquisa. Foi o que aconteceu com a Zika e outras epidemias ou de causa conhecida ou de causa desconhecida que trazem tanto distúrbio e às vezes tanto impacto não só no serviço de saúde, para as famílias e impactos econômicos para o país”, destacou a pesquisadora.

De acordo com o estudo coordenado pela pesquisadora, as crianças expostas ao arbovírus nas primeiras semanas de gestação foram as mais afetadas, enquanto as que foram expostas nas últimas semanas de gestação apresentaram menos complicações. O estudo apontou também, que existem quase 10 mil casos de síndrome congênita causada por infecção por vírus Zika relatados no Brasil, no entanto, somente 25% dos casos foram confirmados.

A aula inaugural reuniu pesquisadores, cientistas, mestrandos e doutorandos da Renasf, além de estudantes das escolas municipais do Eusébio, cidade sede da Fiocruz no Ceará. O evento contou com a presença da Vice-Presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz, Cristiani Vieira Machado. Ela destacou o compromisso da Fiocruz na formação em saúde e da integração entre alunos e professores. Para ela, temas como a epidemia de Zika, mostram que a atenção dos profissionais de saúde representa o início de novas pesquisas, e estes profissionais sendo bem preparados e empoderados de conhecimentos resultam em uma saúde pública de qualidade.

“Nesse momento, toda a comunidade Fiocruz faz uma reflexão sobre os desafios do próximo ano e por isso trazemos temas estratégicos, como essa reflexão crítica sobre a epidemia de Zika, que mostra os desafios em face das desigualdades estruturais na sociedade brasileira e nos faz refletir sobre os desafios da saúde pública e das desigualdades sociais em cima de temas relevantes”, disse.

O coordenador geral da Fiocruz Ceará, Carlile de Lavor avalia que a Fiocruz Ceará terá, em 2020, um ano mais fértil e ressaltou a importância do estudo da Dra. Celina Turchi para a saúde pública no país.

“As mulheres já dominam a assistência à saúde, as ciências sociais, o ensino, e queremos que elas dominem as ciências básicas também, como a biologia, química, física, matemática. Ressalto também a importância de estimularmos as meninas a ingressarem no curso de biotecnologia da escola profissional. Uma das áreas que mais avançam na ciência, está abrindo novos horizontes para a saúde, para o desenvolvimento humano. E sobretudo, destacar, o trabalho da professora Celina, de elucidar a relação entre o vírus da Zika e a microcefalia, uma grande contribuição para o mundo da ciência e para a sociedade”, Salientou Carlile.

A coordenadora do Programa de Pós-Graduação da Renasf, Anya Vieira Meyer lembrou da importância de ter uma mulher cientista à frente da aula inaugural, o que mostra a capacidade da mulher nordestina no estudo científico. Anya ressaltou ainda a representatividade e a respeitabilidade da Dra. Celina Turchi, eleita uma dos 10 mais importantes cientistas de todo o mundo no ano de 2016.

“Esse ano a Fiocruz está trabalhando a temática das meninas e mulheres na ciência e também é um tema que conversa muito bem com as três áreas que a Fiocruz Ceará tem: biotecnologia, saúde e ambiente e saúde da família e também conversa com nossos parceiros, com todas as instituições de ensino e pesquisa do Ceará com quem a Fiocruz tem trabalhado durante todo esse tempo. É um momento muito importante para nós que estamos com três programas stricto sensu, doutorado em biotecnologia e dois mestrados em saúde da família, e na perspectiva ainda nesse ano de abrir o Doutorado em Saúde da Família da Renasf. Este é um período muito fértil na instituição um momento de crescimento que nos deixa muito felizes”, destacou Anya.

 

 

 

 

Voltar ao topoVoltar