Início do conteúdo

Fiocruz Paraná lança o jogo ''No Rastro de Merit''


29/04/2021

Instituto Carlos Chagas - ICC/Fiocruz Paraná

Compartilhar:

No dia 20 de abril, a Coordenação de Extensão e Divulgação Científica do Instituto Carlos Chagas (ICC/ Fiocruz Paraná) lançou o jogo No Rastro de Merit. O jogo faz parte de um projeto maior, comtemplado no edital “Mais Meninas na Fiocruz” da Fundação Oswaldo Cruz, e oferece o resgate da história de mulheres cientistas ao longo do tempo, a valorização das cientistas contemporâneas e a inspiração para futuras cientistas. O evento online de lançamento contou com a participação das estudantes contempladas na iniciativa Cientista-Madrinha, das pesquisadoras e diretoria da Fiocruz Paraná, além da presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, e da coordenadora de Divulgação Científica da Vice-presidência de Educação, Comunicação e Informação da Fundação, Cristina Araripe.

“Conectando passado, presente e futuro, o jogo possibilita conhecer a atuação das mulheres na ciência bem como obstáculos, já superados ou atuais, que lhes dificultam a trajetória, e esperanças e oportunidades que surgem com o fortalecimento da sororidade na caminhada científica. Com uma dinâmica simples, rápida e divertida, aprende-se muito neste jogo, que pode ser jogado entre 2 a 6 participantes, de forma individual, em duplas ou com formação de times”, explica Maria das Graças Rojas Soto, criadora do instrumento e coordenadora de Extensão e Divulgação Científica do ICC. Durante o evento, foi exibido um tutorial demonstrando uma partida do jogo.

Maria das Graças Rojas Soto, coordenadora do projeto No Rastro de Merit, ao lado do jogo impresso

Em sua fala, a presidente da Fiocruz, Nisia Trindade Lima, cumprimentou a iniciativa. “Esse trabalho reforça a importância de nosso edital. Deixo aqui meu reconhecimento à Fiocruz Paraná, que tantos avanços faz na pesquisa e no desenvolvimento tecnológico e, ao mesmo tempo, valoriza a educação, a história da ciência e incentiva a prática da ciência pelas meninas”, ressaltou Nísia. “A mulher pode ser o que quiser, mas não basta querer, tem que poder. Nem sempre temos a condição de usufruir e refletir sobre essa questão; é preciso ter acesso. Por isso, esse tipo de projeto é tão especial, precisamos acolher mais e mais meninas e mulheres na Fiocruz”, reforçou.

A programação do lançamento incluiu a interação do público que acompanhou com as cientistas que participaram do projeto, e apresentou o depoimento da universitária Luna Valentine Foschini, cocriadora do jogo, além da ilustradora Gabriela Rojas, responsável pelas ilustrações das cartas e do tabuleiro, sobre suas emoções e aprendizados durante o desenvolvimento do instrumento lúdico.

O jogo está disponível para impressão após o download em https://www.icc.fiocruz.br/extensaodivulgacaocientifica.

Perdeu o lançamento? Assista em https://www.facebook.com/fiocruzparana

Volver arribaVolver