Início do conteúdo

09/01/2017

Com estoques em baixa, banco de leite humano precisa de doações


Por Juliana Xavier (IFF/Fiocruz)

Os estoques de leite humano, destinados a alimentar bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em UTIs Neonatais durante todo o ano, estão em baixa no Centro de Referência Nacional para Bancos de Leite Humano, localizado no Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), no Rio de Janeiro. A queda costuma acontecer no período de dezembro a fevereiro, já que devido às festividades de fim de ano e às férias, muitas doadoras viajam. “Em relação aos meses de junho e agosto, nos quais a demanda de volume de leite humano coletado é maior, janeiro apresenta uma queda de quase 60%”, falou a gerente do Centro de Referência para Bancos de Leite Humano do IFF, Danielle Aparecida da Silva.

Veja o passo a passo para doar
Encontre o banco de leite mais próximo a você

A gerente ressalta que a queda no estoque nesse período é nacional. “Essa baixa reflete no número de prematuros que são beneficiados com essa doação. Semanalmente precisamos, aqui no IFF, de mais ou menos 50 litros de leite, atualmente estamos com apenas 30 litros para nutrir essa demanda de bebês”, explicou ela. Ainda segundo Danielle, no Rio a situação é ainda mais grave. “A maioria dos pontos de coleta no Rio estão na capital, e quem viaja não tem como doar em outro lugar. Já em São Paulo é diferente, há bancos de leite em várias cidades do interior e as mulheres podem continuar a doação mesmo em viagem”, esclareceu.

 As mães que desejarem contribuir devem entrar em contato pelo telefone gratuito 08000-268877, procurar o Banco de Leite Humano mais próximo da sua residência ou acessar o site oficial da Rede , na aba “Mãe/familiar”, localizada na parte superior do site, as mamães encontram informações referentes à doação de leite humano e apoio à amamentação. A partir desse contato, é feito um cadastro e uma inscrição. A única exigência é que a mãe esteja amamentando seu próprio filho. No caso de ela estar tomando algum medicamento, isso deve ser informado para que seja verificado se é possível fazer a doação. A mulher também recebe orientações e, se necessário, tratamentos para solucionar alguma dificuldade que tenha em relação à amamentação.

Uma vez cadastrada como doadora, não há necessidade de ir ao Banco de Leite periodicamente. A coleta pode ser feita na residência, uma vez por semana. O leite, nesse caso, deve ficar armazenado no recipiente fornecido pelo próprio BLH: pote de vidro com tampa de plástico. Recipiente, este, que também está em falta nos Bancos de Leite. É possível ajudar doando potes de vidros, com bordas largas, sem pinturas no vidro e com tampas plásticas, como os potes de vidro de café solúvel, por exemplo. “Esses frascos são apropriados para o armazenamento do leite materno doado, pois o vidro não acumula cheiro nem resíduos, é fácil de esterilizar e limpar e, por isso, é o material perfeito para guardar o leite materno no freezer antes e depois da pasteurização feita pelos bancos de leite”, explicou Danielle Aparecida.

 Procedimentos de doação

Primeira coleta:

 - Usar o pote fornecido pelo banco de leite e, depois de concluída a coleta, colar uma etiqueta com seu nome e com a data dessa primeira coleta;

  - Colocar o frasco no freezer ou congelador.

 Coletas posteriores:

 - Esterilizar um copo de vidro em água fervente por 15 minutos; depois deixar secar no tempo (sem passar nenhum tipo de pano);

- Coletar o leite nesse copo; e despejar o conteúdo dentro do pote em que foi feita a primeira coleta e recolocá-lo no freezer ou congelador.

 Recolhimento:

Será realizado por funcionários após contato telefônico.

Voltar ao topoVoltar