Fiocruz

Fundação Oswaldo Cruz uma instituição a serviço da vida

  • Diminuir tamanho do texto
  • Tamanho original do texto
  • Aumentar tamanho do texto
  • Ativar auto contraste
Selecione uma tarefa

Início do conteúdo

10/11/2016

Comitiva da Fiocruz participa de fórum sobre ciência da ONU

André Costa (Agência Fiocruz de Notícias). Fotos: Divulgação

Uma comitiva da Fundação Oswaldo Cruz formada pelo presidente da instituição, Paulo Gadelha, pelo diretor do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz), Paulo Buss, pelo diretor do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS/Fiocruz), Carlos Morel e pelo professor da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) e chefe do Programa Especial sobre Desenvolvimento Sustentável e Equidade em Saúde da Organização Panamericana da Saúde (Opas), Luiz Augusto Galvão, participou nos dias 6 e 7 de junho do primeiro Fórum Multissetorial sobre Ciência, Tecnologia e Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento  Sustentável (Fórum de ODSs), na sede das Nações Unidas, em Nova York.

O Fórum teve por objetivos oferecer recomendações e consultorias envolvendo o uso da ciência, tecnologia e inovação para o Fórum Político de Alto Nível da ONU, que aconteceu no mês de julho, assim como envolver todos os segmentos da sociedade para o cumprimento dos ODSs.

As discussões se concentraram sobretudo em três temas: 1) ações e políticas que possam fortalecer os ODSs e a capacidade humana em todos os países; 2) o desenvolvimento de plataformas para o compartilhamento de conhecimento, informações e conselhos entre os países e sociedades sobre políticas, ações, parcerias e tecnologias; 3) a elaboração de mecanismos para o desenvolvimento de planos de ações nacionais e internacionais para o cumprimento dos ODSs individual e coletivamente.

Além de integrar a comitiva, Gadelha é também um dos dez membros do Mecanismo de Facilitação Tecnológica (TFM), formado por representantes da sociedade civil, do setor privado e da comunidade científica, que ajudou a organizar o Fórum, além de oferecer recomendações de alto nível para a condução do mesmo. Gadelha foi eleito para o cargo em janeiro, e cumpre mandato de dois anos. A criação do Mecanismo está prevista na Agenda para o Desenvolvimento Sustentável 2030 das Nações Unidas, adotada na 3ª Convenção Internacional de Financiamento para o Desenvolvimento, ocorrida em setembro de 2015 em Addis Ababa, na Etiópia.

Em seu comunicado aos participantes, presente em um documento conjunto emitido pelos membros do Mecanismo, Gadelha destacou que “consideramos as áreas da saúde e do desenvolvimento praticamente áreas siamesas. A saúde é um direito individual e coletivo, articulando a base produtiva e a inovação aos direitos humanos, à equidade e à inclusão social”, disse. “Uma vez tenhamos atingido uma boa relação entre o setor da saúde e os ODSs, os efeitos econômicos e sociais serão extremamente expressivos para a Agenda 2030”.

Na abertura do evento, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, enfatizou a importância da tecnologia e da ciência para o desenvolvimento sustentável. “Nos próximos 15 anos, os avanços em ciências, tecnologias e inovação serão fundamentais para o cumprimento de todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), da erradicação da pobreza à agricultura e à segurança alimentar, incluindo ainda a energia, a água, o saneamento e as mudanças climáticas”, disse Ban. “Conectar a ciência, a tecnologia e a inovação ao progresso no desenvolvimento sustentável, com efeitos práticos, é o desafio mais difícil. É este vazio que se espera que o Fórum preencha. Vocês têm uma missão crítica a cumprir”.

Em comunicado transmitido ao evento, o empresário e filantropo Bill Gates, falando em nome da Fundação Bill e Melinda Gates, que ajudou a financiar o Fórum, ressaltou a necessidade de se apoiar o desenvolvimento sustentável para além dos países ricos. “Em países pobres, há poucos incentivos financeiros em áreas cruciais ao desenvolvimento, então os mercados nem sempre oferecem a velocidade ou a escala de inovações para as comunidades que mais precisam delas. Para acelerar o progresso e alcançar as ambiciosas metas dos ODSs, é importante que invistamos em mentes brilhantes e em ideias audazes que possam entregar uma nova geração de soluções para as pessoas, em todos os lugares. Este Fórum é um passo importante para que possamos fazer isto de modo coordenado e relevante”, disse o comunicado, lido pelo presidente do Conselho Social e Econômico da ONU, Mogens Lykketoft.

Além de acompanhar as discussões do Fórum principal, a comitiva da Fiocruz coordena uma mesa em um evento paralelo à programação central, sobre desafios e oportunidades para a ciência, a tecnologia e a inovação para a implementação dos SDGs relacionados à saúde na Agenda 2030.

Voltar ao topoVoltar