Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Início do conteúdo

Vacinação Covid-19 na Fiocruz: Perguntas Frequentes

1 – Como os trabalhadores da Fiocruz serão vacinados?

Os trabalhadores da Fiocruz serão vacinados de acordo com os critérios do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS), contidos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 e nos planos municipais, considerando a disponibilidade de vacinas no município. Cada trabalhador deve ficar atento ao calendário definido pelo município onde reside para verificar em que momento e locais poderá receber a vacina.

2 - Quais são os grupos prioritários para a vacinação entre os trabalhadores da Fiocruz?

São os mesmos definidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS) e detalhados nos planos municipais. Na etapa inicial da primeira fase de vacinação foram imunizados profissionais de saúde atuando diretamente na assistência a pacientes com a covid-19,  os idosos e deficientes que vivem em residências de longa permanência, indígenas que vivem em áreas indígenas e quilombolas. Tais orientações aplicam-se também a trabalhadores da Fiocruz. As orientações do PNI ou da Secretaria Municipal de Saúde local sobre inclusão de novos grupos nos planos de vacinação serão divulgadas pelos municípios.

Os trabalhadores das unidades fora do Rio de Janeiro devem seguir as orientações de suas respectivas secretarias municipais de saúde.

3- Podemos escolher qual vacina tomar?

Não. Segundo determinação do Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS), responsável pela distribuição das vacinas em todo o território nacional, a aplicação do imunizante será de acordo com a disponibilidade da vacina em cada região do país. Ou seja: não haverá possibilidade de escolher.

4 - Sou aposentado da Fiocruz, posso me vacinar na Fundação?

Os trabalhadores da Fiocruz também serão imunizados segundo os critérios do Programa Nacional de Imunizações (PNI/MS) e, caso estejam contemplados dentre os grupos prioritários a serem vacinados, devem se dirigir aos locais de vacinação determinados pelas secretarias municipais de saúde.

5 - Quais documentos posso consultar como referência sobre a vacinação da Covid-19?

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 do Ministério da Saúde e os planos municipais e estaduais de seu local de residência.

6 - Sou portador de doença crônica. Como atestar minha comorbidade?

Os documentos a serem apresentados para comprovar comorbidades serão definidos por cada município, bem como o período em que esse grupo populacional será vacinado. 

7 - Já tive Covid – 19, preciso me vacinar?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, quem já teve Covid-19, independente de ter tido ou não sintomas e da gravidade destes, deve tomar a vacina para evitar casos de reinfecção. Recomenda-se aguardar cerca de 30 dias entre o início dos sintomas (ou a data do exame positivo de PCR para pessoas assintomáticas) e a aplicação da primeira dose da vacina.

8 - Grávidas e mulheres que estão amamentando podem se vacinar?

Os estudos clínicos realizados com as diferentes vacinas disponíveis atualmente não avaliaram a eficácia e a segurança dos produtos em grávidas e lactantes. Pela sua composição essas vacinas não possuem risco teórico de menor segurança em gestantes e estudos realizados em animais também não evidenciaram risco. A decisão de tomar ou não a vacina se você estiver grávida ou amamentando deve ser avaliada individualmente, considerando o grau de potencial exposição ao novo coronavírus, o risco de ter quadros mais graves de COVID-19 e a disponibilidade de vacinas.

9 - Quantas doses são necessárias?

Os dois produtos disponíveis no Brasil são administrados em duas doses. Para a vacina CoronaVac® deve haver um intervalo entre 14 e 28 dias entre a primeira e a segunda dose. Já para a vacina AstraZeneca/Oxford, produzida em parceria com a Fiocruz, é recomendado um intervalo de 90 dias entra a primeira e a segunda dose.

10 - A vacina possui algum efeito colateral?

Nos estudos clínicos com as duas vacinas disponíveis no Brasil a grande maioria dos efeitos colaterais observados foram reações leves a moderadas no local da aplicação, sendo a mais comum a dor no local da injeção, efeito comum a todas as aplicações de vacinas. Mais raramente podem ocorrer efeitos sistêmicos, como febre, dor de cabeça e dor no corpo

11 - Quais as contraindicações?

Pacientes com febre, doença aguda e início agudo de doenças crônicas não devem receber a vacina, assim como pessoas com alergia a qualquer um dos componentes da vacina. As vacinas não foram avaliadas em menores de 18 anos, portanto esse grupo não deve ser vacinado nesse momento.

12 - A vacina é segura?

Sim. Tanto a vacina desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, a vacina CoronaVac, como o imunizante desenvolvido pela AstraZeneca/Oxford, produzida em parceria com a Fiocruz, tiveram uso emergencial aprovado pela Anvisa. 

13 - Posso parar de usar máscara após me vacinar?

Não. Os estudos realizados até o momento mostram que as vacinas protegem contra a doença COVID-19, não contra a infecção assintomática e a transmissão do vírus para outras pessoas. 
Assim, a recomendação é de seguir com o uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social, até que toda a população seja vacinada e se saiba mais sobre os efeitos da vacina na contenção da transmissão. 

14 - Mesmo imunizado, ainda posso ser contaminado?

Estudos sobre a frequência de infecção após a vacinação ainda estão em andamento, pelo que se sabe até o momento pessoas vacinadas podem adquirir o vírus e observa-se uma tendência de esses indivíduos estarem protegidos de quadros graves.

* Publicado em 4 de fevereiro de 2021

Voltar ao topoVoltar